Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Majestoso!

Majestade não era o cidadão Pedro, Luís, Carlos ou Manuel de Bragança. 
Majestade era o Rei e o Rei era Portugal. 
Majestoso era o nosso País…!
Share |

Objectivo!

É objectivo que para uma nação ter força negocial, carece de ter influência e essa vem do seu poder.
É objectivo que uma Alemanha, uma China ou uns EUA é que ainda vão tendo esse tipo de influência.
É objectivo que Portugal, por intermédio da nossa Monarquia, já teve essa influência.
É objectivo que a partir da implantação da república, pelo partido republicano, perdemos essa influência.
Devia ser objectivo de ser devolvido o poder a quem nos deu aquela influência: Monarquia!
Share |

Realidades...

Só para relembrar: 
No Brasil a moeda ainda é o real. 
Cá não caímos na real.
Share |

"Reiterando a minha fidelidade a um ideal de sempre"*

*Por: FERNANDO DE SÁ MONTEIRO, Convidado do ESTADOSENTIDO.
Share |

Só falando de bem-estar, não numa proporção de Paraíso

Todo o bem-estar importa sacrifício, é redundante e básico...mas é assim!
Share |

Porque é do génio Elfman e porque nos aproximamos do Natal...


Share |

domingo, 25 de novembro de 2012

Feliz Aniversário!

Parabéns a S.A., o Infante de Portugal, Dom Dinis de Santa Maria de Herédia de Bragança pelo seu 13.º aniversário. 
S.A. nasceu no dia da real Liberdade! 
Votos de muita felicidade, saúde e sabedoria.
Share |

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Em 30 de Abril de 1824

«Dom Miguel, segundo filho de Dom João VI, lança uma proclamação em Portugal, com estas palavras: “Longa vida para o Rei! Longa vida para o catolicismo! Morte e destruição aos sacrilégios maçons livres”.»
Share |

Solenes exéquias

Share |

Hoje!

Estou cada vez mais convencido que a Concessão de Évora Monte (26 de Maio de 1834), foi só um pouquinho menos má para a Monarquia que o 5 de Outubro de 1910.
Share |

O "caso Algarve", em bom rigor, é uma descomunal e ilegal trapalhada que ainda prevalece após 5-10-1910

Mais um argumento:
 
«Em 26 de Novembro de 1836, D. Miguel nomeou simbolicamente Governador do Reino do Algarve e Comandante em Chefe Interino de Todas as Tropas Realistas, Regulares e Irregulares do Exército de Operações do Sul o chamado "Remexido", líder de um grupo de guerrilheiros e ex-soldados, que se manteve fiel à causa miguelista e fez acesa resistência no território compreendido entre o Algarve e o norte do Alentejo durante mais de quatro anos após a Concessão[7]. O que não foi caso isolado, já que se conhecem vários outros focos de luta de guerrilha ao longo de todo o país nesta época, com especial destaque no Norte de Portugal, apoiados nomeadamente pelo célebre Zé do Telhado, no Douro, e pelo Conde Almada, no Minho.»*
 
* Wikipedia.
 
Share |

Serão os alemães nossos inimigos?

Factos: 

1.º) D. Miguel I de Portugal tinha na Prússia (de Frederico Guilherme III) uma fortíssima aliada, a pareceria de futuro que acabou por não se concretizar. A única certeza que temos é que o caminho seguido, após o seu exílio, foi mau. Temos nos dias de hoje a prova;

2.º) Os nazis não nos invadiram, quando teria sido bastante simples para eles; 

3.º) “Há mais de 300 empresas alemãs em Portugal algumas delas estão cá há mais de cem anos, como a Siemens ou a Bosch”*. 

*in ‘Caderno de Economia’ do Expresso, de 10-11-2012, pág. 18. 

Nota final: Nunca chegamos a aliar-nos aos alemães como fizemos com os ingleses, entretanto afastamo-nos dos últimos e fomos colar-nos, definitivamente, a partir de 1910, aos franceses que nem nos ajudam, nem servem de modelo, nem nos ligam.
Share |

D. Manuel II e o seu povo...

...nós!
Share |

Belíssimo texto...

...do João Mattos e Silva. A ler.
Share |

A república e a nossa cruz...

Tanta república, tanta república, tanto positivismo, tanto positivismo, tanta ciência, tanta ciência e nos tops dos relatórios sobre as melhores escolas do País...essas têm quase sempre uma cruz no cimo da sala de aula.
Share |

James Ferarro . "R-Complex" (2010)

Share |

Tokyo Offshore Project . "Hyperambient" (1994)

Ando a vasculhar nas minhas colectâneas "Jazz in The House"...
Share |

Charles Gayle . "I Can't Get Started" (2003)

No passado sábado, foi ao vivo.
Share |

New Order . "Don't Do It" (1989)

Em vinil, existe cá esta raridade: B-side of Technique's Fine Time.
Naquele ano, considerado o melhor álbum de dança pelas mais destacadas revistas da especialidade.
Share |

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Cá começou desde 1910...

...na França a eleição do presidente começou a ser realizada, por sufrágio universal directo, em 1962.
Share |

A grande verdade!

Share |

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Neds


Share |

S.M. El-Rey D. Miguel I, o Popular

Vídeo.

Texto conexo ao aludido vídeo:


Share |

E não querem que ele seja o nosso representante?!

verdades e soluções! Tocou, como sempre, no essencial…sem meias tintas.

Concordo: Não seria preciso incumprir prazos, ou pedir mais resgates. Bastariam ajustamentos à taxa de juro, os quais não trariam muito menos lucro aos credores, aumentaria a capacidade de pagamento dos devedores e aliviava os portugueses e a(s) economia(s) destes.

Não vi criticar ou criar celeumas com o Governo. Não vi criticar ou criar celeumas com os nossos credores. Não vi criticar ou criar celeumas com a oposição. Apenas vi um discurso proactivo e sempre em prol de Portugal e dos portugueses.
Share |

Muito bem SAR!

Share |

Bom texto. A ler:

Share |

Dito por Carlos Azeredo

«A Monarquia fez Portugal e criou um Império; 
a república acabou com o Império e está em vias de acabar com Portugal.» 

Carlos Azeredo (General)
Share |

República desencantada

Para alguns: Saímos de um “Reino Encantado”, em 1910. 

A crua realidade: Vivemos hoje numa utopia impraticável…que está a levar Portugal à miséria e à tristeza. 

Prefiro viver “encantado” com o País!
Share |

Fatima Al Qadiri . D-Medley" (2012)

She's working in New York!
Share |

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Aqui defende-se Isabel Jonet!
Share |

Happy Mondays


Share |

Herbie Hancock . "It Ain't Necessarily So" (1998)

He plays Gershwin...cá em CD desde 1998. 
O maior vivo, na "área"! 
"Gershwin's World"
Share |

Ombre . "Weight Those Words" (2012)

Share |

Woolfy vs Projections . "Cellophane" (2012)

The Return Of Love...
Share |

Ty Segall . "People These Days" (2008)

Share |

Groove Armada . "Superstylin'" (2001)

Share |

The Cardigans

«(...)
Fool me fool me
go on and fool me
(...)»
Share |

Modjo . "Chillin'(Modjo's Dyrt Remix)" (2000)

Share |

Wolfgang Amadeus Mozart . "Sonata dos pianos en D, K 448 - Allegro con brio" (????)

Como é bom acordar num sábado com um som deste espalhado pela casa. 
Share |

Everything But The Girl . "Temperamental" (1999)

Share |

The Supermen Lovers . "Let me show you" (2012)

Funk is not dead!
Share |

Benjamin Biolay . "Laisse Aboyer Les Chiens" (2007)

Share |

Miguel . "Do You" (2012)

Share |

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

As voltas que a vida dá


Share |

Short note

A república sempre olhou muito para a frente e pouco para trás...daí a senhora ser solteira, como a culpa.
Share |

O testemunho

O que mais me apraz na Lei Mental é uma palavra-chave: testemunho.
Que testemunho? O testemunho de D. Duarte I que, sabendo o que ia in mente de seu pai, não traiu o pensamento de D. João I e concretizou, em Lei expressa, o que o seu antecessor não conseguiria alcançar em vida. Também houve, de certo modo, um testemunho por D. Manuel I que compilou nas “Ordenações Manuelinas” a aludida Lei. 

É precisamente a ausência desse testemunho, firme e honrado, que mais se sente hoje…daí o nosso retrocesso enquanto povo e, sobretudo, enquanto civilização.

Há que entender, de uma vez por todas, que Portugal não nasceu como república, não está configurado sistemicamente para evoluir como república e, portanto, não funcionamos enquanto república…as provas são mais que evidentes especialmente hoje. Nem precisamos de recorrer ao tempo em que vivemos (767 anos) como Monarquia para percebermos isso. São as próprias tradições e costumes fundacionais monárquicos que, remontando a antiquíssimas raízes difíceis de explicar e identificar, nunca se irão imiscuir com a república...e ainda bem pois esses somos nós, essa é a nossa identidade, mesmo que não discernida por alguns.

É absolutamente extraordinário, como muito povo português continua, ainda hoje, de forma estranhamente apaixonada, a reclamar Monarquia, i.e., Portugal! Monarquia é Portugal, Portugal sempre será Monarquia para viver. Mas porquê!? Porque existem tantos que ainda querem Monarquia…?! A resposta é simples e não reside apenas nos exemplos paralelos de sucesso do presente (e de futuro) das monarquias mundiais, o busílis reside, por mais que doa alguma elite jacobina e maçónica, no facto de Portugal não ter nascido em 5-10-1910 mas sim no século XII. Bem tentarem refundar a Nação de vermelho e verde, mas os mais atentos não caem na falácia. A prova de que isto não funciona é que em 102 anos nós afundamos cada vez mais e estamos à beira do abismo. Já vamos na III república… A república não é Portugal pois falha sempre e este País nunca foi, outrora, uma nação de falhados.

É importante que façamos um rigoroso e adaptado ensaio comparativo e confrontemos os mesmos primeiros 102 anos, em Monarquia, regime “mátria” de Portugal e que nos deu a nossa efectiva Fundação (e não uma formatação imposta como aquela que suportamos até hoje) com os actuais 102 em república. Portugal, naquele primeiro período, já era um País motivado, em expansão e em crescendo no mesmo exacto número de anos. Eramos, de dia para dia, melhores…e os Descobrimentos, a Índia, o ouro do Brasil ainda estavam para vir... 

Hoje somos um País em retrocesso enquanto Nação soberana, sem motivação, desacreditado e em contenção de tudo…até de alegria.
Share |

Nunca houve Guerra Civil em Portugal...

Tenho sérias dúvidas que as guerras liberais tenham sido uma/a verdadeira Guerra Civil Portuguesa.
Isso porque: O lado vencedor teve de ir recrutar, com empréstimos estrangeiros, endividando ainda mais o País, rufias e mercenários a Inglaterra e a França, sendo os seus "exércitos", "generais" e "almirantes" substantivamente de origem transfronteiriça. Ou seja, o Liberalismo importado que apoiavam enfrentava portugueses...!
Share |

"Presente, como sempre!"

(Fonte clicando na foto)
Share |

Também na Marinha Grande

Share |

Air . "Heaven's Light" (2009)

Share |

David Axelrod . "Holy Thursday" (1968)

Sooo Holy funky!
Via ZB.
Share |

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Findo o Movimento "Cidadania pela Monarquia: Melhor Democracia!" - Conclusões


Caríssimos amigos monárquicos apoiantes,

Terminou a 1.ª fase do programa do Governo designado "O Meu Movimento". O movimento de cidadania, não institucional e apartidário, “Cidadania pela Monarquia: Melhor Democracia!” ficou posicionado na 23.ª posição, num total de 324 movimentos oficializados, tendo reunido 115 apoios.
Share |

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Shut Up and Play the Hits


Share |

Protecção ao nosso Rei, sempre!

Um Rei protector...Um Rei protegido! Um Rei entre os seus...um Rei entre nós!

Todos unidos em volta de um bom ideal para o País, somos cada vez mais e o Rei de Portugal conta e contará sempre com a nossa incondicional protecção!
Share |

Short note

Um Rei não tem um discurso político–partidário… … …e ainda bem que é assim!
Share |

Era Filipina = Era republicana

Espera-se que as 3 repúblicas culminem como os 3 Filipes de Espanha, ou seja venha depois Monarquia Portuguesa!
Share |

A poderosíssima arma do referendo!

Considerando os casos da Escócia e das efervescentes parcelas independentistas da Espanha…é óbvio e transparente que os referendos já são moda nos regimes de hoje.

A bem da Democracia, esse escrutínio parece-me, curiosa e paradoxalmente, que terá efeitos mais marcantes e definitivos que muitos e muitos anos de atentados.

O regime em Portugal devia ter esse mecanismo legal, especialmente nos dias que (o)correm, bastante mais em conta…
Share |

Certos "progressos"...

Este País nunca avançará enquanto certos "progressos" não forem percebidos e assumidos como retrocessos e não houver vontade de recuperar aquilo que funcionou e estava correcto…
Share |

72 anos!

Como todos sabem sou um convicto admirador de D. Miguel I de Portugal, mas é importante frisar que a Carta Constitucional durou 72 anos. Foi a constituição portuguesa que esteve mais tempo em vigor e que compreendeu o maior período democrático da História de Portugal.

A Constituição da república portuguesa de 1976, presentemente em vigor, sofreu 7 revisões. A Carta Constitucional sofre apenas 4 revisões constitucionais, designadas por Actos Adicionais. Tirem as V. ilações…
Share |

O caminho do futuro não será fácil…


Constituição portuguesa de 1976, ainda hoje em vigor, já padeceu de 7 revisões constitucionais (em 1982, 1989, 1992, 1997, 2001, 2004 e 2005). A Constituição de 1976 já sofreu mais revisões constitucionais do que a Carta Constitucional de 1826. Crise, miséria, pobreza…essas continuam.

As expressões salientadas a vermelho, só foram "adaptadas" a partir de 82 e, com mais cosmética, em 89 (quando sai "do papel" a componente ideológica 'socialismo').
Share |

Retive estas duas frases...

...daqui:

1.ª) «Portugal é a mais antiga Nação da Europa»
Prof. Joaquim Veríssimo Serrão

2.ª) «Portugal não estende a mão senão a Deus »
O último herói português, Henrique Paiva Couceiro.
Share |

"Vermelhismo"...

Sempre entendi que, genericamente, o Benfica era um razoável e fiável espelho das repúblicas que fomos e somos. 
Todavia, está a ser o meu Sporting a reflectir o estado de Portugal...
Share |

Norodom Sihanouk

Faleceu no passado dia 15 o “multifacetado” e polémico Rei do Camboja.
Share |

Efterklang . "Hollow Mountain" (2012)

4AD product!
Share |

Air . "Somewhere Between Waking and Sleeping" (2007)

Neil Hannon, vocals.
Share |

"Jeanne D'Arc - Batailles & Prisons Hespèrion XXI" (2012)


«Les Voix : Veni Sancte spiritus». G. Dufay (ca. 1400-1474)

Share |

Woody Herman Big Band . "Caldonia" (1964)

Share |

Stealing Sheep . "Genevieve" (2012)

Share |

Tim Maia . "Flores belas" (1977)

Instrumental. 
From Brasil...! 
Share |

Wilson Pickett . "Everybody needs someone to Love" (1966)

Share |

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!