Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

terça-feira, 30 de novembro de 2010

In loco

Nenhum republicano pode falar com propriedade daquilo que foi a Monarquia em Portugal. Foram quase oito séculos de progresso, grandiosidade e, sobre tudo, outra mentalidade...sublinho outra mentalidade.

Das poucas pessoas que podiam falar com propriedade foi «Maria do Couto Maia-Lopes (24 de Outubro de 1890 - 25 de Julho de 2005) foi, até hoje, a segunda mais velha pessoa portuguesa de sempre e uma das poucas supercentenárias no mundo. Morava em Grijó, perto de Vila Nova de Gaia. Faleceu com a idade de 114 anos.

Lembrava-se do dia em que o último rei de Portugal, D.Manuel II, visitou a localidade próxima de Espinho, em 23 de Novembro de 1908.»*

* Wikipedia
Share |

Short note...

Esta república que temos desde 1910 tanto quer mudar e inovar que nenhum legado estrutural vai deixar.

Na Escócia até a história do velho Jock, de seu cão Bobby e do cemitério Greyfriar, ficará para todo sempre na mente dos britânicos em geral e dos escoceses em especial…!
Share |

Projecto de axioma...

Esta vincada posição monárquica permite-nos ser supra partidários, ter uma visão neutral e isto é propulsor de progresso, uma vez que facilita uma crença mais desprendida e renovada sobre as instituições.
Share |

Extraído d' "O Grande Ditador" (1940)

Share |

Para todos entenderem...

...vem em inglês, com legendas e feito com desenhos!
Share |

Aloe Blacc . "Mama Hold My Hand" (2010)

For my mama...!
Share |

Sylvia Striplin . "All Alone" (1981)

Share |

Gorillaz . "Crystalized (The XX cover)" (2010)

I'm "crystalized"...! ;-)
Share |

Thievery Corporation (by David Snell) . "International Flight" (2004)

Foi o penúltimo álbum dos Thievery que comprei...
Share |

domingo, 28 de novembro de 2010

Agora a Sério

Share |

Porque parece que gostaram no facebook...

...aqui vai a transcrição:

Viva uma nova Monarquia para Portugal! A Monarquia saberá reencontrar um bom caminho para os nossos destinos e reconstruir o progresso de Portugal como só ela soube!
Share |

Short note...

As Monarquias são hoje democraticamente mais republicanas que as repúblicas em sentido absoluto, quando as últimas não permitem o povo prenunciar-se sobre a forma de regime e ao elegerem uma elite para PR's por via partidária...!
Share |

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

«Nepal: restauração à vista»

Apanhei esta interessante notícia aqui!
Share |

Primal Scream . "Autobahn 66" (2002)

Hoje entendi que devia ser algo que, cá em casa, já há muito tempo, é "primal"!
Share |

Primal Scream (Feat. Kate Moss) . "Some Velvet Morning" (2002)

Original single by Nancy Sinatra & Lee Hazlewood
But, with Kate, it's "some velvet morning" else...;-)


Primal Scream - Some Velvet Morning
Share |

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Por uma mulher não sou, nem nunca serei, da república…


Porquanto serei de Portugal e nunca da república portuguesa?
R: Em síntese – Serei enquanto na minha memória perdurar aquela imagem de uma Mulher que usou um ramo de flores para defender a integridade dos seus entes queridos da ferocidade das pistolas e das espingardas que, em curta distância, cobardemente iam tirando a vida à sua Família, manchando-nos de sangue até hoje…!


Factos históricos

«A rainha, já de pé, fustiga-o com a única arma de que dispunha: um ramo de flores, gritando “Infames! Infames!” O criminoso volta-se para o príncipe D. Luís Filipe, que se levanta e saca do revólver do bolso do sobretudo, mas é atingido no peito. A bala, de pequeno calibre, não penetra o esterno (segundo outros relatos, atravessa-lhe um pulmão, mas não era uma ferida mortal) e o Príncipe, sem hesitar, aproveitando porventura a distracção fornecida pela actuação inesperada da rainha sua mãe, desfecha quatro tiros rápidos sobre o atacante, que tomba da carruagem. Mas ao levantar-se D. Luís Filipe fica na linha de tiro e o assassino da carabina atira a matar: uma bala de grosso calibre atinge-o na face esquerda, saindo pela nuca. D. Manuel vê o seu irmão já tombado e tenta estancar-lhe o sangue com um lenço, que logo fica ensopado.

A fuzilaria continua. Dª Amélia permanece de pé, gritando por ajuda. Buíça volta a fazer pontaria (sobre o infante? sobre a rainha?) mas é impedido de disparar sobre a carruagem pela intervenção de Henrique da Silva Valente, simples soldado de Infantaria 12, que passava no local, e que se lança sobre ele de mãos nuas. Na breve luta que se segue o soldado é atingido numa perna, mas a sua intervenção é providencial. Tendo voltado o seu cavalo, o oficial Francisco Figueira carrega primeiro sobre o Costa, que ferido pelo príncipe é atingido por um golpe de sabre e preso pela polícia, e de seguida dirige-se a Buíça. Este ainda o consegue atingir numa perna com a sua última bala e tenta fugir, mas Figueira alcança-o e imobiliza-o com uma estocada.»

Fonte - Wikipedia
Desenhos - Obtidos no respectivo sítio. Clicar sobre os próprios.

Share |

11.º aniversário de S.A., o Infante Dom Dinis de Santa Maria

Felicitações e parabéns por mais um ano!
Share |

Short note...

Os meus filhos vão viver pior que eu; eu vivo e viverei pior que os meus pais e ainda me perguntam porque antes de 1910 Portugal era bem melhor que hoje em dia…!?
Share |

Inside Job

Share |

The Beatles . “Magical Mystery Tour” (1967)

Esta é para aqueles que não tendo vida fácil, fazem dela uma “Magical Mystery Tour”…!
Share |

Twin Shadow . "Yellow Balloon" (2010)

Share |

Grum . "Someday We'll Be Together" (2010)

Depois de muita análise, pesquisa e pareceres complementares...foi votada esta (a 12)! 
Mas dada a sua versatilidade, torna-se difícil escolher neste álbum. Pode sair uma nova a qualquer momento...;-)
Share |

terça-feira, 23 de novembro de 2010

«Kissinger, os Açores e velhos projectos»

Brilhante artigo sobre os Açores...
D. Carlos e Dª Amélia nos Açores (Julho de 1901)


Sinopse - «(...) os Açores são para todos os efeitos, um importante pilar da independência de Portugal, país marítimo por vocação ditada pela geografia e pela história. Toda a política de alianças, deverá sempre ter este evidente aspecto em boa conta (...)»

Por Nuno Castelo-Branco no Estado Sentido
Share |

«Lançamento "Os Cantos – A Tragédia de uma Família Açoriana", de Maria Filomena Mónica»

Apanhei a info no FRP
Share |

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Feliz aniversário...

...à Senhora Duquesa de Bragança! 
Mas também a Boris Becker, a Scarlett Johansson, a D. Juan Carlos de Espanha pelo dia da sua coroação e, last but not least, ao autor deste blogue...num modo que se apelidaria de auto felicitação ;-)
Foto - Inês Gonçalves assistida por Kiluange Liberdade


Share |

sábado, 20 de novembro de 2010

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Short note...

Investimentos...

Ian Fleming quis ter a ilha de Goat Island, Tobago. Para se dar a esse luxo teve de a pagar…

Agnetha Faltskog, dos "Abba", quis ter a ilha de Ekerö, perto de Estocolmo, no Mar Báltico, Suécia. Para se dar a esse luxo também teve de a pagar…

Quem quer desses luxos tem de investir...pagando-os!
Share |

Reflexão-Síntese: devaneios 'à la gouche'...

De há uns 30 anos para cá ser de esquerda e ter aquela postura de ser “diferente”, tornou-se hoje absolutamente “comercial” e corriqueiro em Portugal. A massa maior é de esquerda. Até os pós jovens se comportam como sendo de esquerda porque é giro, mas já nem sabem porque o fazem. Para os que se sentem bem com esta generalização…nada a dizer. Respeito apenas. Para aqueles olímpicos e nostálgicos da elite “nouvelle vaguesca”, alerto-os porque estão no neutro limbo da ausência de ideais e da padronização massiva! Os seus comportamentos já são factualmente a indiferenciação e não a diferença.
Hoje a “diferença” e a irreverência trasladou-se para uma certa minoria urbana crescente …mais à “droit”. A geração “MEC”! Finalmente…seja bem vinda!
Share |

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O Concerto

Share |

Aphex Twin . "Avril 14th" (2001)

Share |

The Cure . "A Forest" (1980)


Share |

Heróis do Mar . "Paixão" (1983)

Quando era muito, muito, muito mais puto...associava este tema a UMA antiga 'paaaaaaaaaaaaaaaixão' minha! ;-)
Share |

Quadron . "Slippin" (2010)

Brand new and very nice 2! ;-)
Share |

Corinne Bailey Rae . "Paris Nights / New York Mornings" (2010)

This is new and nice!

Share |

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Publicitado na “Página 13″ do PT de Dilma


Sinopse - «Dom Duarte, é considerado um homem de mentalidade muito aberta e sempre foi simpático ao governo de Lula. Durante a campanha foi ao Brasil e tentou um encontro com Dilma para manifestar seu apoio.

Dom Duarte é o chefe da Casa Real portuguesa, descende também de Dom Pedro II e, ao contrários dos Orleans e Bragança que moram no Brasil, é um homem progressista.»

A mensagem do Senhor Duque de Bragança encontra-se, em formato pdf, na íntegra, aqui!

Soube desta realidade por intermédio de alguém com Sentido de Estado!

Foto – Direitos reservados ao seu legítimo autor.
Share |

Short note...

Termos deixado de ter um Rei para passarmos a ter um Presidente, é como um filho que perde o pai e passa a ter um padrasto.

O padrasto pode ser simpático, pode tentar passar-se pelo pai real e até pode conseguir que o enteado venha a aceitá-lo…mas não é a mesma coisa!
Share |

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O Rei para o futuro...

O epíteto de “Grandes” atribuído aos Reis de Portugal, convenhamos, não foi alcançado por obra e graça divina. Em 767 anos de Monarquia, apenas um leque muitíssimo restrito de monarcas, os quais cabem na contabilidade dos dedos de uma mão, podem ser, eventualmente, considerados menos competentes. Porém, a enorme maioria, aquela que fez Portugal um País enorme, deve o seu sucesso à preparação. Essa preparação veio pelas fundamentais contribuições dos seus excelentes preceptores. Sucintamente recordo, entre muitos especialistas: Alexandre Herculano no caso do Saudoso D. Pedro V; o grupo dos “Vencidos da Vida” que influenciou D. Carlos I; Alexandre Rey Colaço e Mouzinho de Albuquerque no caso do Rei D. Manuel II e de seu irmão, o Príncipe Real D. Luís Filipe.

A preparação, a formação, a técnica e o conhecimento no decurso enumeros anos, projectados no nosso representante, desde a sua nascença, enquanto instrumentos para uma função, formam a chave do sucesso dos nossos Reis e, hoje, das actuais monarquias constitucionais progressistas e modernas.

Neste contexto, não pode deixar de ser sublinhado o excelente papel que D. Duarte de Bragança tem desempenhado ao trilhar, para seu filho Afonso, o Príncipe da Beira, uma imediata e difícil separação do seio familiar para benefício de todos nós no futuro, de modo a termos alguém estruturalmente preparado para colocar Portugal novamente no bom trilho.

Enumeras vezes S.A.R. o Senhor D. Duarte de Bragança tem referido que seu filho possui uma forte inclinação para área cientifica da Biologia, mais especificamente no domínio marítimo. Melhor…! O mar é o futuro, a Monarquia é futuro! Mas se me permitem, e todos concordarão, não basta, para as crescentes esperanças de uma reinstalação monárquica em Portugal, uma área determinada…por melhor que ela seja apreendida. Hoje é preciso mais. Conhecimentos, primordialmente, em Direito, em Economia, em componentes militares (não para fins bélicos, mas para a criação de estruturas de personalidade organizadas e vincadas). Julgo que estes compósitos são fulcrais para os nossos dias, para que o nosso futuro Monarca saiba, desde já, como lidar com assuntos políticos, assuntos de uma economia cada vez mais globalizada e ter o carácter, a organização e a determinação para decidir em prol dos Portugueses.

Terminaria dizendo que a sua preparação religiosa, requisito que foi guardado para o fim, não é menos importante. Esta tem a mais difícil das tarefas e que pode tornar um Rei amado pelo seu povo, pelos seus concidadãos. A tarefa é a de seguir o caminho da humildade, humildade que lhe permitirá ajuizar sempre de forma acertada sobre todos os domínios políticos e credos e que o tornará nobre na dimensão universal do termo e não apenas no título que já possui ou naquele que ainda venha a possuir.
Share |

Reflexão-Síntese: Evolução democrática...

Winston Churchill disse que: «a democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos a tempos.»

Sem prejuízo daquela afirmação, recordo  que Churchill vivia numa democracia melhor e mais evoluída que a nossa. O Reino Unido, enquanto Monarquia Constitucional, já tinha sido amadurecida desde 1649 quando Carlos I de Inglaterra foi condenado à morte por decapitação, pena executada do lado de fora da Banqueting House. Depois disso, os ingleses tiveram 7 anos de república, mas rápido perceberam que a coisa não funcionava. Carlos II, filho de Carlos I, vindo do exílio, e por vontade dos seus concidadãos, substituiu a ditadura militar republicana de Oliver Cromwell, que se tinha auto-nomeado "Lord Protector". Por cá, por enquanto, e passados 100 anos, continuamos ainda a ser “protegidos” por muitos “senhores".
Foto - Direitos reservados ao seu legítimo autor.
Share |

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Portugueses, aos nossos Reis...!

Somos, no plural, todos culpados pelo pago que demos Àqueles que deram identidade, glória, prosperidade e avanço ao nosso País. Culpados enquanto não falarmos a verdade num tom ainda mais alto. O pago que demos, por tudo o que devíamos a Eles, foi uma morte cruel da forma mais cobarde...pelas costas!
Share |

Short note...

Os que mais admiro são os que coerente, convicta e fundamentadamente defendem os seus ideais, mesmo que minoritários e sob a assombrosa ameaça do encenado ridículo...imposto pelo rebanho!
Share |

Hoje é dia de alegria…

…nascia o nosso Rei D. Manuel II !
Share |

domingo, 14 de novembro de 2010

Kate Bush . "Babooshka" (1980)

Like the "celo"... ;-)
Share |

OK Go . "End Love" (2010)

Share |

Madonna . "Vogue" (1990)

Always liked this theme, more so in this version...
Tres chic...! ;-)

Share |

Björk . "Big Time Sensuality" (1993)

Share |

Talk Talk . "Life's What You Make It" (1986)

I always loved the bugs...

Share |

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

«Vergonhosa " Barraca" na Camioneta Fantasma»

Sinopse - «Após o Regicídio do 1º de Fevereiro de 1908, caíram todas as barreiras que estabeleciam aquela imaginária, mas muito real fronteira até então existente entre a luta política e o puro e simples livre arbítrio. As deploráveis cenas de generalizadas sovas e sevícias praticadas contra clérigos e civis conotados com o regime deposto, as intermináveis levas de presos políticos, a tortura exercida nas prisões do Estado, as quadrilhas de bandoleiros que coagiam cidades e campos, horrorizaram a Europa onde o novo verbo portugaliser, ganhou declarado relevo em qualquer conversa que tivesse como ponto de interesse a desordem, violência ou ilegalidade.»

Share |

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Assisti a uma interessante conversa...

...aqui na zona. Contou com o grande Tenente!
Share |

Índice de Desenvolvimento Humano 2010


1.ª) No top 10 passaram de 6 (2009) para 7 (2010) as monarquias constitucionais nos Índices de Desenvolvimento Muito Elevado, concretamente: Noruega, Austrália, Nova Zelândia, Liechtenstein, Países Baixos, Canadá, Suécia;

2.ª) O top 3 é totalmente ocupado por monarquias constitucionais;

3.ª) Entraram este ano no top 10, em relação a 2009, duas novas monarquias constitucionais : Nova Zelândia e Liechtenstein;

4.ª) O Império do Japão que estava posicionado em 10.º lugar em 2009, passou a 11.º;

5.ª) A república portuguesa que era 34.º em 2009, passou a 40.º em 2010.

Fonte - ONU
Share |

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Maria da Fonte

No decurso da História de Portugal ocorreram algumas revoltas centrais nas configurações políticas do País e que envolveram o Povo (que somos todos nós). Mas apenas uma foi exclusivamente originária no seu seio.

Quando D. João I fere de morte o Conde Andeiro e Rui Pereira dá a estocada final, o Povo esteve com eles contra o dito 2.º Conde de Ourém, fidalgo galego.

Quando os Conjurados, chefiados por D. João, trineto do Rei Manuel I de Portugal, por via paterna, através da duquesa D. Catarina, infanta de Portugal, sua avó paterna, invadiram o palácio da Duquesa de Mântua, atirando Miguel de Vasconcelos pela janela causando-lhe a morte e proclamaram João, o Duque de Bragança, Rei de Portugal D. João IV, aos gritos de "Liberdade", o Povo e toda a nação portuguesa acorreu logo a apoiar a revolução restauradora da Independência e, assim, Filipe III, IV de Espanha, que se encontrava já a braços com uma revolução na Catalunha, não teve como retomar o poder em Portugal.

No triste dia de 5 de Outubro de 1910, por intermédio de uma elite maçónica e jacobina, fazendo uso da Carbonária, um braço armado, instauraram a república portuguesa…contra vontade da maioria dos portugueses. O Povo, portanto, pouco teve que ver com esta mudança ilegítima.

A 28 de Maio de 1926 Gomes da Costa marcha a partir de Braga para Lisboa para por ordem no País, ordem essa que o Povo clamava tal era o caos instalado pela I república. Os assassinatos proliferaram nas ruas e as famílias temiam pela sua segurança. Daí, e é preciso dizer com verdade, que esta revolta, ante câmara do Estado Novo, foi bem recebida pela maioria dos portugueses, pois via nela a tão esperada segurança e estabilidade nacional.

A revolução dos Cravos, no dia 25 de Abril de 1974, organizada por capitães, pôs termo aos 41 anos do Estado Novo. Algum Povo se reuniu à volta das chaimites para celebrar a restauração da Liberdade.

Posto isto, e de modo diferente daquilo até agora sumariamente relatado, a única grande revolta que não teve mestres, sindicatos, elites, senhores e outros comandantes, tendo sido uma manifestação originária no Povo mais profundo, foi a Maria da Fonte o nome dado a uma revolta popular ocorrida na Primavera de 1846 contra o governo cartista presidido por Costa Cabral. Por isso, muitos cantores, de esquerda sobretudo, ainda a cantam. O Zeca e o Vitorino são expressões maiores disso mesmo. De salientar que como a «fase inicial do movimento insurreccional teve uma forte componente feminina, acabou por ser esse o nome dado à revolta»*. À parte: seria motivo para dizer, face a uma Chefe de Estado mulher (D. Maria II) e uma revolta de elevada base feminina, será que hoje as mulheres têm mais protagonismo do que aquele que tiveram naquela época?

«A revolta resultou das tensões sociais remanescentes das guerras liberais, exacerbadas pelo grande descontentamento popular gerado pelas novas leis de recrutamento militar, por alterações fiscais e pela proibição de realizar enterros dentro de igrejas. Iniciou-se na zona de Póvoa de Lanhoso (Minho) por uma sublevação popular que se foi progressivamente estendendo a todo o norte de Portugal. A instigadora dos motins iniciais terá sido uma mulher do Povo chamada Maria, natural da freguesia de Fontarcada, que por isso ficaria conhecida pela alcunha de Maria da Fonte.*». A sublevação foi de tal ordem que provocou a substituição do Governo de Costa Cabral, levando mesmo, entre o acender e o apagar de novas insurreições, «a uma guerra civil de 8 meses, a Patuleia, que apenas terminaria com a assinatura da Convenção de Gramido, a 30 de Junho de 1847*»

Terminaria dizendo que esta revolução ficou, para muitos, marcada como um último fulgor do Miguelismo o que, em certa medida, poderá deixar para sempre a dúvida se a implantação do Liberalismo maçónico que acabou por destruir a Monarquia até 1910, seria, efectivamente, a escolha da maioria dos portugueses naquela época?

FonteWikipedia.
Share |

Súbditos…

Existem alguns que ficam melindrados com a hipótese de reinstalação de uma Monarquia, pelo simples aspecto de isso os tornar súbditos de Sua Majestade. Esses eu tranquilizo dizendo-lhes que tal termo há muito que saiu do léxico das constituições liberais monárquicas, embora, e falo por mim, não me sentisses absolutamente nada menorizado, enquanto cidadão, de ser súbdito dos Reis de Portugal por quem tenho a maior lealdade, reconhecimento e respeito.

Todavia, importa salientar algo fulcral na nossa sociedade hodierna. Hoje numa sociedade que praticamente só se desenvolve o culto da personalidade, da vaidade e do individualismo, esta reflecte, precisamente, a ausência de uma referência comum que permita trabalhar e produzir conjugadamente em prol do País, ou seja, com um sentido comunitário e inter-activo.

Neste contexto, gosto sempre de lembrar o exemplo germânico do pós-II Guerra, mais concretamente o da parte Federal. Este Povo reergueu um País dos destroços em relativo pouco tempo, tornando-se, de novo, uma potência produtiva sem ter de sacrificar a sua democracia. Antes pelo contrário, melhorou-a e não danificou o respeito colectivo ao contrário daquilo que, por exemplo, fazem ainda hoje os líderes chineses ao seu Povo.

No nosso caso, e desde 5-10-1910, que os Portugueses perderam alguém que os entusiasmasse sem ser à força, alguém em quem se reconheçam e os dignifique. Com as actuais classes políticas, que só almejam poder e/ou fortuna, nem que para isso sacrifiquem princípios gratos aos cidadãos, os portugueses estão cada vez mais patrioticamente órfãos. Não é à toa o reconhecimento que o Povo português teve ao receber em número indescritível, dos respectivos países de exílio, aquando das cerimónias fúnebres em São Vicente de Fora, os seus falecidos Rei D. Manuel II e Rainha D. Amélia. Salazar, esse, apesar de todo o mal que fez à nossa Democracia, não faliu o País e morreu pobre. O Povo ainda hoje sabe isso, fala nisso e mostrou-o no concurso Grandes Portugueses na RTP. É um dado! Hoje os portugueses….não acreditam em ninguém. Com as adversidades económicas sérias que começam a assolar-nos, iremos longe nos actuais moldes? É obvio que não!

Um Rei, enquanto pessoa, não tem mais dignidade humana do que eu ou do que um rico burguês ou ainda do que um pedinte. Tem-na exactamente igual. A diferença encontra-se apenas na maior responsabilidade que, logo à nascença, este cidadão português terá sobre os seus correspectivos concidadãos, por quem, em espírito de missão, deve salvaguardar, proteger e representar.
Share |

Disse Wim Elfrink*…

«Portugal pode ser porta de entrada na Europa»

É preciso vir um estrangeiro, uma vez mais, dizer isto à república portuguesa. Ela ainda não assimilou essa prioridade e, muito menos, a do Mar…!

D. João I, sete séculos atrás, bom…escuso de dizer mais, já sabem o que iria desenvolver.

* Vice-Presidente da Cisco Systems, em entrevista ao Expresso, Caderno de Economia, 30-10-2010, pág. 24.
Share |

«Notas»

«1- As eleições presidenciais parecem mais ser leilões nos quais aquele que tiver mais dinheiro e influência ganha e como da noite para o dia, se torna o “Presidente de Todos os Portugueses”, mesmo quando há uma Abstenção igual ou superior a 50% e que numa escala de 0 a 100%, o candidato vencedor só terá recebido 25 %, ou seja 1/4 dos eleitores portugueses votou no vencedor. E ainda se fala em Igualdade?

2- Muito francamente prefiro não ter nem o direito a ser candidato a Presidente da República e muito menos ter o direito a votar para a Presidência. A Chefia de Estado não pode partir de uma Eleição directa, fracturante da sociedade. O Supremo Magistrado, para ser BOM MAGISTRADO, não pode fazer parte desta ou daquela facç…ão para ser contra outra ou entrar em conflito com o Governo.

3- Neste contexto a Chefia de Estado Monárquica, não sendo electiva directamente, mas por um processo de Aclamação – Pacto Social entre o Povo e as Instituições Representativas – é uma Entidade que Une e não Fracciona e a figura do Rei torna-se no mais perfeito exemplo de Supremo Magistrado da Nação, porque não pertence a nenhum grupo ou partido.

4- Concluíndo, sendo o Rei o melhor Supremo Magistrado da Nação que existe, permite uma muito melhor estabilidade Governativa, que não se consegue, nem com algum esforço dos Presidentes da República, consegue ultrapassar estes. Portugal precisa urgentemente de um novo Pacto Social.

Rodapé: Chegou a hora de nas Presidenciais, os Portugueses aclamarem Rei de Portugal, Dom Duarte de Bragança e acabar com preconceitos que nada servem o futuro da Pátria.»

Share |

Dirty Projectors . "Useful Chamber" (2009)

Há cá em casa! Melódico...
Share |

Deep Dish (feat. Everything But The Girl) . "The Future of the Future (Stay Gold)" (1998)

Share |

sábado, 6 de novembro de 2010

Insubmissão «-- Monarquia | República --» Submissão

Já vivemos num regime realmente progressista, importados com grandes causas de valor, e não me refiro a pseudo bandeiras como o aborto, casamentos entre pessoas do mesmo sexo, e outras menoridades, refiro-me, por exemplo, quando abolimos a pena de morte. Isso sucedeu nos reinados de D. Maria II e D. Luís I.

A república que, após 1910, tudo perdeu do Império, que não o soube tratar e adaptá-lo, recebe com pompa e circunstância Hu Jintao, presidente da república popular da China, um regime colonialista e comunista, república que ainda integra a pena de morte, mas que agora apresenta-se com um formato híbrido (à mistura com uma forte veia capitalista) e como potencial comprador de dívida pública portuguesa.

Neste contexto, o presidente Aníbal Cavaco Silva recebe aquele regime com forte aparato, incluindo montadas da GNR (pobre do militar que caiu do cavalo e pior…teve de cumprimentar o ditador), jantar de gala, etc, tudo para “sensibilizar” a poderosa China a comprar-nos, um pouco à semelhança da entrega vergonhosa de Macau.

Esta nossa república não tem qualquer sabor, expressão ou, se assim posso qualificar, carácter de regime. Derrete-se ao primeiro que torce o nariz ou nos dá umas esmolas...

No século XIX, já Portugal estava longe do poderio de outros tempos, mas ainda assim, o Grande Rei D. Pedro V, foi um acérrimo defensor da abolição da escravatura. Aquando do seu reinado, ocorreu um episódio que definiu a convicção do monarca nessa matéria e que, simultaneamente, demonstrava a fragilidade de Portugal perante as grandes potências da altura. Assim, junto à costa de Moçambique é apresado um navio negreiro francês, tendo o seu comandante sido preso. O governo de França, não só exigiu a libertação do navio, bem como uma avultada indemnização ao governo português. Mas o Rei não abdicou de firmar a sua convicção liberal e marcou o sentido de posição de Portugal enquanto Nação e dos portugueses que se orgulharam deste seu representante.
Share |

Tom Jones . "She's a lady" (1971)

He's the great!
Share |

Black Van . "Yearning" (2010)

New!
Very cute!

Share |

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Reflexão-Síntese: Refundação do Império!

Portugal deve encetar acarretados esforços para refundar todo o seu Império de expressão portuguesa, hoje, por lógica, já não num âmbito colonialista mas sim num sentido de assumida e efectiva parceria estratégico-comunitária. 

Objectivo: possibilitar o nosso afastamento, paulatino, da União Europeia e auto-subsistirmos.
Share |

Short note...

Porque será que, em geral, todos sabem e lembram as boas obras das rainhas consortes de Portugal e já não das suas congéneres republicanas…as ditas “primeiras damas”?
Share |

The Social Network‏

Do mesmo realizador de Se7en...
Share |

Jamiroquai . “Blue Skies” (2010)

Brand new! 
This song is cute, but not brilliant!
But the status of this “funky little demon”, and Jamiroquai, for the work already performed, deserves all the honors...!
Share |

Morrissey . “Suedehead” (1988)

A solo vai esta…
Share |

Duran Duran . "Skin Trade" (1987)

Share |

terça-feira, 2 de novembro de 2010

O melhor Regime com a melhor Cultura portuguesa...

Fonte - FRP
Share |

Galleon . "So I Begin" (2001)


Cá em casa este single está no chamado "álbum amarelo". 
Outro aspecto, lembram-se, no ano em que o Jardel foi campeão pelo Sporting, que mostrava aquela pergunta na camisola interior quando marcava um golo:"Porque será?" Posto isto, "porque será" que o Galleon usa sempre a modelo Jitka Ogurekova nos seus vídeos...?! ;-)
Share |

Kid Loco . "A Grand Love Theme" (1997)

Este álbum, desde daquele ano, sempre teve um lugar especial cá em casa...
Share |

Talk Talk . "Give it up" (1986)

Share |

Robert Glasper Trio . "F.T.B." (2007)

Composições e execuções esplêndidas...!
Share |

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!