Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

10.000

10.000 visitas em cerca de 2 anos é um registo o qual não posso deixar de agradecer aos meus caríssimos visitantes!

O Incúria (como gosto de o chamar) agradece, assim, a todos quantos, ao longo destes 25 meses, o têm referenciado, visitado e, sobretudo, nele participado via comentários. Completaram-se as 10.000 visitas. É significado de regozijo, motivação e sentido de aperfeiçoamento.

Agradecimentos sinceros!


Share |

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Super 8

Share |

As origens, a lealdade e o descaminho…

Muitos referem-se ao Futebol Clube do Porto como uma “Naçon”…e de facto são! São uma nação (hoje) à parte, uma nação fundada na nossa verdadeira origem: o azul e o branco. São os que sustentam (como os Açores noutro contexto) o Azul e Branco verdadeiramente pátrio! São, no presente, a continuidade do que fomos há 100 e durante 767 anos. Foi este cunho, esta matriz, que o seu fundador António Nicolau de Almeida quis introduzir e conseguiu! Conforme nos é dito pela História, quando ele traz, de Inglaterra, o futebol para o Porto, ele quis, desde logo, marcar a diferença colocando as cores de Portugal, e da Monarquia Constitucional, nas cores do equipamento do Clube que ia fundar, marcando posição (e oposição) às “novidades” que os ventos traziam e com as quais não concordava. Ele, sendo um próspero comerciante, liberal, viajado e progressista, era leal, como português, ao seu Rei (por mais atacado que ele fosse) e a Portugal. “São nos momentos difíceis que devo mostrar quanto vale a minha determinação e convicção”…penso eu (de) que terá sido isto que motivou Nicolau de Almeida.
Os portistas por serem azuis e brancos, reflectem um Portugal maior que nós, um Portugal de vitórias que nós não conhecemos: o da Monarquia! Está-lhes, literalmente, incrustado nas suas peles por intermédio das cores que transportam nas suas camisolas. É tradição, é fundação, é progresso e presentemente são resultados…é indesmentível! 
Outro reflexo disso mesmo foi a coragem de terem conservado uma coroa no seu emblema, aliás, à semelhança daquilo que prolifera nos países desenvolvidos (monárquicos) da Europa . É o único dos três grandes…nunca repudiaram a sua origem nem a deste País. Antes conservaram-na!
Share |

Short note...

Sê tu próprio em tudo o que faças, sê genuíno, mas nunca tires o sentido e o respeito do colectivo.
Share |

Sebastianismo e um Elmo

A república tem dado pouca importância, ou melhor, sequer nenhuma, a esta (singela) expectativa.
Será que está com medo de beliscar o sempre cómodo mito do Sebastianismo?

Share |

«A bandeira nacional: já só nos Açores»

Share |

O fim do obscurantismo

No conflito esta é a minha bandeira, a bandeira da liberdade e da saída do obscurantismo!

Não seria verdadeiro se não revelasse a minha alegria pelo povo Líbio estar próximo de restaurar a sua Monarquia, mais significando liberdade para eles. Por outro lado, revelar a minha pena pelo nosso 25 de Abril ter sido diferente do deles. Na Líbia assistimos a um resultado estruturado e emanado do seio do povo com muitos dos rebeldes a juntarem-se à Causa. Pena é a minha que o nosso 25/4 tenha sido diferente do Líbio e do Espanhol, pois naqueles locais souberam o aproveitar a oportunidade e tentaram corrigir um erro e restaurar uma verdade e uma realidade histórica, a melhor: A Monarquia enquanto liberdade plena! Um Rei como garante de todos, independente de facções, cores partidárias e outros lóbis de influência negativa.

Dizem os comentadores que agora o maior problema é manter a paz. Existem facções tribais…segundo dizem! A resposta não é difícil: coloquem lá um Rei! Problema resolvido, o povo quer um e não ditadores!
Share |

Os Reis e o progressismo

Os nossos monarcas constitucionais foram, literalmente, os Reis do progressismo no mundo.
Mas para muitos os PR's é que são progressistas! Em quê?! Algum PR trouxe algum sinal de progressismo a este País? Eles ainda teriam de correr muitos anos para igualaram o que os nossos Reis deram a Portugal...mas nessa altura, Portugal já não existe!
Share |

Cordara Orchestra . " Jet Society" (1999)

Share |

Nicola Conte . "Bossa Per Due" (1999)

Easy for...listening!
Share |

The Zany Dislexic Band . "Get Bent" (2004?)

Made in Portugal...
Share |

Thievery Corporation . "Sweet Tides" (2008)

Share |

Louise Vertigo . "La Femme Fin de Siècle" (1999)

Extraído da Colectânea Eighteenth Street Lounge Soundtracks - JET SOCIETY.
Share |

Tom & Joyce . "Vai Minha Tristeza" (1999)

Extraído da Colectânea Eighteenth Street Lounge Soundtracks - JET SOCIETY.
Share |

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Estou com os rebeldes (pela democracia e pela Monarquia) na Líbia!

Share |

Acho que não desenho mal, mas se quiserem faço-o...!

É Grécia!
É Irlanda!
É Portugal!
É Itália!
É França!
É (até já a) Alemanha!
São os EUA!
É a Líbia, etc...!
Share |

Jacques Tati...no Nimas!


Share |

Ainda o Individualismo e o Colectivismo

Retive ontem esta frase de Medina Carreira no 5 para a Meia-Noite:
«Não sabemos trabalhar em conjunto. Dois portugueses rendem menos que um.»
O fiscalista também contextualizou essa realidade, desde logo, com o método de ensino e também com a nossa prestação como emigrantes de sucesso.
Ora, esta questão já tinha abordado uns posts abaixo. Há indesmentivelmente uma conexão entre o regime republicano individualista e as melhorias de um monárquico de base colectivista.
Share |

Na sequência da meia-final com a França nos Sub-20...

Notas:

1 - França jacobina, "nossa" referência revolucionária e individualizante, pós 5-10-1910, vais começar a sentir hoje o sabor que apenas sentiste 100 anos antes daquela data na Batalha do Buçaco, a 27 de Setembro!

2 - Este jogo lembrou-me estas verdades:
A republica portuguesa instaurou-se porque o minoritário Partido Republicano obstinadamente tinha de copiar o modelo da república francesa. Consegui durante 100 anos até hoje!
Portugal passou a existir porque um Rei instaurou-o, ex novo, como Monarquia! Durou 767 anos!

Share |

Paradigmático

Estamos sem tempo para resolver o actual paradigma mundial. Acresce a isso que hodiernamente não temos líderes nem filósofos à altura para a uma (nova) resposta. Desfecho incerto…
Share |

Porque se gosta...

Quem gosta por demais deste País, quem gosta por demais da nossa História, quem gosta por demais da nossa língua, quem gosta por demais da nossa Cultura, quem gosta por demais do nosso mar, quem gosta por demais da nossa natureza, quem gosta por demais das nossas gentes e do nosso povo…não se pode rever numa fraccionária e apenas partidária representação fictícia de Estado.
Quem gosta por demais de Portugal, apenas pode querer um Rei ou uma Rainha para seu representante de Estado.
Share |

1926-1986

A república ainda se vai sustentando graças ao período 1926-1986 (Mendes Cabeçadas – Ramalho Eanes), sendo que, mesmo neste período, apenas 5 não foram eleitos partidariamente (Cabeçadas, Gomes da Costa, Spínola, Costa Gomes e Eanes). Todos os restantes, em 100 anos, foram!
Share |

Na memoria...

Se os “nossos” PR’s supostamente têm a mesma dignidade e importância que tiveram os nossos Reis, sendo que os mesmos alcançam esta posição representativa “por mérito próprio”, porque razão, então, o cidadão comum genericamente não se lembra de quem foram os presidentes (embora mais recentes) e lembram-se de muitos dos nossos Reis?
Share |

Somos um Pais mal resolvido:

A partir de 5-10-1910 descontinuamo-nos, colocando a nossa representação num(ns) partido(s). Até hoje ninguém ousa falar e questionar isso que nos denigre.
Conclusões: Paulatino retrocesso e decadência. Mas ainda vamos a tempo de mudar!
Share |

Bélgica...

...um país que modernamente optou por ser Monarquia e ainda hoje é ele que reaviva o papel dos monarcas nas ditas sociedades modernas.

Extracto de um artigo do 'THE ECONOMIST':
Share |

Para que se entenda onde estamos metidos há 100 anos...

Meus caros amigos, no período de 16-12-1918 a 31-5-1926, a república, a mesma que gasta milhões para sustentar o regime e festejou o centenário no ano passado, teve um período que se designou: “A Nova República Velha (restauração da República Velha)”.
Alguém sabe que funesta coisa é esta?
Share |

A alínea b) do artigo 288.º

Temos uma alínea na nossa democrática constituição, a b) do artigo 288.º, que diz isto:
«Artigo 288.º
Limites materiais da revisão
As leis de revisão constitucional terão de respeitar:
a) (...);
b) A forma republicana de governo; (...).»
Apesar deste preceito legal ser entendido como antidemocrático, inclusive por monárquicos (a maioria), e impeditivo para o grande referendo, acho que não é...tendo já escrito em sede própria! A não execução deste referendo é apenas uma mera "preguiça" de muitos... Estão muitos "instalados", a grande maioria do lado dos que preferem um Rei!
Share |

Para que fique claro...

Para que se perceba o que aconteceu em 1/2/1908 e 5/10/1910: É como se hoje, com as devidas adaptações, um partido com representatividade de 7% na AR tratasse de disparar mortalmente sobre o PR e, posteriormente, implantasse um regime à força. 
E pior, a restante “maioria” ficaria toda caladinha (mesmo em decadência paulatina desse sistema)…até passados 100 anos!
Share |

10! Desporto ou arte?

Share |

Abdullah II

Nas Monarquias é assim…não são precisos os canhões dos outros para irem lá dizer o que é para fazer! 
O povo, ainda hoje e para o futuro, agradece!
Share |

Twin Sister . "Lady Daydream" (2010)

Via Alf!
Share |

Lana Del Rey . "Video Games" (2011)

Confesso que o "Del Rey" também pesou a favor...e NY também, claro!

Lana Del Rey Video Games por le-pere-de-colombe
Share |

LTJ Bukem (Feat. Blu Mar Ten) . "Adrift On Deep Water" (1997)

Elegância é a palavra dominante aqui!
Quem quiser um bom registo neste domínio, aconselho a irem a uma loja de cd's e pedirem à moça do estabelecimento para por num saco opaco todos quantos existirem em stock do LTJ. De seguida colocarem, de olhos fechados, a mão no saco e tirarem um. Aquele que sair...é de qualidade!
Share |

Gilbert Becaud . "L'important c'est la rose" (1967)

Podem crer que ele tinha razão!
Share |

Glenn Miller Orchestra . "Serenade In Blue" (1942)

Share |

Tegan & Sara . "Walking with a ghost" (2004)

Was covered by The White Stripes, who released it on their "Walking with a Ghost" EP!

Tegan & Sara - Walking with a ghost por nina681
Share |

Era Uma Vez D. Manuel... - Reportagem de Eduarda Maio

Notas:

1 - Pois não dava para perceber como a Monarquia estava para cair, pois o povo - os portugueses - estavam com ela e com o seu Rei...mais vincadamente no Norte!
Quem a fez cair foi um partido...de 7%!
2 - A parte da relação de D. Manuel II com o (verdadeiro) Socialismo nascente em Portugal é importante de se ouvir! 
Aqui reside potencialmente a chave-código para muitas das respostas que explicam a nossa precária situação actual e da "qualidade" da maioria dos nossos partidos e políticos...!
3 - Como qualquer ser humano, também ele teve as suas dificuldades...ainda para mais sendo jovem.
Mas ele, apesar de ter tido de substituir o seu irmão, em condições tão imediatas e dramáticas, tenho a certeza que teria tido um bom reinado!
Share |

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

"Planeta dos Macacos"

Com a revolução de 1910 o que conseguimos foi interromper um percurso civilizacional enquanto Nação europeia, com quase um milénio de regime integrado e sólido, para tentarmos passar a ser algo similar àquilo que já eram, na totalidade, os países da América do Sul… Mas o reboliço continua, ainda não terminou…
Share |

Homenagem a Sua Majestade Fidelíssima El-Rei D. Manuel II de Portugal e dos Algarves

(Vídeo por Francisco Sousa)

Share |

Uma questão que fica...

Se não fossemos um País onde as minorias mandassem e até hoje tivéssemo-nos mantido similares aos mais desenvolvidos do mundo, ou seja, enquanto Monarquia Constitucional, será que a Casa Real Portuguesa teria feito o mesmo que a Inglesa correlação à mudança de nome (Windsor), em 1917, a qual não se deveu a uma descontinuidade dinástica mas sim ao sentimento antigermânico que se vivia na Primeira Guerra Mundial? 
Ambas eram Saxe-Coburgo-Gota!
Share |

Isto é quanto valia uma portuguesa amada e Portugal…não há muito tempo:

«Em 1862, houve uma revolta na Grécia contra o Rei Oto I e ofereceu-se o trono grego a D. Fernando II, mas este recusou.
Em 1868, uma revolução expulsou a Rainha Isabel II da Espanha e sua família, e o governo provisório espanhol, não desejando estabelecer uma República, ofereceu a coroa a D. Fernando II, então com quarenta e nove anos. Também rejeitou a proposta.»
in Wikipedia.
Share |

D. Manuel II e D. Amélia em vídeos inéditos!

Vi na passada terça-feira, pela primeira vez na vida, estes magníficos filmes graças ao Miguel e ao Nuno Castelo-Branco e, ainda, ao Samuel De Paiva Pires…a quem agradeço reconhecidamente como português e açoriano. Visionários de uma Causa difícil: melhorar Portugal!
Impressionantes imagens! Comove ver o nosso Rei, o Rei de Portugal e dos Algarves e sua distinta Mãe S.M. a Rainha D. Amélia.
Aquele que alguns, à parte do povo e da maioria, expulsaram (supostamente para ser substituído por um melhor regime), rapidamente foi reconhecido, pelo País de exílio - espertos - o seu elevadíssimo valor. O seu prestígio indissociável a Portugal era enorme e até lá, Inglaterra, ele executou funções de representatividade.
Mas o mais impressionante nestas imagens (raras) é toda uma nova noção, mais realista, dos movimentos e das posturas dos nossos monarcas...dada a relativa boa imagem do vídeo!
(Ampliar os vídeos)

1 2 3
Share |

Li num comentário anónimo...

...no blogue Estado Sentido, de 5 de Agosto de 2011:

«De Trindade Coelho, a propósito da morte da Rainha D. Amélia de Orleães (1951).

Share |

Repúblicas falidas

Aquilo que já estou farto de apregoar é também dito por Rodrigo Moita de Deus:
«Não há nenhum país monárquico que tenha pedido ajuda ao FMI, todos os países que recorreram à ajuda financeira são repúblicas.»
Share |

Pelo insuspeito José Mattoso!

Share |

As duas juntas | A coerência absoluta

Linda e verdadeiramente a "mãe" da nossa açoriana! Vi e li aqui!

AS CORES - Monárquico ou republicano - Mais não seja uma questão de coerência com 767 de História e sua essência nacional e estatal.Nos Açores, aparentemente, houve coerência...deve ter sido do Mar!
Share |

Como na Suécia...

Quando tivermos a Monarquia Constitucional de volta em Portugal, era bom seguir-se o modelo Sueco.

Na estrita lógica da preparação para um cargo, quem nasça primeiro, em tese e coerência, terá mais tempo para se preparar convenientemente para servir o País. Assim, para os suecos, seja homem ou mulher, quem nascer primeiro será esse a começar a caminhada de preparação para representar e unir o seu País.Neste sentido, e aproveitado a nossa tradição pré e pós constitucional monárquica, em que as mulheres sempre tiveram lugar determinante, era apenas necessário aperfeiçoar. Exemplo: Nasce primeiro uma mulher...e seria ela a nossa representante de Estado.
Share |

Ainda sobre o limite da dívida nos EUA...

Percebem agora porque digo que é um problema de regime?

As repúblicas foram moda e não funcionam mesmo...são os tempos que provam! Os EUA têm 250 anos e tiveram menos de 100 de apogeu e Império. Ora, Portugal teve 407 anos de apogeu (conquista de Ceuta à perda do Brasil) e 560 de Império! 
Isso foram as monarquias no passado. Hoje, no presente e para o futuro, é o IDH e a maior resistência aos ataques capitalistas desenfreados e especulativos que o demonstram. Chave: uma empresa unida chamada família!
Share |

Turismo monárquico-constitucional...

Acho interessante constatar que os turistas que visitam Portugal, substantiva e normalmente, pretendem é ver o legado da república: Castelos e Palácios. 

Mesmo no actual regime...é o anterior que nos dá dinheiro e, sobretudo, prestígio (embora passado)!
Share |

Nas bases individualistas e nas bases colectivistas...

Um outro aspecto que explica a mentalidade individualista da república reflecte-se no formato de ensino (de base individual) que prepara O aluno para o teste/exame, que lhe exige a "decora" (e não o conhecimento), apenas com vista no "despejo final".

Numa mentalidade colectivista é diferente. Ensina-se de base, estruturada e rigorosamente, o estudo em grupo! Rende mais, partilha-se mais, apreende-se mais! É assim na Suécia, na Dinamarca, na Holanda, etc. Cá, com a fórmula individualista, estimulamos pólos opostos: O conhecimento restrito de uns, que se esfalfam para saberem mais do que os outros, que por sua vez fecham a sete chaves o que sabem, não partilhando; ou, ao invés, o copianço! É uma roda nefasta e mesquinha do nosso sistema. Não é um mal do professores, nem destes governantes, pobres coitados, que mal têm tempo para pensar...
Share |

Comentário espirituoso do dia...

Estou como os presidentes de câmara que têm sob alçada zonas balneares...todos queremos uma bandeira azul (e branca)!
Share |

The Queen with grandchildren at Balmoral

Share |

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Mais um da Marvel Comics...

Da Marvel Comics, foi criado por Joe Simon e Jack Kirby e apareceu, pela primeira vez, em Captain America Comics #1 em Março de 1941.
Share |

Chanel - Cruise 2012

The Tale of a Fairy
The Short Film by Karl Lagerfeld Part 1 | Exclusive
Share |

Farukh Ruzimatov...o poder do ritmo e da expressão!

Relembrei-o no Mezzo!
Share |

Na SIC

O meu caríssimo P. Gonçalo Portocarrero de Almada a distribuir pérolas!
Share |

Coisas que os anos vão clarificando...

A técnica sempre se aprende...a sensibilidade não!
Share |

O Repto

Lançado o repto pela autora, apeteceu-me escrever isto no mural (amigo) da Rita Ferro:

Amor é uma aprendizagem! O maior ignorante é aquele que ainda confunde paixão com amor...são dois conceitos distintíssimos.
Share |

Short note...

Gostei de ler este comentário num mural e contexto amigo:
«As pessoas que mais admiro são as que nunca acabam...»

Autor: P.V.
Share |

Short note...

Nunca serei homem de lutas possíveis.
Share |

New Fast Automatic Daffodils . "Fishes Eyes" (1990)

Share |

Zero 7

«Take me somewhere we can be alone
Make me somewhere I can call a home
'Cause lately I've been losing on my own

Wrapped in silent elegance
Beautifully broken down»

Share |

Groove Armada . "Paris" (2007)

Share |

Curve (1992)


«A gift from God
a small creation
a prized possession
without limitations
behind these eyes»
Share |

Holy Ghost! . "Hold my breath" (2011)

Share |

Friendly Fires . "Hawaiian Air (Totally Enormous Extinct Dinosaurs Remix)" (2011)

ALOHA my friends!
Share |

Mler Ife Dada . "Zuvi Zeva Novi" (1987)

Este "projecto" sempre foi uma cena marada...até hoje!
Share |

To The Lighthouse . "Memoryhouse" (2010)

'Onetakeshotvideo', that's "pure beauty"...as Alf. said!
Share |

Inspiral Carpets . "Caravan" (1991)

Será motivo para dizer: Os cães ladram e a 'Caravan' passa! Aqui os 'Inspiral' passarão sempre!
Do mega álbum com que sempre me identificarei: "The Beast Inside"! ;-)

Inspiral Carpets - Caravan por EMI_Music
Share |

New Order

A capa não engana: álbum Technique, considerado, pela especialidade, o melhor de dança em 88! In casu, foi uma 'Collector's Edition' lançado em 89.
Este magnífico single INSTRUMENTAL foi integrado num CD 2, numa mais que merecida dedicatória a George Best (Man. United) e Rodney Marsh (Man. City) - quiçá rivalidades internas nos N.O. Como sempre os ingleses sem preconceitos "intelectualóides" com a arte do futebol. Assim, futebol e New Order lembram-me duas coisas boas: Sporting e Monarquia!
Share |

Eric Dolphy . ''Warm Canto'' (1961)

Share |

We Trust . "Time (Better Not Stop)" (2011)

I trust always made in Portugal! ;-)
Share |

Prince . When Doves Cry" (1984)

Share |

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!