Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

terça-feira, 29 de junho de 2010

Carlos Paredes . "O Fantoche" (1987)

Porque precisava de me lembrar que somos grandes... Porque precisava ouvir o Portugal real...
Nota: a versão contida no álbum original, o "Espelho de Sons", é incomparavelmente superior a esta. O momento de génio dá-se ao segundo 43.

Share |

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Modest Mussorgsky . "Promenade" (1874)

Share |

Retive este excerto...

«Evidentemente, nunca em tempos da Monarquia houve tal diferenciação entre a Nação e o Estado. Nunca alguém falou de um Rei da Monarquia Portuguesa, mas sempre no Rei de Portugal. Nação e Estado confundiam-se, sabiam entender-se, conversavam amenamente, eram um só. Agora, o mínimo que poderíamos esperar do Estado é que pagasse uma renda mensal à Nação como contrapartida da utilização que faz das suas instalações. Daquelas, v.g., com que gosta de deslumbrar os seus comparsas estatais.

Mas não. O Estado usa e abusa da nossa Lingua, da nossa História, da nossa Terra e ainda carrega de impostos a nossa Família e a dos nossos amigos.

Somos nós, afinal, os verdadeiros servos da gleba. Mesmo depois de a Monarquia ter abolido a escravatura.»

Por João Afonso Machado no CR
Share |

domingo, 27 de junho de 2010

Claude Debussy . "Clair de lune" (1903?)

Mária Kovalszki piano, at the Academy of Music Ferenc Liszt, Budapest
Share |

David Holmes . "Tess" (2001)

From Oceans 11 motion picture...
Share |

Bryan Ferry . "Dont stop the dance" (1985)

Share |

sábado, 26 de junho de 2010

Ciência: Cientistas procuram "alargar" mar português descobrindo novas espécies nas ilhas Selvagens

Fonte - DN
FotoThe southern Savage Islands. Credit: NASA
Share |

4hero (feat. Jill Scott) . "Gotta get up" (2007)

Reparem como o tema brilhantemente se "espreguiça"...

Share |

Justin Timberlake . "Rock Your Body" (2002)

Neste caso só pode ser dito aquilo que dizem os ingleses: «The King is dead, God save the King!»
Share |

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Engelbert Humperdinck . "Can't take my eyes off You" (1968)

Na dimensão de um Sinatra, ele sempre será um crooner de referência...
Share |

Michael Jackson . "Billie Jean" (1982)

Fica o sublinhado, precisamente um ano depois…
Share |

quinta-feira, 24 de junho de 2010

The Rope!

Marca-me este filme em razão da acção  elaborada por Alfred Hitchcock, gerar-se num contexto rítmico onde, a priori, não devia existir, ou seja...num apartamento. Eis que rola a história...
Share |

The Carpenters . "Yesterday Once More" (1973)

Share |

Os botões de punho e o IRS


Soube esta semana quanto ia ser percentualmente afectada a minha remuneração pelo IRS. Face a esta novidade, decidi  usar simbolicamente e em protesto aquele "novo" diferencial mensal e aplicar nuns botões de punho, visto que me faziam falta.
Share |

Acção de Rua nas Caldas

Encontre aqui toda a INFO!
Share |

Não um mas O HERÓI!

Henrique Mitchell de Paiva Couceiro
Por Rui Monteiro no Centenário da República
Share |

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Umas pitadas no "Albergue"...

Intervenção 17
Foram os complexos de alguns que nos tiraram a nossa boa Monarquia e também dificultarão o seu retorno.
Share |

Burt Bacharach

Share |

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Sobre esta matéria pede-se apenas três coisas:

1-Bom Senso;
2-Liberdade;
Share |

Retive isto de SAR



Fonte - FRP
Share |

Começa hoje o maior de sempre...!

Foto - A-Train
Share |

domingo, 20 de junho de 2010

'Brel nos Açores' - Nuno Costa Santos (via facebook)

Foto - Direitos reservados ao seu legítimo autor. 

Brel um belga de esquerda. 'Brel nos Açores': magnífico texto, excelente interpretação. Um trabalho rebuscado, complexo, transmutativo, dinâmico, e, simultânea e concisamente, engraçado. 
Destacaria a parte em que exteriorizava a Liberdade e, bradando sequencialmente várias coisas, termina com um: «Vive le Roi»!
Share |

Jacques Brel . "Ces gens la" (1966)

Bem visto por Brel: «Et qui s’prend pour le Roi» (em tom irónico). Ninguém “se passa” pelo Rei…
Impressionante interpretação na despedida no Olympia!
Share |

sábado, 19 de junho de 2010

TV Glory . "Havoc Arise" (2009)

Share |

Jacques Brel . "La Valse a Mille Temps" (1961)

Share |

Ladytron

Share |

TV Glory . "(If) Anything Happens" (2009)

Share |

The Cure . "All Cats are Grey" (1981)

Este cá em casa é mesmo em vinil. Gostei do reaproveitamento que Sofia Copolla deu ao tema em "Marie Antoinette".
Share |

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Retive este interessante excerto…

«É esta "sabedoria", pró-república, de quem sabe tudo e sabe pelos outros que me perplexa. Muito mais do que os "contos" que no caso de Portugal nunca foram de fadas... se foram, por agora, de facto, isto assemelha-se a uma novela rasca cheia de fadas "madrinhas" a satisfazer os desejos dos borralheiros

Por João Amorim no Centenário da República.  
Share |

1.ª Campanha de Rua na Invicta!

Mais informações sobre esta óptima iniciativa aqui!
Share |

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Sufjan Stevens . "Concerning the UFO Sighting Near Highland" (2005)

Share |

Feist . "One Evening" (2004)

Share |

Mais um bom trabalho deles...!

"Ser Monárquico é ser Moderno!"
Share |

A mais bela imagem...

A 16-06-2010
Share |

Shirin

Sinopse - «Abbas Kiarostami encena "A História de Khosrow e Shirin", um poema persa do século XII sobre os amores de uma princesa arménia pelo rei da Pérsia e sobre o triângulo amoroso que se forma quando Shirin conhece Farhad. Essa encenação é seguida pelo olhar de 114 mulheres sentadas numa sala de espectáculos - 113 actrizes iranianas de quatro gerações e 1 europeia, Juliette Binoche. Tudo o que acontece naquele palco é vedado ao espectador, que apenas vê a beleza daquelas mulheres, os seus rostos e suas emoções: o choro, o riso, o prazer e o sofrimento. 
"Shirin" é uma homenagem pessoal e consciente do realizador a todas as mulheres do mundo, mas muito especialmente às mulheres iranianas que sempre foram vistas em segundo plano.»
Fonte - Público
Share |

Just 4 Groovers . "Bloo Monday" (1996)

Anos 90 + muita dança + muita colectânea "Jazz in the House" = Just 4 Groovers (... inevitavelmente!).
Share |

terça-feira, 15 de junho de 2010

Aderi a esta nova tecnologia...

...visto que as evidências demonstradas foram convincentes.


Desenvolvida por um engenheiro da NASA, informaram-me que esgotou logo nos primeiros dias do último Estoril Open. Ao que parece irá ser útil no court, para aqueles longos embates que exigem maior 'coordenação'...

Share |

Cansei de Ser Sexy . "Move" (2008)

Este som 'tá legau' meu chapa ?
Share |

«O ponto de vista de Miguel Sousa Tavares»

Foto - Direitos reservados ao seu legítimo autor/proprietário

«Estava-se em 1997. A celebérrima Lady Di morrera há muito pouco, emocionando o mundo inteiro. Era a "Princesa do Povo"... Era? Miguel Sousa Tavares, em crónica na revista «Máxima», dizia que não. E explicava porquê: 
"A Monarquia ou se aceita com o seu estatuto e consequências ou se abole. Mas não existem monarquias sufragadas pela opinião pública e pelas revistas de coração. "A Princesa do Povo" é uma expressão muito bonita, mas falaciosa. Num sistema monárquico não existem os Príncipes que o povo escolhe, mas aqueles que nasceram com esse destino traçado. É por isso que eu não sou monárquico. Mas se fosse cidadão de um país monárquico, ou emigrava ou aceitava a condição de "súbdito do Rei". E o que é irónico nisso é que a condição de súbdito não faria de mim escravo do Rei ou do Príncipe, antes faz deles escravos do povo. É isso que é o Príncipe de Gales: um escravo da condição, da tradição e do sistema condicional. Nada, na sua vida, é livre, nem sequer o direito de dizer o que pensa. Porque é que ele não abdica, então? Pois, porque essa é uma das regras não escritas de que depende a continuação da instituição monárquica. Um rei não abdica do trono, como fez Eduardo VII. Porque, ao fazê-lo, ele está a rejeitar a Nação de que é o símbolo. O Rei é o primeiro dos súbditos do povo".»

Por João Afonso Machado no Centenário da República 
Share |

domingo, 13 de junho de 2010

sábado, 12 de junho de 2010

«Paula Rego agraciada com título Dama do Império Britânico»

Fonte - Diário Digital
Foto - The Independent
Share |

Helicopter High Voltage Cable Inspector

Share |

Leonida Romanova (1914-2010)


Fonte noticiosa - Expresso
Foto - Direitos reservados ao seu legítimo proprietário ou autor.

Share |

Nova entrevista!

Sempre nos habituais registos: determinação, coragem, verdade, clareza e nenhum rodeio!
Foto - Direitos reservados ao seu legítimo autor.
Share |

quinta-feira, 10 de junho de 2010

The Young Victoria

Share |

No dia de Portugal...

...invoco um grande Português cuja biografia me sensibiliza e me comove sempre!
BIO Síntese - «D. Pedro V de Portugal (nome completo: Pedro de Alcântara Maria Fernando Miguel Rafael Gonzaga Xavier João António Leopoldo Victor Francisco de Assis Júlio Amélio de Saxe Coburgo e Bragança; 16 de Setembro de 1837 — 11 de Novembro de 1861), cognominado O Esperançoso, O Bem-Amado ou O Muito Amado, foi Rei de Portugal de 1853 a 1861. Era o filho mais velho da Rainha D.Maria II e do seu consorte D.Fernando II.


Share |

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Feist with Jane Birkin . "The Simple Story" (2006)

Afinal conhecia e até tinha um álbum: "Let It Die"!
Seguidamente vai um registo dele...
Share |

Thatcher's Last Stand

22-11-1990...in my birthday!
Share |

Zero 7 . "You're My Flame" (2006)

Share |

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Um Ciclo...

Súmula - Grandes Solares, Palácios e Palacetes foram construídos nos Açores, pelos açorianos para os açorianos, aquando do “ciclo da laranja”. Grosso modo isso sucedeu pois a Monarquia portuguesa olhava para a Região sempre dentro da sua tradicional máxima de abertura, quase mercantilista (numa acepção não depreciativa), do Império. Ou seja, como numa empresa que precisa dar lucros: descentralizar para todos lucrarem. Melhor ou pior, esta era, genérica e consensualmente, a relação entre o Estado e os Açores até 05-10-1910. Ou seja, dava-se liberdade aos açorianos e estes mostravam os resultados…produzindo. Por infortúnio, em 1834, vieram as duas infestações que deram início ao fim desta cultura. Mas o que importa reter é a liberdade e a (consequente) produção de riqueza interna!

Alguém se lembra? Pois está claro que não…! Estes eram outros tempos, coisas do passado, da altura dos príncipes e das princesas…dirão os inconsequentes.

Entrando a república, o centralismo, que não nos era conhecido até então, inicia-se. Acaba-se com os ganhos autonómicos de Hintze Ribeiro e Mont'Alverne de Sequeira, os Açores entravam nas trevas, iniciavam os “novos” anos. A I república, ainda em 1910, (ex)termina, de imediato, com o Tribunal da Relação de Ponta Delgada e a na II nem sequer vale a pena perder tempo a enumera as privações… Na actual, a tradição continua… Veja-se o exemplo retirado do já celebre comunicado/açoite Presidencial do Verão de 2008, relativo ao novo Estatuto Político-administrativo dos Açores. Naquele caso “valeu a pena” vetar, noutra situações de “parcerias estratégicas” submetidas ao Presidente...o discurso mudou. 

Concluía-se dizendo: como devem ter sido bons, nos Açores, os dourados anos sobre alçada dos Reis de Portugal, visto que se analisarmos objectivamente a História dos Açores, no essencial, e verificado o que este arquipélago ainda tem hoje, a Eles lhes deve.

Share |

Bent . "Private road" (2001)

Share |

domingo, 6 de junho de 2010

sexta-feira, 4 de junho de 2010

The Last Electro-Acoustic Space Jazz & Percussion Ensemble . "Mystic voyage (for Roy Ayers)" (2010)

Share |

Topónimo aqui perto da minha zona...!

«William Harding Read (1774-1839) era o cônsul britânico em Ponta Delgada e residia na Quinta da Bela Vista, em cujo solar, dito "do bom fim", recebeu, como hóspede, clandestinamente, o Ten Sá Nogueira (futuro Marquês de Sá da Bandeira), quando o governo da ilha se encontrava nas mãos da facção miguelista.
Segundo Luís Bernardo Leite de Ataíde, era o Cônsul Read "uma figura do mais elevado relevo intelectual e moral da sociedade do seu tempo", pois aliava "a uma vasta cultura das ciências, ao conhecimento de várias línguas e à sua particular predilecção pelas letras e pela música [...] os mais aprimorados requintes de uma fina educação" e da arte de bem receber.»


Nota - O Cônsul William Harding Read era irmão do trisavô de um grande e estimado amigo aqui de casa. Abraço para ele!

Fonte - Partilha, N.º43, Ano IV, Abril de 2010, última página.
Share |

Foi-me enviado pelos Daft Punk via twitter...

Share |

terça-feira, 1 de junho de 2010

Dia Mundial da Criança

Foto UNICEF de uma criança palestiniana foi captada durante uma festa realizada por esta Organização em Ramallah para celebrar o 20.º aniversário da Convenção dos Direitos da Criança.
Share |

Righeira . "Vamos a la playa" (1983)

Porque abriu hoje a época balnear...!
Share |

Regresso do bom senso régio a Israel:

Uma hipótese de solução para o conflito Palestino - Árabe na Faixa de Gaza.
Fonte - JN
Share |

Para mim a diferença em Portugal entre república e Monarquia é assim...

Conhecendo-se a História deste País e como as coisas foram sucedendo...é inevitável:
Fotos - Direitos reservados aos seus legítimos autores.
Share |

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!