Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

The King's Speech

Share |

The Verve . "All In The Mind" (1992)

«You were born to fly my son"
I said: "Hey! I already know"

Because it's all inside
Because it's all inside
I was born to fly, fly pretty high»


The Verve - All In The Mind
Share |

Gramophonedzie . "Why Don' t You" (2010)

Brand new...!
Share |

Shirley Bassey . "Diamonds Are Forever" (1971)

Sempre retive esta frase de Don Black, criador deste tema: «Os versos são deliciosamente vulgares.»

Share |

Suede . "She's in Fashion" (1999)


SUEDE - SHE'S IN FASHION
Carregado por scootaway. - Ver os últimos vídeos de musica em destaque
Share |

Brigitte Bardot . "Contact" (1968)

Porque sei que gosta da Bardot...esta dedico à Cat. (II) :-)

Brigitte Bardot - Contact
Carregado por scootaway. - Ver os últimos vídeos de musica em destaque
Share |

Cole Porter (feat. Marilyn Monroe) . "My heart belongs to daddy" (1960)

Porque sei que gosta muito desta da Marilyn...dedico-a à Cat. (I) :-)

Marilyn Monroe - My heart belongs to daddy
Carregado por Mirandoline. - Noticias em video na hora
Share |

Françoise Hardy . "Tous les garçons et les filles" (1962)

Share |

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

"Destakava" isto...

...dito pelo historiador Rui Ramos:

«O que é polémico não são o que chama "as minhas posições", mas a forma como nos andam a vender o regime saído do 5 de Outubro. Imagine que alguém falava do Salazar mencionando apenas as barragens, o abono de família, a neutralidade na segunda guerra mundial, sem jamais referir a PIDE, a censura, a guerra colonial. Está a imaginar a gritaria que já não iria para aí? Pois é o que temos visto sobre o domínio da vida pública portuguesa pelo Partido Republicano depois de 1910: nada sobre a retirada do direito de voto à maioria da população, nada sobre a negação do direito de voto às mulheres, nada sobre o 'empastelamento' e apreensão dos jornais, nada sobre a política de genocídio no sul de Angola, e o menos possível sobre a perseguição ao clero e aos sindicatos. É esse branqueamento, ao arrepio de toda a investigação histórica, que é polémico. Porque a verdade é que se voltássemos aos tempos de Afonso Costa, a maioria dos portugueses de hoje teria um choque tão grande como se voltássemos aos tempos de Salazar.

(...)

A monarquia constitucional, governada pelos liberais, foi o regime político que nos últimos 200 anos mais tempo durou em Portugal, e não por acaso. Os liberais conseguiram um equilíbrio de correntes políticas que ressalvou o pluralismo e a liberdade e extinguiu a violência política, alargou a participação eleitoral dos cidadãos ao mais alto nível antes de 1975, e criou condições para períodos de grande prosperidade. (...)»

Fonte - Destak
Share |

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

«Alfredo Keil, um monárquico e a República»

(...)

«No centenário da sua morte, surgem a lume algumas verdades: que Alfredo Keil nunca foi republicano, que não era um pintor sofrível e antes de grande qualidade, um músico elegante e empenhado e que A Portuguesa foi um acaso, um feliz acaso mas um acaso!» Notícia da Lusa, que acrescenta: «Alfredo Keil, autor do Hino Nacional, cujo centenário da morte se completa quinta-feira, foi um “homem genuíno do século XIX, pela sua formação cultural”, afirmou à Lusa a historiadora Ana Xavier, uma estudiosa da sua obra. “Ele fez todo o percurso de uma figura genuína do século XIX, nomeadamente a viagem que encetou pelas principais cidades europeias, além da sua formação”, disse a investigadora.
Alfredo Keil foi “um homem programático, que sabia o queria e que, curiosamente, se torna conhecido por algo que não programou, por um impulso, levado pela reacção nacionalista ao Ultimato inglês [1870]“, sublinhou Ana Xavier. “A Portuguesa” foi “absorvida pela República, sem Keil nada ter feito por isso, tanto mais que não há um único elemento que nos indique qualquer referência republicana em si”. “A Portuguesa”, que rapidamente se tornou popular, foi adoptada como hino nacional em 1911. 


Share |

Miles Davis & John Coltrane . "Kind of blue" (1959)

Uma dedicatória que aceitei (e aqui reproduzo) com elevada estima por pessoa amiga.
Talvez o meu álbum preferido de todos. Uma obra prima...!
Share |

Salada de Frutas . "Se cá Nevasse" (1981)

"Se Sebastião cá voltasse (...) Fazia-se cá ski"
Share |

Radiohead . "Everything In Its Right Place" (2001)

Share |

Joan as Police Woman . "Real Life" (2006)

A Joan vai actuar no C.C. Olga Cadaval.
Share |

Antony and the Johnsons . "Hope There's Someone" (2005)

Porque também faz parte do todo...
Share |

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

«Mataram o Sidónio!»


Esta é a república que celebra no próximo mês 100 anos. Estamos a falar de uma república mortífera, assassina, revolucionária, destrutiva, desorganizada, desestruturada mas, sobretudo, ilegítima pois nunca ouviu os cidadãos…curiosamente até hoje. 

Um dos poucos republicanos que, apercebendo-se da absoluta anarquia e desgoverno, ainda quis, antes de 28 de Maio de 1926, restaurar a ordem (aquilo a que se chamou o sidonismo), foi mesmo, após ter escapado a um primeiro atentado, liquidado pelos que restauraram a desordem presentemente celebrada. 

Uma pergunta simples para 100 anos: celebramos o quê?
Share |

Wall Street: Money Never Sleeps

Gordon Gekko saiu da prisão...

Share |

À Descoberta da Monarquia

(ver facebook)
Share |

O 5-10-2010 é em Guimarães

Fonte - FRP
Share |

Coldcut . "Autumn Leaves" (1994)

O U T O N O
(Vai esta versão que existe cá em casa)

Share |

Tosca . "John Lee Huber" (2005)

Outro da aludida moça ;-)
Share |

Chinese Man . "I've got that tune" (2007)

Dica de uma moça que percebe (realmente) de música ;-)
Share |

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Amy Winehouse . "Tears Dry On Their Own" (2007)

Presentemente ainda não sei se gosto, mas ela hoje demonstrou que já gosta. Num elevadíssimo nível de decibéis, começou o tema da Amy e, subitamente, a Paz instalou-se... ;-)

Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own
Carregado por AmyWinehouse. - Veja mais vídeos de musica, em HD!
Share |

Erykah Badu . "Didn't Cha Know" (2001)

Esta é do Mondego!
Share |

The Go! Team . "Ladyflash" (2004)


The Go! Team - Ladyflash
Carregado por Cooperative-Music. - Buscar outros videos de Musica.
Share |

Oasis . "Supersonic" (1994)


Mas o que é isto? Uns tipos num vídeo rasca, no cimo de um prédio e a reproduzir um refrão, aqui e acolá, com "supersonic"...?!

Foi assim que "acedi" à percepção do que terá sido o fenómeno 'Beatles' na minha "época"...!

Por intermédio deste clip (MTV), à data, foi o meu primeiro contacto com o som dos Oasis.
A queda de um cometa, a 50m de mim, teria tido um efeito parecido.

«(…)
I need to be myself 
I can't be no one else 
I'm feeling supersonic 
Give me gin and tonic
(…) 
Can I ride with you in your BMW ?
(…)»


Share |

Flowered Up . "Mr Happy Reveller" (1991)

Apenas um álbum de originais. Antolológicos...sim! Génios incompreendidos?


Share |

sábado, 18 de setembro de 2010

Li no Ípsilon...

...a propósito do "centenário":


«A investigação que tem sido feita "ainda não passou para os manuais do ensino básico e secundário"» (Luís Farinha)


«Estamos a celebrar cem anos de uma alteração radical no modo de vida político de Portugal» (Fernanda Rollo)...e o que é radical não é bom!


«A decisão de entrar na guerra foi "suicidária, uma loucura total."» (Fernando Rosas)


Fonte Caderno Ípsilon, Público, de 10/09/2010, págs. 34 a 36.
Share |

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

D. Duarte de Bragança em contexto de Estado...

Demonstrado: há substrato para repô-la...!
Share |

Valmont

A ver em DVD





Share |

Röyksopp . "Eple" (2000)

Já um clássico!

Röyksopp - Eple
Enviado por vinz_sordid. - Ver os últimos vídeos de musica em destaque
Share |

Joy Division . "Dead Souls" (1980)

Share |

Great Visual Ideas

Um abraço amigo ao Manuel Sousa Lima

Great Visual Ideas - Manuel Lima from Jonathan Marks on Vimeo.
Share |

Afonso de Bragança, uma veloz simpatia...

O Infante D. Afonso, Duque do Porto, irmão de D. Carlos I, bem podia ter sido Rei de Portugal...na pior eventualidade do Regicídio ter sido, em pleno, correspondente aos planos da Carbonária (liquidar: Rei-Príncipe Real-D. Manuel)!

Este simpático infante era bem quisto pelos portugueses. Não acredito, até prova em contrário, que tenha influenciado a ida para Gilbraltar em vez do Porto, aquando da retirada de Lisboa da Família Real, em Outubro de 1910.

Senão vejamos: tendo ele sido General de divisão do exército português, Inspector Geral da Arma de Artilharia, Comandante Honorário dos Bombeiros Voluntários da Ajuda mas, sobretudo, adepto ferrenho da velocidade motorizada...qual seria o seu medo para fugir, pela Ericeira, no Iate Amélia?

Resposta: nunhum! A admitirem-se verdadeiros alguns boatos históricos de ter influenciado a mudança da rota do "Amélia", convicto estou que algum receio sobre a Família Real teria imperado ou melhor estratégia iriam na mente do Duque do Porto, enquanto homem mais velho e experiente naquela embarcação. Nada mais além disso.

Fonte e Foto - Wikipedia
Share |

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Julie London . "Misty" (1960)

Share |

Soulstance . "Blue Grassland" (2000)

Sorry guys about this video (there was not so many options and he’s not the best), but the music theme prevails…!
Share |

Ainda a propósito do cume...

...retive este comentário do bloguer e caro Tenente, o qual passaria a transcrever pelo seu interesse:

«Não concordo com a partidarização da Monarquia, designadamente com o contexto actual do PPM, mas é de salutar este acto no ponto mais alto do País. Em 1974, pelo contexto revolucionário, o PPM fez sentido…hoje não. A Monarquia é, por si só, uma integrada neutralidade institucional, inversa à partidarização na chefia de Estado, lobbies ou “compinchas”. O João Ferreira Rosa costuma dizer que não há deputados monárquicos na AR que defendam a monarquia convictamente, pois ninguém os ouve falar dela.
Share |

«O Cume do Pico»

Share |

domingo, 5 de setembro de 2010

Li no P2...

...a propósito do "centenário":
«"A República no poder desiludiu as mulheres e não lhes deu voto.”

O direito de voto nunca foi dado às mulheres durante a primeira republica»

Fonte - Caderno P2, Público, de 27-08-2010, págs. 8 e 9.
Share |

Em 3D...

...vi este ontem! Há sempre uma primeira vez...
Share |

Unforscene . "I'm Just A Prisoner" (2008)

Este tema não dispensa a audição dos restantes do álbum. Podem fazê-lo via "tube" :-)
Share |

Panda Bear . "Ponytail" (2007)

Kings of samplers...!
Share |

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Entre irmãos

Share |

Reflexão-Síntese: O lapso nas grandes causas e ideais

Hoje mais que nunca o “grande capital” move tudo…até (indirectamente) as reivindicações dos sindicatos. Ninguém se quer dar ao luxo de lutar pelos puros ideais e pelas grandes causas, à semelhança de outros tempos…não muito remotos.
Share |

Demo + Kratos

Não há nada mais democrático que um cidadão “dispensar” o seu voto para legitimar parlamentarmente o seu Chefe de Estado, conforme acontece hoje nos mais desenvolvidos países da Europa e do mundo. Em Portugal já aconteceu na Monarquia Liberal e Constitucional...até 1910.
Share |

Reflexão-Síntese: A humildade, a origem, a instrução, a educação e a chave de progressão...

Projecto de axioma... 
Uma das coisas que mais me sensibiliza positivamente é constatar que um cidadão de pouca instrução e de origem humilde demonstra educação. Revela trato e o trato é uma chave de progressão. Ao contrário o que mais me sensibiliza negativamente é ver um cidadão instruído e de origem não humilde que não demonstra educação. Revela inexistir trato e o trato é uma chave de progressão.

Ontem éramos menos instruídos, mas produzimos mais. Hoje somos mais instruídos, mas produzimos muito, muito menos!

Share |

Azul e Branco no ponto mais alto de Portugal

Até ontem estava delimitado ser assim.
Hoje surgiu isto!
Comentário - Embora não me reveja na partidarização da monarquia (entenda-se PPM), há que assinalar o interesse e a saliência histórica desta concepção.
Fontes - RTP e i.
Foto - Direitos reservados ao seu legítimo autor.
Share |

Nicole Willis and the Soul Investigators . "If This Aint Love Dont Know What Is" (2007)

Do melhor que ouvi nos últimos 5 anos!
Share |

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!