Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quarta-feira, 23 de março de 2016

Dawn of Justice

https://www.youtube.com/watch?v=T89tvJTCohA

Tirando o Ben Affleck, tem tudo para correr bem dentro do género.

Uma resposta da DC à Marvel.
 
Share |

Prémio MIL Personalidade Lusófona 2015

 
Share |

Il nous manque un Roi !

 
Emmanuel Macron : "il nous manque un roi"

Sempre defendi e alertei para a enorme rentabilidade económica que o regresso da nossa Monarquia traria, porquanto é uma Instituição de enorme notoriedade e fazendo, em determinado sentido, uma analogia às MGP - Marcas de Grande Prestígio, venderia e venderia muito, dando a ganhar ao Turismo e, consequentemente, a Portugal...tal como acontece na vizinha Espanha, Inglaterra e outros países regimentalmente similares. Ninguém vem a Portugal ver Presidentes...!

Se Marcelo R. de Sousa trouxe, dentro do possível, uma simpática lufada de ar fresco, imagine-se um novo regime e um novo Rei…
 
Share |

Retemperar e Recuperar

Desfaçam-se as dúvidas de alguns, o actual discurso europeu falhou e apenas fortalece os extremistas.
Somos um foco aberto e fraco enquanto continuarmos reféns de forças desactualizadas, amorfas e desnorteadas que nos conduzem para um abismo civilizacional…para um limbo onde não encontramos valores firmes que nos retemperam e recuperem a determinação enquanto europeus.
 
Share |

Bélgica e a Europa:

Jogos sem fronteiras!
 
Share |

Solidariedade com o Reino da Bélgica


Mensagem de S.M. o Rei Filipe I da Bélgica à população na sequência dos atentados de ontem, 22 de março de 2016, em Bruxelas.
 
Share |

Tabela de Conversões

John Barry estava para a orquestração musical, como Einstein estava para a Física.
 
Share |

Your Eyes Only

«For your eyes only
Only for you
You see what no one else can see»

Sheena Easton (1981)
 
Share |

Moonraker

«Where are you? Why do you hide?
Where is that moonlight trail that leads to your side?
 
Just like the Moonraker goes in search of his dream of gold,
I search for love, for someone to have and hold,
I've seen your smile in a thousand dreams,
Felt your touch and it always seems,
(...)
You love me.

Where are you? When will we meet?
Take my unfinished life and make it complete.

Just like the Moonraker knows his dream will come true someday,
I know that you are only a kiss away.
I've seen your smile in a thousand dreams,
Felt your touch and it always seems,
(...)
You love me.»

Shirley Bassey (1979).
 
Share |

WEEK SOUNDZZZzzz!

 
Made in Portugal

 

Share |

quinta-feira, 17 de março de 2016

Inside Out

https://www.youtube.com/watch?v=yRUAzGQ3nSY
 
Share |

Cristina da Suécia

 
 
Share |

“E os piratas somos nós…!”

«Nicolau Breyner era um fervoroso patriota e um monárquico determinado e comprometido na defesa das suas convicções. Filiou-se cedo na Real Associação do Ribate...jo e foi, por isso, um dos construtores do projecto da Causa Real que hoje reúne o Movimento Monárquico Português.»

António de Souza-Cardoso

Share |

Tem de vir mesmo do Povo

No Brasil:

 
Share |

Incursões ao McDonald's

«(…)

P – Ele (o seu filho) mudou a sua perspetiva de olhar o mundo?

R – Não. Ele veio confirmar tudo o que tenho vindo a dizer sobre as diferenças sexuais. A minha ex-companheira, que é a mãe biológica dele, concorda. Ele mostra-me como os homens e as mulheres são diferentes.

P – Em que sentido?

R – Por exemplo, ele gosta de tudo o que é mecânico. Adora saber como é que as coisas são feitas, construídas. Como funcionam as máquinas. Gosta de desconstruir tudo, todos os objetos, até uma caneta. Joga horas com os amigos àqueles jogos de construir e desconstruir edifícios. Não lhe ensinei nada. É tudo instintivo. Como o brincar com carros e com armas para destruir aquelas cidades inteiras.

(…)»

Camille Paglia, escritora norte-americana, professora universitária, feminista e lésbica em entrevista a Alexandra Carita, para a ‘E – A Revista do Expresso”, edição 2261, de 27 de Fevereiro de 2016, págs. 62 e 63.
 
Share |

Graciosa

«O grupo bracarense DST vai construir o primeiro sistema mundial de energia híbrida na ilha Graciosa, no arquipélago dos Açores, que permitirá à ilha tornar-se praticamente independente de fontes de energia não renováveis, eliminando quase por completo o recurso a combustíveis fósseis.»
 
 
Share |

Cada vez mais somos números

Para ter determinados direitos essenciais, o actual regime exige que uma bebé, com menos de 3 meses, tenha de se tornar cidadã da república portuguesa, devendo apresentar-se a registo, quando nem tem força para se manter erecta para a foto que exigem.

Francamente...
 
Share |

Moluscos

«Era mais polvo que lula

Share |

Sou Hipócrates!

Compulsada a extremíssima complexidade do tema, cuja realidade transcende quaisquer certezas da direita à esquerda, quero, pois, tornar público o meu lema sobre o assunto - Eutanásia, reiterando a frase do Prof. Doutor Luís António Marques da Costa, Diretor do Departamento de Oncologia do Centro Hospitalar Lisboa Norte:

“VIDA ASSISTIDA ATÉ À MORTE.”*

* In Expresso, Primeiro Caderno, de 5/3/2016, pág. 35.
 
Share |

WEEK SOUNDZZZzzz!

 
 
«Imagine if you can what it is like to have no possessions at all.
Nothing, very few people are able to imagine such a thing, to have nothing at all.
Well let us, you and I, try to imagine something a hundred times harder....
Not just to have nothing at all, but when there was nothing at all.»
 
Made in Portugal.

Share |

quarta-feira, 9 de março de 2016

Mad Max

https://www.youtube.com/watch?v=hEJnMQG9ev8
 
Share |

Estruturas e Subestruturas

Quanto mais compreendo a estrutura e subestrutura da república, mais aproximo-me, mutatis mutandis, da frase de Churchill e digo: a Monarquia e a Democracia são os piores regimes, com excepção de todos os outros.
 
Share |

Um País de Facções

No fim do discurso do novo PR, o Bloco e o PCP não se levantaram a aplaudir. É um presidente de direita para eles.

Logo aqui se constatam as indisfarçáveis facções, a existência de partes onde devia existir unidade. Em Espanha, por exemplo, isso não acontece/eu.
Share |

Rewind

No discurso de Marcelo gostei daquela parte em que recordava a nossa História e os nossos Reis, embora com um tónico de passado mas sendo o primeiro, reconheço, que vi e ouvi falar de Portugal num todo.

Todavia, não se podendo esquecer que, naquele mesmo hemiciclo, se encontrava o Rei de Espanha, descendente dos Reis de Leão, Castela e Aragão, etc, reinos bem mais antigos que Portugal e ali estava Filipe VI bem presente, bastante pretérito e muitíssimo futuro.
 
Share |

"Não está!"

Povo!? Onde está? A esta altura do (próprio) dia, não era para aparecerem, ao menos, alguns curiosos!? Nem isso. Lembra-nos a proclamação e o Relvas. Nisso o regime é tradicional...sempre fechado em si mesmo e distante dos portugueses.

A república é isto...muitas individualidades, pouco povo e pouca alegria. Ide ver Inglaterra, a vizinha Espanha, a longínqua Suécia, etc...ou mesmo nós até 1910.

Sem mais argumentos, aproveitaram o essencial das formalidades da Monarquia, designadamente da tomada de posse do Presidente resultou uma pálida imitação da Aclamação, mas faltando sempre o essencial, aquilo que a jornalista desta peça constata: o povo.
 
video
Imagens SIC-Notícias | Vídeo PPA
 
Share |

terça-feira, 8 de março de 2016

O Último e o Primeiro Dia

O Presidente da república terminou hoje o seu mandato. Sem descurar das elevadas taxas de abstenção envolvidas nas suas duas eleições (e de outros), este acabou por ser empossado derivado à votação efectuada por (alguns) cidadãos.

Contudo, o Presidente termina o seu mandato com o tão falado índice de popularidade em baixa, segundo alguns superior mesmo à percentagem que o elegeu.

Ora, sabendo a forma como a república foi imposta, alicerçada em estritos grupos de interesses oligárquicos, processualizada por um braço armado maçónico - A Carbonária (cuja bandeira terrorista deu forma à actual bandeira da república portuguesa), não posso deixar de trazer à colação, entre muitos outros exemplos, duas imagens que expressam a relação dos portugueses com a Monarquia e com os seus representantes, concretamente da cerimónia fúnebre da Rainha D. Amélia (mesmo passados 41 anos do seu brutal exílio) e, ainda, o baptizado do actual Príncipe da Beira, D. Afonso, em Braga, nos anos noventa.

Nestes contextos expontâneos, não é difícil, para ninguém, perceber que, nesta ambiência, pouco releva o contexto dos votos, da abstenção ou da popularidade, aliás como acontece em Inglaterra, Holanda, Suécia, etc, antes sente-se, com nítida clareza, a admiração, o respeito e, sobretudo, a consideração do povo àqueles que são realmente Portugal.
 
 
Share |

França

Liberdade, Igualdade e Fraternidade, contudo, desde Clóvis I até hoje (cerca de 1530 anos de História), não houve cá mulheres a mandar, entenda-se como chefes de Estado.
 
Share |

Gravelines e o FCP

Existe um aspecto que aproxima Filipe II de Espanha (I de Portugal) a Pinto da Costa:

O primeiro recrutou portugueses para a composição da Invencível Armada para tentar vencer a Batalha Naval de Gravelines, enquanto o segundo recrutou espanhóis para, com as devidas adaptações, tentar ganhar as competições em que o FCP estava envolvido.

Em suma: o resultado foi igual nos dois casos...um desastre.
 
Share |

Feia

Pergunta: “A criminalização do piropo pode matar o galanteio?”

Resposta: “Matou. Agora só com autorização prévia e assinatura reconhecida. Criminalizar é uma idiotice de gente feia, às vezes mesmo muito feia”.

Jaime Milheiro, um dos mais reconhecidos psicanalistas do País, em entrevista a Inês Maria Meneses para a ‘E - A Revista do Expresso’, edição 2257, de 30 de janeiro de 2016, pág. 105.
 
Share |

Opções

Descriminalizar a morte de bebés e criminalizar o piropo (com o galanteio incluído).
 
Share |

Pontos de Vista

Pergunta: «O que pode ser melhor do que o momento em que a tua avó te descasca uma pera?»

Resposta: «Ter a sorte de chegar a casa dela e vê-la a procurar uma conta do terço castanho no chão castanho…encontrar a conta e consertar-lhe o terço.»

Ivo Canelas, actor, em entrevista a Inês Maria Meneses para a ‘E - A Revista do Expresso’, edição 2258, de 6 de Fevereiro de 2016, pág. 105.
 
Share |

Fonte

«A única fonte do conhecimento é a experiência.»

Albert Eistein
 
Share |

Mesmo Antes

«A ética, antes de ser empresarial é pessoal.»

João Pedro Tavares, presidente da ACEG
in VER
 
Share |

Mandatos Messiânicos

Só para relembrar um pequeno detalhe: Guantánamo ainda não fechou.
 
Share |

WEEK SOUNDZZZzzz!

 
Em português
 
Made in Portugal
 
Obviamente Ella, porque elas já não precisam de dias.
 
Share |

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!