Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Li num comentário anónimo...

...no blogue Estado Sentido, de 5 de Agosto de 2011:

«De Trindade Coelho, a propósito da morte da Rainha D. Amélia de Orleães (1951).


"Não dependo da realeza, como não dependo de qualquer facção partidária. A minha alma juvenil tem vibrações de entusiasmo sincero, desde entusiasmo franco e lhano, despreocupado e são, que não tem a pautá-lo a norma servil da conveniência.
Eu não sei genuflectir ante eminências sociais de qualquer categoria que sejam, não sei calar a voz da consciência para vir a público desempenhar o papel de turibulário oficial.
O preito que ora venho render à Majestade que passa é, por conseguinte, o preito de alguém que não tem nos lábios o sorriso que cativa para que ele lhe disfarce o veneno do coração.
Este preito antes de ser dirigido à Tainha é dirigido à Mulher; antes de ser a manifestação balofa da minha admiração pela púrpura e pelo arminho do manto - é o tributo do meu respeito à Virtude que enobrece e que tem a consagrá-lo as bênçãos dos infelizes.
A realeza do trono fez da princesa uma Rainha, a realeza da Virtude fez da Mulher um Anjo.
Por issu eu a saúdo na sua passagem, por isso eu curvo a minha fronte como a curvaria diante da minha mãe, e só diante dela.
E é sincera a saudação, e é bem justo o preito, porque tem a justificá-lo a realidade positiva dos factos.
Salve, pois, Rainha dos Portugueses! Caiam sobre ti as bênçãos do Céu como caem sobre os desgraçados as bênçãos da tua Caridade.
E é em nome dos desgraçados, em nome dos desprotegidos da sorte, que eu te venho saudar, a ti que se não tivesses um trono que te dá a tua posição e o teu sangue, havias de ter aquele que a virtude te levantou e ante o qual eu ajoelho com aquele respeito com que só o faço no túmulo de minha mãe.
Mais que os brilhantes da tua coroa, brilham as lágrimas de gratidão daqueles que a tua caridade protege. por isso te abençoamos, por isso nos orgulhamos de te respeitar como Rainha porque te adoramos como Mãe."

Nunca palavras destas foram ditas a respeito de alguém da República e muito menos ainda, da própria "criatura" que já há 101 anos nos sufoca e parasita.»
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!