Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Umas pitadas no "Albergue"...

Intervenção 17
Foram os complexos de alguns que nos tiraram a nossa boa Monarquia e também dificultarão o seu retorno.
Digo isto sem qualquer tipo de contaminação emocional. São manifestações objectivas que demonstram o afirmado. Senão vejamos: que outro sentimento, não formal e ideológico, leva um regime, supostamente empoleirado na universalidade de voto, a impor-se por intermédio do assassínio de um Chefe de Estado numa democracia parlamentar estável da Europa e, de seguida, recorrendo a uma revolução armada e sangrenta...sem nunca ouvir o povo?
Caro Rodrigo, como é óbvio, tenho de concordar (absolutamente) com o seu post. O Rei, como figura de Estado, é um resultado de séculos pensantes sobre a matéria. O Rei como não é político, não fracciona. Não fraccionando une, e unindo progredimos…! Muitos foram os filósofos políticos que apostaram num regime diferente do nosso actual, ou seja monárquico. Refiro-me em particular aos alemães do século XIX. Mas para nosso mal, tivemos o azar de levar, sem auscultação popular, com uma república que definha, de ano para ano, o País. Quem viaja a países monárquicos, em especial da Europa, percebe, por intermédio das suas consciências colectivas (maxime os seus cidadãos), porque disseram ao ideal republicano: não! Não estamos interessados! 
Mais…! Não tenho partido e a cada dia que penso sobre esta questão concreta, acredite, sinto-me mais democrata, mais apartidário, mais neutro politicamente (embora mais defenido ideologicamente), mas cada vez mais convicto e certo daquilo que é melhor para o meu País em razão da sua tradição histórico-constitucional. O bom deste assunto é que somos cada vez em maior número, somos cada vez mais esclarecidos sobre o que se passou 100 anos atrás, e conforme alguém disse: "A Monarquia já foi uma ilusão maior".
Bem-haja e bom trabalho!
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!