Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Um Ciclo...

Súmula - Grandes Solares, Palácios e Palacetes foram construídos nos Açores, pelos açorianos para os açorianos, aquando do “ciclo da laranja”. Grosso modo isso sucedeu pois a Monarquia portuguesa olhava para a Região sempre dentro da sua tradicional máxima de abertura, quase mercantilista (numa acepção não depreciativa), do Império. Ou seja, como numa empresa que precisa dar lucros: descentralizar para todos lucrarem. Melhor ou pior, esta era, genérica e consensualmente, a relação entre o Estado e os Açores até 05-10-1910. Ou seja, dava-se liberdade aos açorianos e estes mostravam os resultados…produzindo. Por infortúnio, em 1834, vieram as duas infestações que deram início ao fim desta cultura. Mas o que importa reter é a liberdade e a (consequente) produção de riqueza interna!

Alguém se lembra? Pois está claro que não…! Estes eram outros tempos, coisas do passado, da altura dos príncipes e das princesas…dirão os inconsequentes.

Entrando a república, o centralismo, que não nos era conhecido até então, inicia-se. Acaba-se com os ganhos autonómicos de Hintze Ribeiro e Mont'Alverne de Sequeira, os Açores entravam nas trevas, iniciavam os “novos” anos. A I república, ainda em 1910, (ex)termina, de imediato, com o Tribunal da Relação de Ponta Delgada e a na II nem sequer vale a pena perder tempo a enumera as privações… Na actual, a tradição continua… Veja-se o exemplo retirado do já celebre comunicado/açoite Presidencial do Verão de 2008, relativo ao novo Estatuto Político-administrativo dos Açores. Naquele caso “valeu a pena” vetar, noutra situações de “parcerias estratégicas” submetidas ao Presidente...o discurso mudou. 

Concluía-se dizendo: como devem ter sido bons, nos Açores, os dourados anos sobre alçada dos Reis de Portugal, visto que se analisarmos objectivamente a História dos Açores, no essencial, e verificado o que este arquipélago ainda tem hoje, a Eles lhes deve.

Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!