Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

terça-feira, 24 de novembro de 2009

P. Edmundo Manuel Pacheco = Valor Humano



Comentário - Estamos na presença de um homem de cultura, jornalista, fiel Pároco, Católico de dimensão profunda, devoto de Nossa Senhora, cuja paróquia da Conceição guardou até antes da sua reforma, aglutinador, desportista e, neste último domínio, de realçar o seu sportinguismo de raça. Mas em destaque: por acreditar no modelo monárquico como o regime mais fraterno para os portugueses viverem. Aquando de uma deslocação a São Miguel de S.A.R. o Senhor Duque de Bragança, D. Duarte Pio, em 2007 (sem precisar), e na presença dos dois, por ocasião de um jantar em Ponta Delgada, pudemos constatar a especial estima que Sua Alteza Real dedicava ao Senhor P. Edmundo Manuel Pacheco, por saber o quanto se pode contar deste servidor público enquanto homem.

Foi atribuído o seu nome a uma Rua na sua Terra do coração, a Ribeira Grande, território e gentes por quem deu tudo o que sabia. Daí a merecida e mais que justa dedicatória da edilidade. Este tipo de dedicatórias cívicas e civis devem fazer-se em vida e não post mortem, para, assim, os homenageados constatarem a gratidão e o reconhecimento do seu trabalho. Muito bem, em representação dos cidadãos, os autores da homenagem.

Fica aqui também a respeitosa homenagem da "Incúria da Loja" a este homem que, para nós, se traduz em duas palavras: "Valor Humano".
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!