Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Rainha Margarida II da Dinamarca

Gostava de ver na progressista república portuguesa, o respectivo representante de Estado, de entre senhores importantes como, por exemplo, Mário Soares, Jorge Sampaio ou Cavaco Silva, fazerem o mesmo.

Nota - A Rainha Margarida II da Dinamarca é muito conhecida pela sua paixão dedicada ao Teatro. Ela é a guardiã mais destacada na Dinamarca desta arte e, normalmente, encontra-se ligada à interpretação. A dada altura foi notícia uma peça em que entrou, em que lhe foi entregue o papel da personagem de uma pedinte.
É impressionante a obra artística da Monarca, não sendo uma mera agente contemplativa, mas antes assumindo-se, com coragem (e um verdadeiro artista sabe do que falo aqui), como uma agente activa!
O respectivo "currículo":
«Desde 1970, a rainha tem-se empenhado activamente num determinado número de modos de expressão artística: pintura, têxteis para igrejas, aguarelas, gravuras, ilustrações de livros, recorte de imagens, cenografia e bordados. Uma grande parte destas obras artísticas foram mostradas em conexão com exposições na Dinamarca e no estrangeiro. As obras artísticas estão representadas nos seguintes museus de arte: Statens Museum Kunst (a galeria nacional), Aarhus Art Museum (museu de arte), ARoS, e Køge Art Gallery Sketch Collection (esboços para têxteis de igrejas).

Exposições

Køge Museu de Arte de Esboços e The Glass Museum, Ebeltoft, ambas de 1988; Millesgaarden, Estocolmo, 1989; Blaafarveværket, Noruega, 1991; Baron Boltens Gaard, Copenhaga, 1991; Gammel Holtegaard, 1993 e Herning Art Gallery, 1993-1994; Schloss Bourglinster, Luxemburgo, 1994; Aarhus Art Building, Marienlyst Palace, Helsingør, e a Biblioteca Central da Dinamarca, Flensburg, todos de 1998; O Museu Nacional de Reykjavik, (têxteis de igrejas), de 1998; Galeria JMS (juntamente com Dorte Foss), Oslo, 1999 ; Sofiero Palace, Hälsingborg, juntamente com obras da falecida Princesa Margareta, 2002; O Museu Karen Blixen (obras de recorte de imagens), Rungsted, 2002 e Blaafarveværket, Noruega, 2003; O Didrichsen Art Museum, Helsínquia, 2002-2003; Yamanashi Hemslöjd, Tóquio, Japão, 2003, 2003-2004 e 2006; Bakkehus O Museu de Copenhaga, em conjunto com Henrique, Príncipe Consorte da Dinamarca, 2007; O Convento de Vitskøl, Vendsyssel, de 2007.

Ornamentos públicos

Fez o Altar para Skei Fjellkirke e Østre Gausdal, Noruega, 2001.

Têxteis de igrejas

A rainha concebeu e bordou casulas para a capela do palácio de Fredensborg (1976), a capela do Castelo de Kronborg; Angmagssalik / Tasiillaq Igreja, a Gronelândia (ambos de 1985), quatro chasubles e antependia para Haderslev Sé (1987-1988), quatro chasubles catedral de Aarhus (1993-1995).

Design e bordados de capas dos Bispos

Trabalhos para a Diocese de Helsingør (1986); Diocese de Viborg (1989); design da capa do bispo da Sé de Haderslev (1987-1988) e da Sé de Aarhus (1999). Design para um casamento com um tapete para a Capela do Castelo de Frederiksborg, (1999).

Cenografia e Fantasias

Disfarces para a TV e Teatro da produção de Hans Christian Andersen do conto de fadas "A Shepherdess e da Chaminé-Sweep", 1987; cenografia e figurinos para o ballet "A Folk Tale", Teatro Real, 1991; cenografia (obras de recorte de imagens) e fantasias de um filme sobre Hans Christian Andersen's, "The Snow Queen", 1999-2000. Disfarces para o ballet pantomina "Love no Dustbin" baseado em contos de fadas, de Hans Christian Andersen, O Teatro Tivoli Pantomime, 2001; recorte de imagens de obras e esboços de Karen Blixen's "The Sailor-Boy's Tale", Svalegangen Teatro da marioneta, 2004.

Ilustrações de livros

JRR Tolkien: "O Senhor dos Anéis”, publicado em dinamarquês em 1977 e 2002; "The Lord of the Rings" foi reeditados com SM a Rainha nas ilustrações, em 2002; "Historierne om Regnar Lodbrog" (as histórias sobre Regnar Lodbrog), 1979; "Bjarkemål" (a canção do Bjarke), 1982; Poul Ørum: "Komedie i Florens" (comédia em Florença), 1990. Príncipe Henrique: “Cantabile”, 2000 (trabalhos de ilustração com recorte de imagens).“Snedronningen. Bíblia Nacional e da Família, de 2000 (vinhetas); "Et eventyr af HC Andersen "e" The Snow Queen”. Um conto de fadas, de Hans Christian Andersen ", ambos de 2000 (obras com recortes de imagens); Karen Blixen:" Syv fantastiske fortællinger "e" Seven Gothic Tales ", ambos de 2003 (obras de recortes de imagens).

Litografias

Litografias para Danish Yacht A Safety Board, 1986; da Cruz Vermelha Dinamarquesa. 1988; esboços de disfarces de "Um Folk Tale", para a Cruz Vermelha Dinamarquesa, 1991; Save the Children, 1994; Stentrykkets Carillas Kunstnerlegat (artista da subvenção por amigos de litografia), de 2000.

Esboços e estudos

O Natal em selo, 1970; ilustrações para calendários de Artesanato A Sociedade, 1978 e 1984; O Natal Spoon do Ano de 1984; do Natal na Gronelândia em selo, 1983; especial o selo "A Quinta de Maio de 1945-85", 1985; selos postais para a Associação Nacional para deficientes mentais, 1988; um calendário para a Sociedade de Esclerose, 1990; para aguarelas O Cooperative Association, 1991; aguarelas da Save the Children; cartões de Natal para o World Wildlife Fund, 1991, 1994 e 1998; cartões postais para a Igreja marinha dinamarquesa, 1992; ilustrações de um calendário DanChurchAid, 1993; jogo de cartas para o dinamarquês Refugee Council, 1994; cartões para a UNICEF, 1996; do Coração de Natal da Save the Children, 1997; motivação Cartão de Natal para o World Wildlife Fund, 1998, 1999 e 2003, um cartaz para o jubilar dinamarquês Stroke e Associação Aphasia e um prato de porcelana Børnehjælpsdagen (dia da saúde infantil), ambas de 2004.

Traduções

Simone de Beauvoir's, "Tous les hommes sont mortels" em dinamarquês sob o nome de SM que assumiu o nome de Vejerbjerg (A rainha juntamente com o príncipe consorte Henrique da Dinamarca). Além disso, a Rainha tem traduzido em dinamarquês: Stig Strömholm's "Dalen", "Fälten" e "Skogen", 1988-1989 e Eric Linklater's "Dar voltas na Lua", (com ilustração da capa), 1991.»

In Wikipedia
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!