Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

A fonte que matou a sede

«Aqui será teu nome docemente
Oh Veiga ilustre sempre repetido
Em quanto este povo agradecido
Nestas águas matar a sede ardente»

Esta frase está aposta na fonte pública da Fajã de Baixo, monumento inaugurado em 1816. 
Nos finais do século XVIII, num período de enorme escassez de água potável, o povo da Fajã de Baixo passava por grandes necessidades relativamente àquele bem essencial: a água.
Não tendo outra alternativa e dada a gravidade da situação o Morgado da altura, Agostinho Cymbron, dirigiu à Rainha D. Maria I o apelo daquela população em vincadas necessidades, expondo a situação por intermédio de uma petição.

Uma vez recepcionado o instrumento usado por Agostinho Cymbron, e perante os factos, S.M. a Rainha D. Maria I, focada em ajudar aquela pequena parcela do seu povo, embora distante, desde logo, a 13 de Janeiro do ano seguinte à recepção da aludida petição, veio oficialmente reconhecer, por provisão, que o povo da freguesia de Nossa Senhora dos Anjos vivia «na maior consternação pela falta de água (…), usando das encharcada das chuvas (…) com evidente ruína da sua saúde».

Assim, pelo serviço público prestado pela Rainha ao seu povo em carência…aquela gente pôde dizer até hoje inscrito na pedra:

«Em quanto este povo agradecido
Nestas águas matar a sede ardente».

Fonte - “A Partilha - Boletim de Informação, Cultura e Desenvolvimento Local”, N.º 61, Ano VI, Outubro de 2011.
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!