Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

domingo, 3 de outubro de 2021

Calvary


Share |

Ainda a propósito do Nobel de Dylan

Muitos ainda não entenderam a verdadeira dimensão das palavras musicadas, quando por vezes uma frase pode modificar uma vida, quando uma perceção de refinamento transcende largamente muitos rios de tinta e de papel por parte de escritores e romancistas que não nos trazem coisa alguma de inovador e não nos transformam absolutamente nada na vida.

«Nothing's changed
I still love you, oh, I still love you...
Only slightly, only slightly less than I used to, my love»
The Smiths, “Stop Me If You Think” (1987).

Share |

Uma História a ser ininteligível

«Sem os líderes, sem os Santos, sem os heróis, sem os Reis, a História é ininteligível.»

Charles Maurras (Bouches-du-Rhône, 20 de Abril de 1868 - 16 de Novembro de 1952) | poeta monárquico francês, jornalista, dirigente e principal fundador do jornal “Action Française"

Share |

Fulton John Sheen

«Quando pedirem milagres, não sejam forretas.»

Venerável Arcebispo Fulton John Sheen (1895-1979)

Share |

SELECTION SOUNDZZZzzz!



Made in Portugal


Share |

sábado, 18 de setembro de 2021

Ouvido hoje numa Igreja

«Cristo é a ruína da mediocridade.»

Share |

domingo, 5 de setembro de 2021

Ordem Vs Libertinagem

Hoje vendem-nos a liberdade plena, por outras palavras, a libertinagem, para a qual, já não paulatinamente, caminhamos.

A nossa sociedade está, efetivamente, pior que outrora. São prova os diversos desabafos inter geracionais que recebo ou que muitos recebemos.

Enquanto não entendermos que a própria e verdadeira satisfação/realização advém de um sacrifício, de uma regra, enfim de uma construção que tem exigências, todos nós estaremos a caminhar para um abismo societário.

Termino com um exemplo simples: o desporto. Este tem limites, linhas, condutas e regras, uns são individuais, outros são em equipa, sendo que nestes últimos o ego, por assim dizer, deve ser o do grupo. Contudo, e no geral, apesar de todos os sacrifícios, por vezes extremos, que são impostos para mergulhar neste mistério que é o desporto, bem como apesar das vitórias nuns dias, e das derrotas noutros, o prazer de quem se apaixona verdadeiramente por qualquer modalidade, no final, é sempre incomensurável e indestrutível.

Na vida acontece exatamente o mesmo.


Share |

Nós, os presunçosos

Sim, foi do (des)aquecimento global...


Share |

Monarquia = Bem | República = Mal

Ainda restam dúvidas sobre o sentido prejudicial republicano? Desenho? Nos Continentes onde existem Monarquias, normalmente são os países mais desenvolvidos num conjunto de vetores.

«Mohammed Zahir Shah (1914-2007), último rei do Afeganistão de 1933 a 1973. Símbolo de unidade e paz. Recebeu o título de Pai da Nação, que manteve até a sua morte.»



Share |

Rol

Rol do herói Otelo, reconhecido e amnistiado por Mário Soares e pelo seu atual regime abrilesco putrefacto:

Lista de crimes do herói Otelo


Share |

'A arca de não é'

Nuno Rogeiro.
In 'Sábado', pág. 73, 22/7/2021.


Share |

Fiel...sempre

«Fiel a um amor antigo
Acabo sempre por voltar
(...)»

Grupo: Rádio Macau
Tema "Bom dia Lisboa"
Fonte: LyricFind
Compositores: Alexandra Couceiro / Vítor Lucas
Letras de Bom Dia Lisboa © EMI Music Publishing

Share |

Milan Kundera na mouche!

A colocar aqui exemplos da I e da III repúblicas neste âmbito, teria de ficar o dia todo a escrever e não tenho tempo para isso.

Ficam apenas 4 exemplos, nomeadamente:

1 - "Bandeira vermelha e verde". Hello!!!?
2 - "Portugal é uma democracia desde 1910". Hello!!!?
3 - "A república é que implementou a democracia". Hello!!!?
4 - "Ponte 25 de Abril". Hello!!!?

Share |

Not yet, evil ones!

«God is not yet dead»

Obra de Vitezslav Gardavsky, filósofo e mártir checo falecido em 1978.

Share |

Para onde iremos, Senhor?

«(...)
A partir daquele momento, muitos discípulos O abandonaram e não mais andavam com Ele.
Jesus disse aos Doze: "Vós também quereis ir embora?"
Simão Pedro respondeu: "Para onde iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente e reconhecemos que Tu És o Santo de Deus."»

(Jo 6,60-69):

Share |

Bem-mal

«Haveria muito menos mal no mundo, se o mal não pudesse ser feito sob a aparência do bem.»

Marie von Ebner-Eschenbach, escritora.

Share |

O homem no Desporto

«O homem olímpico não ignora o seu contrário, não foge à sua dor: utiliza-a como instrumento de perfeição.»

Prof. Agostinho da Silva, filósofo português (1906-1994).

Share |

Sugestão do dia

O Paul, o Ringo, o filho do George e um dos filhos do John podiam editar um tema novo em nome dos Beatles.

Share |

SELECTION SOUNDZZZzzz!


Share |

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Altruísmo

Na génese de um monárquico há, em prima racio, um princípio elevado e de altruísmo: confiar o poder no Rei, numa outra pessoa, nunca o querendo para si.

Inversamente o republicano, instruído e iludido pelo republicanismo, e por princípio geral, pode almejar o poder, o poder só para si, não descurando que é uma utopia só ao alcance de alguns, nomeadamente, por via de lóbis, partidos ou ditadura. O cidadão comum nunca lá chegará. Blague objetiva.


Share |

"She represents the best of the Royals"

Casada com o chefe da maçonaria inglesa (atual Grão-Mestre da Grande Loja Unida da Inglaterra) curiosa e contrariamente, Katharine, Duquesa de Kent, em 1994, converteu-se ao Catolicismo, facto que não sucedia, na Família Real, desde 1701.

Este documentário revela a história de uma mulher extraordinária, que desde miúdo habituei-me a gostar quando a via, todos os anos, com toda a sua emanação de luz, entregar os prémios em Wimbledon ao lado do marido, Presidente Honorário do 'All England Lawn Tennis and Croquet Club'. Sempre teve uma especial atenção pelos derrotados e em confortá-los.

Esta mulher, mutatis mutandis, tem algumas semelhanças à vida de São Nuno Álvares Pereira. Acima dos seus graus de nobreza, puseram-se, despidos de títulos, ao dispor da Realeza Suprema, ajudando de corpo e alma os necessitados e, assim, atingir o mais elevado grau da inteligência: a humildade.
Partilhamos a paixão pela música, de resto ela é um ser mais rentável a Deus do que eu, embora procure diariamente superar-me neste âmbito, apesar das minhas enumeras falhas no decurso do Caminho.


Share |

Até os ateus...

Até os ateus estão a perspetivar de forma clara o que o Vaticano (II) não está. Porque será...?

É evidente que todos estes filósofos, apesar de não crentes, estão por bem, percebendo que o Cristianismo não se resume a uma religião, mas sim à grande e verdadeira revolução de humanismo e que foi modelo constante de viragem e progresso societário ocidental.

Estamos a morrer como civilização, seja pela ética ou pelos valores puramente universais

Share |

Criticismo

Quando criticares alguém, mesmo que indiretamente, sê objetivo, concreto e demonstrativo para mais tarde não existir arrependimento ou retratação, sendo as vantagens duas:

1.ª) Podes ser surpreendido, positivamente, por quem criticaste, por via de outras caraterísticas proveitosas desse alguém;
2.ª) Apenas pode resultar numa ampla confirmação e, pior, esse alguém, ainda vai mais negativamente além daquilo que criticaste.

Curiosamente, arrependo-me mais de alguém que elogiei de quem critiquei.

Share |

Amizade (des)encontrada

Por vezes, nuns casos, encontramos a amizade onde sequer imaginávamos possível e, noutros, a perdemos onde nunca contávamos.

Share |

Lema

«A melhor forma de fazer é ser.»

Lao Tzu, filósofo e poeta chinês.

Share |

SELECTION SOUNDZZZzzz!


Share |

Ouvido quando passava perto de uma chafarica

«Se um negro for de direita é branco (para a esquerda).
Se for de esquerda é, efetivamente, negro»

Share |

sábado, 3 de julho de 2021

CoroNation

 


Share |

Diante Deus e de mais nada

«Um homem só se ajoelha diante de Deus...que está acima dele, todos os outros homens são irmãos.»

D. Pedro V
In "A Alma e a Gente"


Share |

#AllLivesMatter (V)

Ninguém de fora diz a um (verdadeiro) português diante de quem ele se deve ajoelhar...ninguém!


Share |

#AllLivesMatter (IV)

O remate do Eder, por sua iniciativa, comove-me. Não quero nunca o tirar da minha memória.

O ajoelhar de punho serrado do Renato Sanches, por iniciativa alheia e conjugada, entristece-me e preocupa-me. Quero esquecer aquela imagem para sempre.

Share |

#AllLivesMatter (III)

Quando Portugal dava lições de verticalidade ao Mundo. Enquanto em 66 o nosso capitão e a nossa estrela maior eram negros, a Seleção inglesa, repito a inglesa, por exemplo, não tinha sequer um negro.
Sempre contra o racismo!
Fomos abandonados por quem nos protegeu em 66 e 16.
Apoio a movimentos terroristas, nunca.
Ao menos no passado, quando caímos, caímos de pé.
Chame on!


Share |

#AllLivesMatter (II)

Obviamente!

Dito por alguém que sentiu na pele os “punhos serrados” do marxismo.
Como católico, o Eng. Fernando Santos devia ter vergonha na cara de não ter, ao menos, se demarcado desta patetada dos esvaziados dos jogadores portugueses. Era seu dever esclarecer os incultos daquilo que estava em causa, antes de muitos fazerem algo que se arrependerão.
Uma vergonha total. Foram politizados…vai lá saber-se por quem…

Share |

#AllLivesMatter (I)

Os idiotas ajoelharam-se perante uma organização terrorista e incendiária, mas depois deixaram de fazer o que lhes competia que era ter respeito, fair play e desportivismo, uns pelos outros, enquanto colegas, em campo, quase se agrediam na segunda parte.
Façam o que vos compete, não inventem tolices, como muito bem alertou e se poutou a Seleção húngara.


Share |

Os comentários são reveladores e comoventes

«(...) amo o pobre, amo o rico, amo a todos no Senhor (...)»

Monsenhor João Maurício de Amaral Ferreira, numa das suas últimas Cartas.

Parabéns ao 'Olhar Povoacense' por este justo e objetivo artigo acerca dos 44 anos sobre o falecimento do meu muito prezado, estimado e querido tio. Ontem completaram-se 44 anos sobre esse fatídico dia, quando já era Reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo.

Este homem tinha quatro imperativos caracterizantes, os quais podem ter contribuído para o seu falecimento precoce, contudo, esses, eu sei, eram prioritários no seu conceito de missão, ou seja, sempre incessante em prol dos outros:

1 - Trabalhar, trabalhar, trabalhar...;
2 - Nunca propagandeava o que fazia (os resultados eram a sua meta, apenas);
3 - Nunca incomodava quem quer que fosse;
4 - Respondia que estava sempre bem (mesmo quando não estava, como na manhã do dia em que faleceu, por ataque cardíaco, já sentido sintomas de desconforto, respondeu à irmã que o amava: "não te preocupes comigo, está tudo bem".

Pax Christi ao meu tio João.

Post Scriptum: Como sobrinho fiquei especialmente tocado pelo testemunho do Sr. António Galhardo, na caixa de comentários no respetivo post do 'Olhar Povoacense', que passo a transcrever:

"Nunca já mais poderei esquecer este Homem com letra maiúscula . Além de fazer parte de minha infância , de quando regressei de África junto com meus camaradas, tínhamos prometido a Senhora Mãe de Deus antes de entrarmos em casa tínhamos de entrar na nossa Igreja. Por volta das duas horas da manhã quando a nossa Vila chegámos alguém foi acordar aquele grande homem e não só abriu a Igreja como acendeu todas as luzes como celebrou uma hora Santa !!! Que Deus o tenha a seu lado."

Share |

Obra édita a sua mãe

Fernando Pessoa evoca de forma sublime a Mãe Suprema, dedicando esta obra édita a sua mãe.

AVE-MARIA

À minha mãe

«Ave Maria, tão pura,

Virgem nunca maculada

Ouvide a prece tirada

No meu peito da amargura.

Share |

A sabedoria multissecular num só homem: o Rei

Na segunda-feira, dia 17 de maio p.p., num contexto, infelizmente, muito restrito, face ao cenário pandémico, tive a felicidade e a boa fortuna de ser indicado, por razões de protocolo e de melhor adequação do espaço (no reforço à defesa à Covid-19), de jantar, precisamente, ao lado do Herdeiro dos Reis de Portugal numa mesa de três pessoas. Deus assim quis.
Share |

A Escolha

Na disciplina de Português do 5.⁰ ano da minha filha houve a excelente ideia, da respetiva docente, para, cada aluno, realizar um trabalho de Expressão Oral sobre um escritor açoriano.

Neste âmbito, foi com orgulho que constatei que a minha filha, não optando pelos sempre óbvios Antero, Natália, Nemésio e outros dessa dimensão ou, então, por uns nomes, normalmente recentes e do momento (vulgo da moda), de cultura ou escrita lite, média e imediatista, muitas vezes tendenciosamente levados, a todo custo, por determinadas ideologias, editoras ou lóbis, ela, por sua exclusiva vontade, tenha escolhido o escritor, historiador e jornalista Ermelindo Ávila, homem que não fazia da escrita um meio para se promover, mas antes era a escrita que acabava promovida pela dedicação incessante que ele lhe impunha. Rigoroso no que escrevia, metódico na forma, disciplinado na prática sempre diária do exercício desta arte, meticuloso e sensível no seu amor ao Pico e às suas gentes e, sobretudo, honesto nos relatos que transmitia aos outros.

Enfim, uma mais que merecida escolha que, apenas, me surpreendeu pela especificidade e pelo refinamento de uma criança face ao vasto universo das popularidades e das mais fáceis e espalhafatosas opções que lhe podiam ter sido mais ágeis, mas sem nunca descurar da preciosa vantagem de saber que o escolhido além de ser um dos grandes vultos açorianos da escrita, o Sr. Comendador era, acima de tudo, um homem exemplar que continua a orgulhar qualquer açoriano pelo mundo inteiro.

Imagem - Rosto do trabalho escolar apresentado, cuja capa foi reproduzida de um dos livros da nossa biblioteca.

Share |

D. Amélia volta a Portugal

«(...)
Do povo, não sei o que pensar. Desde o momento em que cheguei que ocorre em massa, me aplaude e ovaciona, interrompe a passagem do carro que cobre com pétalas de flores. São muitos mais do que aqueles que saíram à rua para ver a duquesa de Bragança a caminho de São Domingos, são muitos mais do que aqueles que rodeavam Carlos ou Manuel nos dias das suas Aclamações. Beijam-me a mão, querem tocar-me e esperam-me nos lugares onde acreditam que vou passar. No dia em que fui ao Panteão, como não sabiam a hora, esperaram ao sol até me verem chegar. Por três vezes me virei ao subir a escadaria de São Vicente para lhes agradecer os «Vivas». Confesso que quase me desfiz em lágrimas ao voltar ao Dispensário e à Associação de Tuberculosos.
Não posso esconder que me emociona, que tenho o prazer da obra feita, que foi tão pensada e que se manteve a funcionar mesmo quando o país se desfez à sua volta. Quero acreditar que toda a gente que agora sai à rua entende que nos anos em que aqui vivi me empenhei e envolvi para que tivessem uma vida melhor, condições mais dignas. Quero crer, como quis durante todos estes anos, que o mal foi feito por uma minoria de políticos ambiciosos. Mas já não lhes aceno com a alegria com que um dia lhes acenei, aprendi à minha custa que num dia se grita morte ao rei, e no outro se lhe dão vivas.
Comovi-me no Panteão, mas não são os meus filhos mortos que procuro, mas sim os meus filhos vivos. E os meus filhos estão aqui nestas matas, nestas rochas, nestas memórias. Entre as folhas deste caderno ficam as pétalas de uma camélia branca e de uma cor-de-rosa, de pétalas duplas. De regresso a Bellevue, à minha salinha e às minhas fotografias, viverei de memórias…”»
Na fotografia está D. Amélia numa visita a uma escola.


Share |

A alegria...só em Monarquia!

Esta é que é a grande alegria de acreditar numa Chefia de Estado em Monarquia: nunca será de direita ou de esquerda e, muito menos, PARTidária.

Share |

A Monarquia Zulu


Como se vê, mesmo antes das discutíveis e antiquíssimas repúblicas gregas, é um fenómeno antropológico.


Share |

Dedicado aos (utópicos e perigosos) Ultra Liberais

O Tribunal de Contas já existe há 632 anos. Só isso, para terem em conta(s).

Share |

De caos em caos

Já não bastou o erro quase irrecuperável de termos feito um downgrade regimental, de Monarquia para república (como demonstram hoje os países mais desenvolvidos em IDH serem Monarquias), tivemos ainda a “besta”, Afonso Costa, que transforma Portugal numa ditadura terrífica, a I república torna-se um caos ingovernável, com consequências graves económicas e de segurança para os portugueses. Salvador?
Obviamente só é legitimado por aquela frase do povo à data e face aos factos: “Queremos Salazar”!

Não tendo a Carbonária, movimento italiano que deu o vermelho e o verde à bandeira da republica portuguesa, morto Portugal no dia 1/2/1908, hoje não teríamos tido, potencialmente, a horrenda I república, o Estado Novo, a III república de elevada corrupção, de boys e anti meritocracia, uma descolonização vergonhosa e maldosa para brancos e pretos e, eventualmente, teríamos, presentemente, uma “Commonwealth” portuguesa, sob chefia de Estados Independentes com o Rei de Portugal.

Enfim…hoje somos uma miséria de povo, sem orgulho nos nossos governantes e pedintes da UE.

Share |

Regime de nojo

«O sorriso do meu pai, a olhar para mim, já baleado...»

Depois das reformulações no respetivo Grupo, a 'Sábado', em especial, está efetivamente eclética, produzindo, a olhos vistos, e ao contrário de uns tempos atrás, artigos sérios e, sobretudo, muito corajosos.

À frente da 'Visão' no ranking até uma criança entende as diferenças na qualidade, mas quanto ao Expresso ...este que se cuide...


Share |

25 de Novembro

Como o 25/11 é que foi, efetivamente, o dia da Liberdade na III república, não dava, ao menos, para fazer dele feriado e usar um símbolo com tonalidade de paz e menos faccioso na cor?



Share |

FP-25

Estado Novo = 41 anos de vigência. Mortes (pela PIDE) diretas por uso de arma = 3. Justiça = Até hoje é julgado, sem sequer avaliarem, ponderada e equilibradamente, os benefícios que esse Regime objetivamente também teve.

FP-25 = 7 anos de vigência. Mortes diretas por uso de arma = 19 (incluindo um bebé de 4 meses). Justiça = Foram aministiadas pelo Dr. Mário Soares, enquanto movimento terrorista...algo similiar a 1910 após o arquivamento (ou melhor desaparecimento) do Processo do Regicídio...

Share |

Atualidade

A Assembleia Regional é, inequivocamente, o órgão que melhor tem funcionado desde da nova legislatura. Há muito que não se via o centro da democracia ser, efetivamente, o centro.

Realçava o papel do líder do PAN Regional que, ao contrário dos seus correligionários do Continente, tem tido a sensibilidade e a racionalidade de falar mais de humanidade/humanismo/humanos do que de animais.

Share |

Nação e noção

Esta III república, neo-venezuelana, já perdeu a Nação mas sobretudo a noção.

Share |

À Luz da Fé

«(...)
Nós estamos sempre cheios de confiança, sabendo que, enquanto habitarmos neste corpo, vivemos como exilados, longe do Senhor, pois caminhamos à luz da fé e não da visão clara.
(...).»

Epístola de São Paulo aos Coríntios 5,6-10.

Share |

Novo caminho à União de Freaks

A UE com as devidas adaptações à política e aos princípios seguidos é uma verdadeira Eurovisão, ou seja, um desfile de freaks e de ideias ocas, liderada por tecnocratas, fracos e que pouco sabem da vida real mais do que estarem num gabinete a prestarem vassalagem ao eixo franco-alemão.

Diz-nos a História que os ingleses sempre souberam se antecipar à própria História. O tempo dirá que o Brexit foi oportuno. Tenho quase a certeza a médio ou longo prazo.

Portugal apesar de viver da esmola alheia da UE, deveria repensar o seu posicionamento político-estratégico e procurar um modelo estruturado no Mundo da Língua Portuguesa como uma potencial União comercial e económica.

Share |

Inovação

«A inovação não se traduz sempre em bem social, mas o bem social pode ser acelerado pela inovação.»

David Packard, co-fundador da HP.

Share |

Responsabilidade Vs Irresponsabilidade

«Tudo quanto aumenta a liberdade, aumenta a responsabilidade.»
Victor Hugo (1902 a 1885)

VS

Tudo quanto aumenta a libertinagem, aumenta a irresponsabilidade.
In república portuguesa.

Share |

Mais Rei, menos roque

«Aqueles que imaginam os políticos como melhores Chefes de Estado, em relação a um monarca hereditário, deveriam conhecer mais políticos.»

Margaret Thatcher (1925-2013).


Share |

Utopias, regressem!

«As utopias voltarão porque precisamos de imaginar como salvar o mundo.»

Margaret Atwood, escritora canadiana.

Share |

Democracia, sempre uma aparência

«A ditadura perfeita terá as aparências da democracia, uma prisão sem muros na qual os prisioneiros não sonharão com a fuga.
Um sistema de escravatura onde, graças ao consumo e ao divertimento, os escravos terão amor à sua escravidão.»

Aldous Huxley (1894-1963)

Share |

A ameaça

«O disfuncionamento da justiça ameaça a paz civil.»

Gen. António Ramalho Eanes, in 'Nascer do sol'

Share |

SELECTION SOUNDZZZzzz! (II)


Made in Portugal


Share |

O uso da Vida

«Temos a opção de usar o dom da vida para fazer do mundo um lugar melhor ou então, e simplesmente, não nos preocuparmos.»

Jane Goodall, primatologista e antropóloga.

Share |

SELECTION SOUNDZZZzzz! (I)

 

Made in Portugal!


Share |

sábado, 19 de junho de 2021

Imagens de um reino desaparecido

Este é um muito interessante trabalho da penúltima Revista Sábado sobre espaços nas redes sociais que procuram divulgar a Monarquia.

De certo modo é um artigo que vem reconhecer o trabalho, o mérito e o esforço de muitos portugueses monárquicos que preconizam um melhor regime para o seu País, mais equitativo, mais justo, sobretudo mais imparcial, unificador e menos político-partidário.

Embora a presente publicação da Sábado seja um excerto para assinantes, recomendo vivamente que adquiram este exemplar pois, através dos depósitos dos fornecedores dos quiosques, ainda deve ser possível comprar esta revista.

O João Távora deu o seu bom contributo nesta aludida peça jornalística, com vista a aclarar um fenómeno que começa a ser cada vez maior, precisamente derivado àqueles que estão genuinamente determinados a melhorar Portugal pela sua Monarquia, a qual que lhe criou e que gerou este magnífico povo e cultura.

Share |

quinta-feira, 3 de junho de 2021

domingo, 2 de maio de 2021

O pai


Share |

«You're not alone Ma'am»

Esta foi frase foi manchete do Sunday Express.

Nota - Um dos melhores títulos/manchetes de imprensa que alguma vez li na vida, resume muita coisa: solidariedade, unidade, compaixão, respeito, sobreposição de valores superiores nos momentos necessários, etc.

Este título demonstra bem a diferença da imprensa, do tipo Regime, do sentido de Estado, não apenas dos políticos, também do povo em relação à sua estimada Rainha da Grã-Bretanha para, em comparação, com o nosso Portugal republicano. Mundos diferentes, mundos distantes, mundos à parte. Uma décalage civilizacional assombrosa desde 1910.

Imagem - Hello | Todos os direitos reservados.


Share |

Repúblicas, de uma em outra

Já não bastou o erro quase irrecuperável de termos feito um downgrade regimental, de Monarquia para república (como demonstram hoje os países mais desenvolvidos em IDH serem Monarquias), tivemos ainda a “besta”, Afonso Costa, que transforma Portugal numa ditadura terrífica, a I república torna-se um caos ingovernável, com consequências graves económicas e de segurança para os portugueses. Salvador? Obviamente só é legitimado por aquela frase do povo à data e face aos factos: “Queremos Salazar”!

Não tendo a Carbonária, movimento italiano que deu o vermelho e o verde à bandeira da republica portuguesa, morto Portugal no dia 1/2/1908, hoje não teríamos tido, potencialmente, a horrenda I república, o Estado Novo, a III república de elevada corrupção, de boys e anti meritocracia, uma descolonização vergonhosa e maldosa para brancos e pretos e, eventualmente, teríamos, presentemente, uma “Commonwealth” portuguesa, sob chefia de Estados Independentes com o Rei de Portugal.

Enfim…hoje somos uma miséria de povo, sem orgulho nos nossos governantes e pedintes da UE.


Share |

Esplanadas, ao menos

Procurando ajudar o setor da restauração, sem descurar da legítima prevenção das autoridades

Entendo que, pelos menos, os restaurantes, cafés, snack-bares e outros similares com esplanada ao ar livre, e respeitadas as distâncias previstas pelas autoridades de saúde nas mesas, deviam permanecer abertos.

Julgo excessivo um terminante fechamento generalizado. Já estamos há tempo a mais nisto para podermos analisar casuisticamente em prol da economia.

Ver este vídeo, como fundamento sustentável.

Share |

O dia verdadeiro

Como o 25/11 é que foi, efetivamente, o dia da Liberdade na III república, não dava, ao menos, para fazer dele feriado e usar um símbolo com tonalidade de paz e menos faccioso na cor?


Share |

"Falta cumprir abril" | Ainda!? | Nunca se cumprirá, nasceu torto

A frase "falta cumprir abril" é frequentemente ouvida quando as coisas não correm bem. O problema é que, factualmente, as coisas nunca correram bem desde 25/4/1974.

Depois vem ainda outro argumento desculpante: "ainda somos uma democracia jovem". Ou seja, já andamos nisto há quase 50 anos e continuamos "democraticamente jovens", com uma Constituição só para alguns, que apenas dá direitos (sem deveres) e impõe restrições sedimentadas em falsos pressupostos aos demais portugueses que são excluídos por ela.

Ora, 50 anos é muito tempo, a I república durou 16 anos e a II 41. Apesar de ser monárquico e, à semelhança dos países mais desenvolvidos em IDH, querer um regime monárquico, algo é inequívoco: esta III república está em agonia, descredibilizada, nas mãos de um sistema partidário que despreza o País e os portugueses, enfim, um sistema completamente falido que sempre assentou nos amiguismos (cujo o nome disto todos sabemos qual é...) e nunca no mérito. Falam da falta de liberdade na II república, mas não falam na falta de aposta na meritocracia na III, que ao menos na II existia, a começar pelo exemplo máximo do próprio Presidente do Conselho. Francamente tenho dificuldades em saber o que será menos mau, mesmo porque um sistema de boys, de pregadores de cartazes e onde impera a mediocridade, não será uma prisão, ou seja, uma espécie de ditadura?

Sinceramente não vejo qual é a dificuldade em mudar o regime, até a tão exemplar França para o republicanismo português já vai na sua V república. Para mudar o regime e criar uma nova Constituição, não é necessário haver uma revolução, basta que o povo queira, como aconteceu em Espanha que fez um referendo, a 15 de dezembro de 1976, para escolher a sua atual Monarquia ou em França, cuja Constituição da V república foi aprovada por referendo em 28 de setembro de 1958.

Meus caros, vamos a isso! Terminemos com a já moribunda III república portuguesa e avancemos, sem receios, em frente com uma nova Constituição e com um novo e mais atual regime, realmente plural, que nos retire o sempre presente estigma de estamos em crise, de que precisamos do FMI para corrigir os erros dos políticos miseráveis que elegemos com índices de 50% de abstenções e em que andamos todos numa lógica de depressão coletiva e sem alegria e orgulho no nosso País e nos nossos governantes.


Share |

Cansaço

Estamos numa fase em que poucos não estão a alcançar a sua verdadeira dimensão (...ou não querem), a qual é passar-se de uma justiça técnica e forense para uma mais, como assim dizer, "pelas próprias mãos", popular ou como queiram chamar. Não apenas nas redes sociais, algo mais musculado...eventualmente... 

Desde do afastamento da Dra. Joana Marques Vidal e do Juiz Carlos Alexandre, a justiça dos lóbis e do antigamente desta III república ficou despida aos olhos de todos. Lenta, burocrática, complexa, confusa para os cidadãos, labiríntica, lobista, com demasiados recursos, capelas e capelinhas.

O povo esta cansado do atual sistema político. Algo novo emergirá, já não há dúvidas.


Share |

O tuning jurídico

Imaculadamente sem incluir o Dr. Pedro Passos Coelho, único Primeiro Ministro que reconheci estatuto e nível de Estado para esse cargo que desempenhou, de certo modo é compreensível o despacho instrutório de ontem, porquanto o bloco da governança entre 74 e 21 começa a estar, verdadeiramente, encurralado e a entrar num beco sem saída: é defender Salgado e Sócrates que muito sabem...ou a queda do regime por partidos novos, com linguagem concisa e objetiva e, consequentemente, nova Constituição, bastando de remendos, pois a CRP da III república já parece um tuning jurídico.


Share |

(In)Justiça

Questões de "forma" levarão, a trecho, a um novo formato político e constitucional de Portugal.

Essa realidade já esteve mais longe. A impunidade não pode continuar, o Regime está absolutamente apodrecido.

Até um cego vê isso.

Share |

O que somos, nunca é tarde

«Nunca é demasiado tarde para sermos aquilo que devíamos ter sido.»

George Eliot

Share |

2 vidas

«Um homem tem duas vidas e a segunda começa quando ele se apercebe que só tem uma.»

Dito por um ex-dirigente da ONU

Share |

Paixão

«Uma pessoa com paixão é melhor que quarenta pessoas simplesmente interessadas.»

E. M. Forster

Share |

Deixe-as

«Não diga às pessoas como fazer as coisas; diga-lhes antes o que há a fazer e deixe-as surpreendê-lo com os seus resultados.»

A sugestão é do famoso general George S. Patton Jr. e foi proferida em plena Segunda Guerra Mundial.

Share |

Nunca!

«Nunca desperdice uma boa crise.»

Winston Churchill

Share |

Poema: "O Pássaro"

«O pássaro canta.
Ninguém agradece.
Mas eu agradeço»

Poema – Autor: Manuel Sebastião de Almeida de Carvalho Daun e Lorena, atual e 9.º marquês de Pombal, 12.º conde de Oeiras e 8.º conde de Santiago de Beduído.

Share |

SELECTION SOUNDZZZzzz!


Made in Portugal


Share |

sábado, 3 de abril de 2021

Cinema 2019 e 2020


Como sempre, e para aqueles que me conhecem melhor, as férias de 2019 e 2020 foram aproveitadas para colocar em dia alguns filmes.

Por razões de estreita agenda, pessoal e especialmente profissional, nestes dois últimos anos, apenas foi-me agora possível compilar aqueles que pretendia ver, e vi, pré-selecionados.

À semelhança dos anos transatos, aqui deixo a seleção vista em 2019 e 2020:
Share |

Monarquia acima de tudo

Um verdadeiro Rei nunca deve impor-se como tal, por isso ser aclamado. Esta é a ancestral magnitude de algo maior do que a democracia, porquanto legitima, unifica, é transparente (pois não há cá papeis dobrados em caixinhas) e há um elo de confiança estabelecido entre o povo e o seu monarca, ou seja, o seu País personificado. É sobretudo por isso que uma Monarquia está num patamar regimental acima de uma república.

Todavia, ao mesmo nível desse antigo aspeto, um Rei deve ser um líder e para isso deve fazer por merecer esse estatuto (ex. D. Afonso I, D. João I, D. João IV, D. Miguel I) e, assim, receber o devido reconhecimento de todos e, inequivocamente, legitimar, com naturalidade e generalidade, a aludida aclamação. Entre algumas vias para se evidenciar essa qualidade, por vezes, uma simples devolução de reconhecimento a alguém, seja singularmente ou institucionalmente, é uma forma singela de atingir aquele mesmo reconhecimento e, simultaneamente, mobilizar as tropas...para usar uma linguagem militar.

Dizia Paiva Couceiro: "acima do Rei, está a Monarquia".



Share |

Um Homem, um Líder

Com uma boa vontade séria, uma visão positiva acima dos problemas, os aplausos genuínos de todos, sejam monárquicos ou não, são instintivos, surpreendendo mesmo aquele que com eles não contava, pois apenas procurava falar, como sempre fez, do fundo da sua alma brasileira em prol do seu povo.

Share |

Rainha Charlotte


Charlotte foi Rainha de Inglaterra, e há até uma série sobre ela na Netflix.

Ou seja, muito antes da alpinista da Megan vir usar, inqualificavelmente, o nome do seu filho bebé, como vitimizando-o por este poder vir a ser negro no seio da Família Real Inglesa, já corria, naquela família, sangue negro...que curiosamente é vermelho para toda a humanidade.

Aliás, foi feito anos atrás um TV filme sobre o 'acasalamento' dos (futuros ex) Duques de Sussex, e no final da película é referenciada a Rainha Charlotte como algo positivo e como motivo de orgulho Real, num diálogo entre a Rainha Isabel II e a atriz de filmes e séries de classe B e, ao que parece, à data, não houve problema algum nem queixas...

Francamente.

Share |

Monarquia é no feminino


Em república hoje, tão liberal, cada vez mais feminista, tal como a França inspiradora, teve/tiveram alguma mulher nesse mesmo posto?

Share |

Crise, crise, crise

Nascido na presente e, ainda, vigente III república, essencialmente, prevalecem realidades, nomeada e recorrentemente, tais como: "crise", "cauda da Europa", "cunhas", "corrupção" e "abril".

É preciso um desenho para entender que este regime não serve? De que está decadente? De que a Constituição está obsoleta?

Share |

Fulcral e de uma verdade imaculada

Sem por nem tirar. Quanto mais tempo passa, mais se dimensiona a qualidade e a importância de Reagan.

Share |

Moçambique 2020-2021

Algumas notas:

1.a) Não vejo hoje, por lá, nenhum terriiiiivel ditador português colonialista;

2.a) Vejo mortes terríveis, mas ainda muito longe dos horrores e dos massacres cometidos, pela UPA, em Angola, nos anos de 60 e 61, contra brancos e negros portugueses...incluindo bebés;

3.a) Não vejo a comunidade internacional suficientemente preocupada como quando havia mortandarte em território português e nós fomos defender inocentes de sanguinários;

4.a) Não vejo tropas, nem tão pouco internacionais, para defender, com celeridade, "our boys", como disse e fez Thatcher aquando do incidente das Malvinas...mas isso já foi um ato democrático...

5.a) Mas o que não vi nem irei ver é um "rapidamente e em força"...pois estão mais preocupados com a Covid-19. Entretanto as mortes, essas, continuam impunes.


Share |

O anti fascista

Salazar foi autoritário, contudo, por não ser de esquerda nem liberal…

Rolão Preto, esse radical fascista, que propôs (para não dizer que tentou impor) o Fascismo na Constituição de 1933, apenas travado por Salazar, ressabiado, como um cão raivoso fascisante, acabaria, na senda daquela corrente italiana de origem popular, por criar a Oposição Democrática e, depois, o Nacional Sindicalismo para opor-se ao ex Presidente do Conselho.

Devemos todos agradecer a Salazar por nunca termos tido Fascismo em Portugal!

O que vale é que no calor do PREC, e para enganar o Zé Povinho, ficou consagrada a proibição àquela ideologia italiana que nunca existiu em Portugal.



Share |

Vaticano II

Legado

Tornarmo-nos uns mansos e, de dia para dia, estamos a perder estatisticamente tudo em termos institucionais católicos: padres, freiras, fiéis, congregações, etc.

Cristo

Evangelho de hoje, segundo João (Jo 2,13-25)

«Estava próxima a Páscoa dos judeus e Jesus subiu a Jerusalém. No Templo, encontrou os vendedores de bois, ovelhas e pombas e os cambistas que estavam aí sentados. Fez então um chicote de cordas e expulsou todos do Templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas. E disse aos que vendiam pombas: “Tirai isso daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!” Seus discípulos lembraram-se, mais tarde, que a Escritura diz: “O zelo por tua casa me consumirá”. Então os judeus perguntaram a Jesus: “Que sinal nos mostras para agir assim?” Ele respondeu: “Destruí este Templo, e em três dias eu o levantarei”.»

Pintura - El Greco.


Share |

Lilianismo Caneças

«O Capitalismo é exploração do homem pelo homem.
Já o Comunismo defende o contrário».

Share |

Há que experimentar e falhar

«Há que experimentar e falhar, dando oportunidade a que outras coisas aconteçam.»

João Roquette

Share |

Um eufemismo, só isso

Liberalismo é um eufemismo de Libertismo, longe de um sinónimo de Liberdade.

Share |

SELECTION SOUNDZZZzzz!

 

Em português


Share |

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

Eastern Asia...

Este tweet marca o início das relações do Ministério dos Negócios Estrangeiros Português, europeísta, obviamente, com a Administração Biden, ou seja, prioridades com interesses na “Eastern Asia”, ou seja, o mesmo que dizer, pouco disfarçadamente, na China!

Percebem agora porque Trump tinha de cair depressa, sem descurar, embora, que em recente sondagem, foi considerado o homem mais respeitado pela maioria dos americanos?

Com Biden, esse político que só depende da política, iniciou-se o fim dos EUA como a maior superpotência. Trump era (e ainda pode ser) a última via para uma sociedade, verdadeiramente, livre.

Share |

domingo, 14 de fevereiro de 2021

Dignificar separadamente o ensino Regular do Profissional

Um dos aspetos que mais admiro numa pessoa é a coragem, pois, na minha opinião, é sinónimo de caráter.

Num político essa qualidade tem um valor exponencial.

A Dra. Sofia Ribeiro, especialista na pasta que governa, coisa rara nos últimos governos que temos tido, teve a coragem de dizer que: "O Rei vai nu", neste âmbito.

Sem prejuízo de matérias que não correram mal ao anterior executivo, a Educação é sem dúvida uma das que mais precisa de organização, de séria reforma e de muita coragem política para que, a montante, tenhamos uma sistema regional educativo exemplar.

Pelas suas amplas qualidades, a Dra. Sofia Ribeiro, precisará de todo o apoio, interno e intergovernamental. Na minha opinião aqueles que estiverem dispostos a melhorar a Educação nos Açores, e inerentemente auxiliar a Secretária da Educação, podem ter a audácia de almejar tornar a área numa referência nacional. Esses são bem vindos. Os que não a quiserem ajudar, arranjam-se outros dispostos a dar tudo por essa missão. Conheço muitos na área e que respeitam o trabalho da Secretária e têm-lhe merecido respeito.

Há que, sem descurar de todos os detalhes que possam ser mensurados, encarar o ensino regular, público ou privado, com toda a especialização inerente, sempre na sua verdadeira ótica de continuação académica, ou seja, de natureza mais científica do que prática. Este é que é o busílis que foi criado pós 25/4 e que tem havido pouca coragem, nacional e regional, para o desmontar.

Paralelamente, para motivar a economia, tal como já acontece nos países nórdicos desde dos anos 60 e 70 (caso dos eng. técnicos mecânicos na elevação, por exemplo, da marca Volvo), criar um sistema de formação e de qualificação profissional que dignifique o ensino tecnológico como algo primordial para gerar produção imediata e qualificada. Além disso, há que ter em atenção os limites da concorrência desleal do público sobre o privado, eventual e consequentemente mais autonomia para este último setor.
A tutela regular da área da Educação, a formativa, quiçá deveria ser transposta para a área da Qualificação Profissional. Melhor distribuição, melhor especialização, maior qualidade nos resultados para os jovens açorianos.

Sem descurar do excelente resultado das escolas industriais antes do 25/4, neste sentido até o insuspeito José Sócrates reconheceu, em 2010, que o ensino profissional está pior que no tempo do Estado Novo. A proposta do anterior regime era muito mais correta, dignificante e, sobretudo, produtiva para o País e para as suas Regiões.

O Programa Formativo de Inserção de Jovens (PROFIJ), se não puder ser integrado definitivamente na esfera da Qualificação Profissional, ou adaptado noutra mediada similar sob esta nova alçada, deveria ser extinto. Este programa é sim a maior manta de retalhados existente.


Share |

sábado, 13 de fevereiro de 2021

Being There

Recentemente, na RTP 1, fui drasticamente surpreendido por um filme tocante e brilhante, de 1979, realizado por Hal Ashby, com interpretações excecionais de Peter Sellers, Shirley MacLaine e Melvyn Douglas.

Estruturalmente, este inovador e tocante filme, aborda a hodierna essência apodrecida da sociedade humana, ou seja, a ganância, a ambição do poder pelo poder, o amiguismo e os interesses de sociedades secretas terríficas que nos controlam, sabendo o argumento de Jerzy Kosinski dizer, de uma forma arguta e muito corajosa, que, apesar de tudo, todos têm redenção e que os "pobres" na linguagem das Escrituras, não são, efetivamente, como sempre defendi, apenas os do prisma económico, mas acima de tudo os perdidos de espírito na Verdade.


Share |

O Rei / The King

Devo confessar que este filme, de 2019, produção da Netflix, surpreendeu-me.

Inicialmente não ia vê-lo com muito entusiasmo, mas fui, inversa e positivamente, confrontado com um bom filme.

Trata a vida de Henrique V de Inglaterra, monarca que também foi uma personagem shakespeariana, o mesmo que invadiu e foi declarado herdeiro e regente de França pelo tratado de Troyes.

Uma realização muito conseguida por David Michôd, mas muito mais que bem conseguida, mesmo excelente e surpreendente, interpretação de Timothée Chalamet como 'Henry V'. Uma carreira a acompanhar com atenção.

Imagem - A Coroação do Rei de Inglaterra, como Henrique V.


Share |

Contágio

Este filme, de 2011, de Steven Soderbergh, tem demasiadas semelhanças com a realidade da Covid-19 de 2020...



Share |

'Brasil Imperial'

Uma interessante série da Amazon Prime Vídeo que, acima do baixo cachet e de alguns, consequentes, pormenores na produção, tem uma estrutural seriedade no argumento.

Em reforço disso mesmo, ressalta à vista uma abordagem não simplesmente malévola da Rainha Carlota Joaquina, caraterística muitas vezes injustamente lhe atribuída.

As semelhanças fisionómicas da então Princesa Espanhola de Bourbon e futura Rainha de Portugal, são amplamente conseguidas.

Ganhou o trabalho com esse (novo) prisma dado a uma Rainha que, sem ser feminista, antes tradicionalista, soube enfrentar e se impor destemidamente a muitos homens como Mulher.


Share |

Ténis de Deus

«Jim : I was dreaming about God.
Mother : What did He say?
Jim : Nothing.
[smiles]
Jim : He was playing tennis.»

Empire of the Sun (1987) - Christian Bale as Jim - IMDb


Share |

Profético, de facto existem mentes que são prodigiosas


Share |

Separação de poderes, mas...

Os que procuram seguir Deus não têm de acreditar na democracia, têm de acreditar no mais puro Cristianismo.

Share |

A imposição de Deus

Nenhum homem deve impor o seu Deus, senão a si mesmo.

Share |

Ateísmo em dúvida

Não gosto do personagem, mas isto é bonito:

«Quando ouço Amália duvido do meu ateísmo.»

Pedro Marques Lopes, há pouco no 'Eixo do Mal'.

Share |

Aborto - O corpo vai... mas a vida resplandece, multiplica-se e brota a eternidade da luz

Umas mulheres dizem que é um direito sobre o seu corpo para justificar a morte de um ser humano intrauterino de vontade alheia.

Outras arriscam o seu corpo (e por vezes a vida) para proteger e dar primazia a um ser humano intrauterino inocente e absolutamente indefeso.

Uns podem achar mais importante, civilizacionalmente, o primeiro cenário. O segundo não acho importante, acho absolutamente admirável e de uma dignidade humanista suprema.


Share |

Direito à vida

Quando foi do diploma da exterminação de seres humanos intrauterinos, os liberais lá conseguiram, sem revisão, aldrabar a Constituição e (... qual célula em Marte) considerou-se que um feto não é "vida". Logo... foi possível uma lei para matá-los.

Agora que já não são fetos, são vidas plenas, como vão ultrapassar a Constituição sem alterá-la? Marcelo, sobretudo como constitucionalista, tem a obrigação de mandar esta lei da eutanásia para o Constitucional e quero ver se esta instância a deixa passar.


Share |

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

«Depois de Vós, Nós» (El-Rei D. Manuel II de Portugal, 1909)

«Go on, palavras D'El-Rey!» (El-Rei D. Manuel II de Portugal)