Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

O Império | A Globalização | Os Negociantes

O que mais nos caracterizou enquanto portugueses, enquanto Monarquia, foi a criação de um Império comercial. Esta realidade passada gerou, inclusivamente, no presente, uma tese doutoral (um Professor de Guimarães) que demonstra que fomos nós, e não os americanos, que criamos o conceito de globalização. Até ao norte-americano, todos os impérios “comércio marítimos”, subsequentes ao nosso modelo, foram “copy pastes” do português.

Sem recorrer sequer à realidade dos nossos dias, em que somos improdutivos em república, e vivemos das esmolas da Europa, cada vez mais desprovidos de autodeterminação e soberania, somos hoje uns fracos “negociadores”, fomos perdendo aquilo que angariamos em Monarquia (e já nem falo do pacote de privatizações que por aí vêm para “leiloar”).

Até 5-10-1910 tínhamos um Império territorial e, ainda num embrionário constitucionalismo monárquico, já D. Carlos e seu filho D. Luís Filipe tratavam de ver África como futuro…um futuro à maneira deles: plural, democrático, respeitador, prosperamente sinalagmático.

Após aquela data, e com a “expansionista” república, de que somos hoje herdeiros, começamos por perder por ausência de ponderação, com as terríveis consequências conhecidas para ambos os lados, Goa, Damão e Diu (1960) no governo de Salazar; Perder por ausência de ponderação, na sequência do 25 Abril de 1974, todos os territórios africanos e Timor; Perder por ausência de ponderação, na “magistratura de Jorge Sampaio, em 1999, Macau; E quanto à Madeira…nunca vi falar-se tanto em Independência da forma que se tem falado desde da última semana.
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!