Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sábado, 8 de junho de 2013

Ordem de Malta, 900 anos festejados nos Açores de azul e branco

Fotos - PPA

Dois dias após o 6 de Junho e dois dias antes do Dia de Portugal e das Comunidades, realizou-se, hoje, a investidura de cavaleiros da Graça Magistral da Ordem Soberana e Militar de Malta, em cerimónia que decorreu na Igreja de São José, em Ponta Delgada, presidida por Sua Exa. Reverendíssima, o Bispo de Angra e Ilhas dos Açores. Esta é uma Ordem católica e monárquica. Esta Ordem é mais antiga que Portugal. 

Na cerimónia estiveram presentes as autoridades da Ordem Soberana e Militar de Malta, acreditadas diplomaticamente em Portugal. 

Entre os convidados estiveram presentes, na cerimónia litúrgica, membros das Casas Reais Portuguesa e Francesa, nomeadamente: Suas Altezas, D. Miguel - Duque de Viseu e Suas Altezas Reais - Os Príncipes Charles-Philippe Marie Louis d’Orléans - Duque de Anjou e D. Diana de Cadaval d’Orléans – Duquesa de Anjou e Duquesa de Cadaval. 

Estiveram também presentes as autoridades militares, civis e religiosas dos Açores, bem como diversos convidados da sociedade civil.
Entre as 14h00m e as 15h45m, estiveram no Campo de São Francisco vários grupos tradicionais de folclore, grupos académicos e sinfónicos para animar o evento. 

A cerimónia teve início às 15h45m, com a saída de todos os Cavaleiros, do Portão do pátio nascente do Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres (onde sai a imagem na Mudança), com destino à Igreja de São José, ao som da Banda Sinfónica da Ilha de São Miguel. Engrandeceram e distinguiram ainda o evento, além da aludida banda sinfónica, o Coral de São José e a Fanfara da Zona Militar dos Açores. 

Tratou-se de uma cerimónia de grande importância para aquela Ordem que decidiu festejar o ponto mais alto e emblemático das comemorações nacionais, dos seus 900 anos, nos Açores, entre açorianos…quiçá por sermos o último reduto oficialmente azul e branco. 

A interligação monárquica e as cores desta Região não são mero simbolismo, são laços indesmentivelmente efetivos, não tivesse a organização sido um sucesso e a dignidade da cerimónia sem paralelo em alguma coisa que tenha visto num passado recente. Pela elevação, parecia que tínhamos voltado a ser uma Monarquia. 

A soberana Ordem de Malta também soube reconhecer esse acolhimento açoriano, tendo, e muito bem, atribuído distinções ao Governo Regional dos Açores na pessoa do seu Presidente, o Dr. Vasco Cordeiro, que foi pessoalmente distinguido na cerimónia, à Assembleia Regional na pessoa da sua representante, também presente, ao Sr. Presidente da Câmara de Ponta Delgada e a José Pracana, conhecido músico e indubitável patriota, entre outros. 

A cerimónia contou ainda com altas individualidades açorianas que, com a sua presença, elevaram o evento a um patamar distintivo, entre outros, o ex-Presidente do Governo Regional dos Açores, o Dr. João Bosco Mota Amaral. 

Foram investidos cavaleiros, entre outros, os açorianos Eng. António Costa Santos e o meu M.I. colega o Dr. Paulo Albergaria Botelho de Gusmão. 

Por fim, gostaria de agradecer o amável convite que me foi dirigido e dizer que tive muita honra em comparticipar com a minha presença.
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!