Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Nova e refrescada

No início do reinado de Victoria de Inglaterra os caminhos seguidos não estavam a ser os melhores, dadas algumas tradições supérfluas e dispendiosas. O motivo dessa realidade devia-se ao enorme peso da Monarquia inglesa e à inexperiência da Rainha visto que a sua preparação, pelas razões historicamente conhecidas, nem sempre foi dada como consumada para aquele fim.

Porém, após o seu casamento com o príncipe germânico Alberto de Saxe-Coburgo-Gota, tudo mudou. Daquela união sólida e de um verdadeiro amor conjugal, acontece algo muito interessante.

O recente e fresco aprendiz de monarca, Alberto, cuja família dava naquela fase inúmeros membros de topo às monarquias europeias, como da então recente monarquia belga, da monarquia portuguesa e da inglesa, veio ele, curiosamente, injectar de novo os princípios básicos de como se reina. Foi o sobrinho do mui recente Rei belga, que regenerou o ancestral reino inglês. Desse casamento, e da sua harmonia a dois, resultou um contagio para aquele pais do qual nascia uma Inglaterra próspera.

O mesmo pode hoje acontecer em Portugal. Conforme escrevi há tempos (1|2), a nossa Monarquia não morreu. Ela está viva. Não cega, antes bastante atenta às realidades circundantes, mais perspicaz, mais objectiva. O tempo de resguardo trouxe-lhe ainda mais qualidade(s). Virá como nunca a viram, para restaurar Portugal.

Que sejamos, uma vez mais, inovadores e progressista e tornemo-nos num País que determinou recuperar a sua Monarquia, demonstrando àqueles que as perderam que a república é e foi meramente uma moda, mas uma moda que infligiu graves danos no panorama mundial. Portugueses, tenhamos essa braveza e determinação de sentido único.
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!