Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Quem assassinou Sissi?

Vinha assim na página 25 do Público de 20-4-2012:

«Breivik admite que ataque à ilha de Utoya foi “plano B”

Terrorista planeava detonar três bombas em Oslo e decapitar antiga primeira-ministra Gro Harlem Brundtland

O extremista Anders Behring Breivik pretendia fazer explodir três bombas para destruir as sedes do Governo da Noruega, do Partido Trabalhista, que compõe a maioria parlamentar, e ainda o Palácio Real em Oslo. Mas, ao constatar a dificuldade em fabricar os engenhos para provocar o grau de destruição que planeara, decidiu avançar com um “plano B”: um ataque a tiro, para o qual se treinou intensivamente praticando jogos de guerra.
(…)»
Anders Behring Breivik maçónico, extremista e republicano, tentava atacar a Casa Real…curiosamente a Monarquia que representa o País mais desenvolvido do planeta. Além disso, queria “decapitar antiga primeira-ministra Gro Harlem Brundtland”.

Há 101 anos também foi assim em Portugal. Hoje, sem consulta democrática, vai prevalecendo a “legitimidade” da força, a "legitimidade" das armas. Foi assim em 5-10-1910, foi assim em 28-5-1926 e foi assim em 25-4-1974. Ficamos a aguardar a próxima?

Conforme referia há uns tempos é factualmente inegável, implantadas as democracias constitucionais ocidentais, a proliferação do radicalismo republicano…ainda hoje. De focar que as rotineiras revoluções republicanas que pensávamos só terem existido num ou noutro país da Europa no séc. XIX ou XX, nos países da América latina, África ou Árabes, afinal, continuam a manifestar-se nas mais evoluídas civilizações, caso da Norueguesa com Breivik. Afinal, quem assassinou Sissi? Afinal, quem assassinou D. Carlos I? Afinal, quem assassinou o Príncipe Real D. Luís Filipe? Afinal, quem  assassinou o arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do Império Austro-Húngaro? Afinal, quem assassinou os Romanov? Afinal, quem assassinou Mahatma Gandhi? Afinal, quem assassinou Kennedy? Resposta: Os filhos das repúblicas.

Napoleão, Hitler, Lenine, Estaline, Kadafi, Saddam, Bashar al-Assad, etc, etc, etc, tinham/têm um claro aspecto em comum: republicanos. Dito de outra forma, defendiam a republica…só assim chegaram ao ponto a que chegaram.

Eu não quero mais viver numa república, mas sobretudo quero que a república me dê o direito de poder escolher abertamente o regime que julgo ser melhor para os meus filhos. Quero que eles (bem como os filhos dos outros) tenham a alegria que nunca senti neste domínio formal.
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!