Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Monsenhor João Maurício de Amaral Ferreira

Monsenhor João Maurício de Amaral Ferreira tem hoje uma escola, rua(s) e outros meios a evocar o seu nome. Merecido e mais que justo, digo eu. Todavia, sou suspeito e pessoa ilegítima para o afirmar, pois estimo o meu falecido tio-avô. Mas digo, contudo, a verdade…como muitos sabem. 
Homem que morreu, literalmente, nos braços do trabalho pelos outros. Escondia as fragilidades que indiciavam a perda da vida, para se mostrar sólido perante o serviço público, ao serviço do seu povo. Homem que sem os mesmos meios e fundos de hoje, construiu com toda a tenacidade, sempre em prol daqueles à sua guarda, infraestruturas físicas e humanas que ainda hoje são a referência de muitos no ensino, maxime o ex-Externato hoje Escola Básica e Secundária da Povoação que, presentemente, ainda conserva um recorte arquitectónico fresco e actual. 
Já em Ponta Delgada, por nomeação do Bispo para Reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo, estendeu a todos os devotos do Senhor Santo Cristo dos Milagres espalhados pelo mundo, a passagem da noite com a imagem (antes interdita) do Ecce Homo
O Monsenhor teve pouquíssimo tempo nesse cargo pois perderia vida meses depois, mas deixou uma forte marca. 
O orgulho não é bom, mas por este bom homem não consigo evitar de deixar senti-lo.
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!