Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Mas porquê aquele quadro ainda ?!

Estavam a fechar os trabalhos da Comissão de Ética, na Assembleia da república (AR), sobre o alegado plano do Governo para controlar a comunicação social, quando o Canal Parlamento, por intermédio do seu realizador, decide fazer uns (interessantes) planos de pormenores escultóricos e alguns pictóricos constantes daquele local de democracia. Numa dessas passagens de realização, aparece um grande plano do Escudo Real de Portugal, em talha dourada, no cimo da moldura do enorme quadro de El-Rey D. Luís I, pintado por José Rodrigues, numa das zonas mais nobres do Parlamento.

Entretanto, veio isto à memória (ver especialmente de 4m36s a 6m03s):

Neste contexto, e por maioria de razão (pura lógica...portanto), formulam-se as questões: Mas então qual o porquê daquele quadro ainda se encontrar num ponto nobre da AR? Porquê os símbolos alusivos à Monarquia? Mas hoje não é um todo republicano?! Porque não recorrem aos seus próprios símbolos...se os têm? Não foi a Assembleia submetida a obras profundas, após 1910, para "limpar" todo o passado que, ao contrário dos últimos 100 anos, nada deu a Portugal?! 
Porquê, porquê?! Porquê manter o quadro de D. Luís em destaque? Para lembrar a coesão entre os portugueses?  Segundo o pensamento republicano, não será certamente... 
Coerência é o que tem vindo a faltar a Portugal...



Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!