Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sábado, 1 de outubro de 2016

"Some may say I can't sing, but no one can ever say I didn't sing”*

Aqueles que me conhecem melhor sabem da minha cinefilia e que tenho o hábito de selecionar/concentrar nas férias, por razões de maior disponibilidade e adequação, os filmes que quero ver.

Nas férias deste verão um dos que vi foi Marguerite, um filme franco-belga-checo, realizado por Xavier Giannoli e escrito por Giannoli e Marcia Romano.

Mais recentemente, tive conhecimento da última longa-metragem de Stephen Frears, com Meryl Streep e Hugh Grant. Foi inevitável a comparação entre esse seu novo filme e o que vi em férias, pois ambos reportam-se a uma personagem do canto lírico…com componentes vocais impossíveis de serem esquecidas. Embora em Marguerite houvesse aquela menção inicial de que o filme “era baseado numa história verídica”, o de Stephen Frears é mesmo uma biografia cujo o título é o nome da biografada, todavia o contexto não indicava haver um paralelo claro entre ambos. Passam-se em países diferentes – França e Estados Unidos e os argumentos não são exatamente coincidentes. Seriam duas mulheres? Talvez.

Contudo a resposta é esta: ambos os filmes inspiraram-se na mesma pessoa, em Florence Foster Jenkins*.

Não posso dizer que Marguerite se trate de uma obra-prima, longe disso. Contudo é um filme a ver, uma boa comédia dramática, servindo, sobretudo, para entender o quanto é precioso nunca descurar de um sonho e de fortificar a vontade, mesmo que para isso se enfrente o mais difícil e terrível dos obstáculos: o limite do ridículo.

Mesmo sabendo que, comparativamente, o canto de Jenkins fazia da nossa estimadíssima Natália de Andrade uma soberba cantora lírica, todavia, e por outro lado, a fama de Lady Florence ainda hoje perdura, bastante mais vigorosa que muitos excelentes cantores da sua época e que tal não aconteceu, como todos sabemos e concluímos, pela sua (bela) voz.


Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!