Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sábado, 14 de novembro de 2015

Obrigado Dr. António Costa!

Poucos acreditarão que aquilo que irei proferir é desprovido de ironia, mas quero agradecer ao Dr. António Costa pelo que concretizou no Parlamento no passado dia 10 de Novembro. Todos sabem que a minha maior aspiração de regime (e de cariz não partidário) é restituir o Trono de Portugal a quem de direito. Contudo, e como é amplamente sabido, não foi isso que aconteceu naquele dia. Aconteceu, porém, a minha segunda maior aspiração: o fim do centro político em Portugal e a definição clara para o futuro entre a esquerda e a direita. Quis a história que fosse António Costa o responsável por esse ‘upgrade’ democrático, o mesmo que deverá gerar, pela postura assumida perante todos, novas forças de direita que há tanto careciam de existir para que se estabelecesse um verdadeiro equilíbrio democrático em Portugal.

A forma como António Costa criou aquele fosso, levou muitos, na imprensa, na blogosfera e nas redes sociais, a usarem epítetos políticos, relativamente ao líder do Partido Socialista, tais como: “usurpador”, “cínico”, “ambicioso", "arrogante", etc. Não julgo ser correcto ir por esse caminho …é obviamente deselegante. Apesar disso, continuo a entender que Costa e os seus amigos (sem contar com os novos [do BE e PCP]) não podem ter apenas uma ambição de poder pelo poder. Devem antes ter um propósito muito mais sério para executar o plano que executaram (e que se iniciou com o derrube de António José Seguro), pois ninguém coloca em risco o futuro e a própria existência do seu partido em vão. Algo muito poderoso os move. Sei, contudo, que essa motivação não está centrada tão-somente nos (superiores) interesses do povo e do País. Os dias demonstrarão (ou não) aquilo que será e que, por ora, apenas suspeito. Veremos em tempo.

Neste âmbito, o Parlamento fez cair o Governo eleito pelo povo dando azo a um dia histórico na já muito confusa e ainda mais desacreditada democracia portuguesa. Naquele 10 de Novembro algo novo surgiu no espectro politico português. A partir daquele dia nada mais será igual e, provavelmente, tal como antevi em 2004, passaremos a ter duas forças políticas realmente diferentes e cuja dinâmica, fora do “centrão” (curiosamente existente no fim da monarquia constitucional e na III república), será potencialmente mais proveitosa e produtiva para os cidadãos portugueses. Esta nova variável poderá levar ao fim deste regime e abrir caminho para outro. Apenas espero que aquele não venha, uma vez mais, na fórmula mais que gasta de república (a IV), mas antes sim à semelhança dos regimes realmente avançados e que compõem os países mais desenvolvidos do mundo em índices como democracia, desenvolvimento humano, liberdade, alegria e outros (vide Noruega, Suécia, Dinamarca, Holanda, Bélgica, Inglaterra, Canadá, Austrália, Japão, etc), ou seja Monarquia!

Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!