Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

O novo Benfica

Nunca pensei que isto fosse possível, mas nos últimos tempos o Sport Lisboa e Benfica (SLB) tem vindo a afirmar-se como um Clube de elites. Apesar dos 6 milhões, o Benfica não tem respeitado a maior fatia do seu bolo e tem-se inclinado, isso sim, perante determinadas elites. Pelo cenário que assistimos, essas elites não devem ser diferentes daquelas perante as quais o País tomba: as financeiras.
O seu elitismo tem uma expressão e uma materialização: a Benfica TV. Antevejo que essa solução não funcione para o Clube. O Benfica (mesmo somando a diáspora), não tem dimensão para um produto destes. Este produto serve, tão-somente, para receber umas coroas e para pagar ordenados de jogadores e pouco mais. As verbas devem ser simpáticas, não contradigo isso, mas nada que se assemelhe àquilo que acontece, por exemplo, com o Manchester United. As perdas, essas sim, serão devastadoras no futuro. O património humano é insubstituível num Clube, disso podemos estar todos certos.
Com a Benfica TV, o Benfica de hoje está hipotecando o futuro de amanhã por uns tostões. Mais, está mesmo invertendo, por completo, a sua lógica e o seu maior trunfo de sempre: a popularidade. Ou seja, como é comummente sabido, o Benfica deve muito ao Regime anterior e alguma imprensa que conseguiram, arrecadar-lhe, com anos a fio de propaganda, uma estrutura icónica e mítica perante a consciência de muitos portugueses. Mas essa evidência, além de real, era assente na vontade popular…no povo para sermos objectivos.
Ora, no domingo passado, eu não vi o Benfica – Porto, pois não tenho, nem nunca terei (paga), a Benfica TV. Como eu, afiguram-se todos os sportinguistas, portistas e por aí adiante. Mas o pior é que a verdadeira transversalidade do Benfica, que assenta muito nas classes mais desfavorecidas e pobres, está a ser brutalmente afectada e atingida no seu âmago. Aqueles estratos sociais não podem pagar bilhetes para a Luz, mas pagar a Benfica TV muito menos.
Ou seja, por mais que o Estádio da Luz consiga levar em pessoas (60.000 julgo), esse número é sempre inexpressivo perante os tais milhões iniciados também pelo dígito 6. Desse enorme bolo de milhões, efectivamente, só uma elite, especialmente nos dias de crise que hoje correm, terá acesso e essa traduz-se nos benfiquistas mais abastados.
Cabe-me, enquanto sportinguista, considerar a realidade de um prisma externo e meramente analítico, mas mentiria se dissesse que não me agrada a opção encarnada, pois, a longo prazo, os resultados poderão estar à vista e esses não serão os melhores para o SLB. Não vendo jogos, mas sim os de outros, e se o figurino ficar, a mística vermelha diluir-se-á e naturalmente serão procuradas (outras) soluções pelas juventudes vindoiras.
Recordo, para terminar, o que aconteceu com a Formula 1 em Portugal, cujo fenómeno, até aos 90s, quando os campeonatos eram transmitidos pela RTP, traduzia uma notável popularidade, pois todos assistiam, em suas casas, durante o início da tarde. Contudo, no presente, e passadas poucas décadas, é uma modalidade efectivamente moribunda em Portugal. 
“Penso eu de que”.
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!