Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

No i «Sinal de contradição»

«1º DE DEZEMBRO

É justo que a todos os cidadãos se reconheça a liberdade de pensamento e de expressão em matéria política. Mas há ocasiões históricas que requerem, em nome do bem comum, que se relevem as opiniões pessoais divergentes, em prol de um desígnio nacional. O 1º de Dezembro de 1640 foi um desses momentos e, por isso, a sua rememoração, como dia feriado, não é dispensável. Apesar da crise. Porque a crise exige a todos os portugueses, nesta hora grave da nossa história, um suplemento de patriotismo.

Quarenta varões da melhor cepa insurgiram-se contra a dominação filipina, em nome da dinastia de Bragança e da independência de Portugal. Provavelmente, não coincidiam em todos os pontos de vista referentes à governação do reino, mas tiveram a nobreza e a coragem de esquecer particularismos pessoais ou regionais para, juntos e a uma só voz, protagonizarem uma generosa afirmação de amor e de serviço ao país.
É certo que outrora, como agora, não faltaram os velhos do Restelo. Aves de mau agoiro que invectivam, com maldições, os que têm a seu cargo o leme da nau que é Portugal. Mas a história não foi escrita pelos que ficaram em terra, mas pelos que ousaram demandar o além. Dos fracos não reza a história porque, criticar, sempre foi fácil. O difícil é fazer.
Portugal vive momentos difíceis e, muito embora a independência nacional não esteja formalmente ameaçada, a soberania da nação está em risco. Por isso é importante recordar e festejar o 1º de Dezembro: mais do que uma efeméride ultrapassada, é uma lição urgente e necessária para o tempo presente. Porque é na memória destes feitos que se reacende a esperança do povo que somos. Porque é de mulheres e de homens como os conjurados que Portugal agora, mais do que nunca, precisa.»
Gonçalo Portocarrero de Almada
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!