Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Algo de diferente naquele dia

Indubitavelmente este foi um dia da Independência diferente dos outros passados em república. Essa é minha convicta opinião.

Mas como se afere e se conclui isso? Como!?

Ora, afere-se e conclui-se por intermédio da prova que são as imagens em frente à Câmara Municipal de Lisboa, pelas imagens dos variadíssimos jantares dos Conjurados espalhados por todo o País, pelas manifestações de apoio ao Senhor Duque de Bragança, pela percepção que os portugueses cada vez mais vão adquirindo sobre quem foram e quem quererem ser para ultrapassar esta crise de Soberania, pela organização, sobretudo este aspecto, que muito tem faltado aos monárquicos.

Houve mais rigor, houve mais determinação, houve mais concertação, houve mais sintonia, houve mais preparação, houve mais informação. Como tal, objectivo atingido e transmitiu-se uma imagem global e coesa…não apenas de um jantar de alguns. O dia da Independência é de todos os portugueses, não apenas dos monárquicos. Há que começar a ver “não monárquicos” nestes eventos. Há que organizar o evento como os Conjurados se organizaram para a acção, com rigorosa organização. Juntaram o povo descontente a eles e recuperaram a Monarquia dos portugueses.

Na minha opinião esta significativa melhoria, em ritmo de aperfeiçoamento contínuo, tem um nome: Dr. Luis Lavradio, Presidente da Causa Real. Não o conheço pessoalmente, mas a obra, essa, já ganha forma, é notória e reconheço progressos nunca vistos na Causa Monárquica. O seu discurso foi exemplo, reflexo e prova disso mesmo…a prova daquilo que afirmo.

Bem-haja o Sr. Presidente da Causa Real. Que me desculpe o estrangeirismo dos nossos antigos aliados, mas: “keep on going!”
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!