Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

terça-feira, 12 de junho de 2012

Portugal: O País pior resolvido na História mundial

Vi a última “Moeda de Troika” e gostei de se ter abordado o tema das Monarquias Constitucionais, por via do Jubileu de Isabel II de Inglaterra. 
Gostaria de dizer que estou (e sempre estive) sintonizado com a posição que expressou Rita Ferro em relação a Diana de Gales, que não era nenhuma plebeia…frise-se.
Refiro também que entendo plenamente o que disse Herman José quando afirmava que receber a comenda soube-lhe a pouco (ou algo próximo disso). Uma cerimónia abaixo das expectativas para algo tão importante numa carreira de vida, tendo ele comparado (novamente) com o caso inglês.
Em contexto, a Ana Mesquita focou o seu agrado na beleza dos ritos e do protocolo (monárquico) inglês.
Neste sentido, é importante dizer que Portugal padece de um problema degenerativo e ilegítimo chamado república. As únicas duas coisas que são necessárias é que se fale e se informe sobre o que foi a nossa Monarquia durante 767 anos e o que são hoje as mais modernas e progressistas sociedades humanas: Monarquias (ver os índices de desenvolvimento humano e o de democracia).
É importante que se veja qual é o real condicionador daqueles aspectos que todos os intervenientes referiram sobre este tema, no decurso do programa, pois ele tem um nome: república.
Portugal é sujeito na sua sociedade a tantos testes de medição de qualidade, inquéritos de procedimentos e boa conduta e não faz o mais importante de todos como fizeram (com monarquias bem mais recentes que a nossa) os brasileiros, os gregos, os italianos ou os espanhóis: um “inquérito” (referendo) sobre o regime que preferiam ver democraticamente instalado.
A república derrubou uma democracia e um regime quase oitocentista à força bruta e das armas e está tudo calado até hoje?! Portugal é o país mais mal resolvido que conheço na História mundial, pelos exactos motivos que referi e pelas razões que nos levaram ao estado em que chegamos de ré em república.
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!