Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Quando a república Protegeu a Rainha

Aquilo que os republicanos desdenharam, mal trataram, destruíram e, acima de tudo, tentaram apagar com uma bandeira, foi tão-somente o passado e a origem de um povo: a sua monarquia.

Recentemente muitos criticaram o deputado da madeira por manifestar-se na Assembleia Regional com uma bandeira do Daesh. O repúdio é óbvio, tratava-se de uma bandeira terrorista.

Todavia, como qualificar a manutenção da atual bandeira da república que, não traduzindo as cores originárias do nosso País, transpõe inegáveis semelhanças do estandarte da Carbonária, ou seja de um movimento terrorista que matou em Portugal?

Curiosamente, foi aquela bandeira - a republicana, em determinado momento, a proteger a Rainha contra perigosos invasores, mais concretamente quando, nos anos quarenta do século passado, D. Amélia se escusou em deixar a França para ir para Portugal, aquando das invasões alemães nacionais-socialistas, pois entendia que naquele país era mais precisa.

A república portuguesa como país neutral na II Guerra Mundial impedia, por intermédio da sua bandeira içada no Chateau de Bellevue, a entrada dos alemães onde vivia a Rainha.

A Rainha não ignorou essa realidade. De registar que, no seu enterro, aquela mesma bandeira, que uma vez estivera no Castelo, envolveu a sua urna.

Em suma, e apesar das consequências que a Família Real sofrera pelos republicanos, facilmente se conclui que a instituição monárquica, colocando sempre o País em primeiro lugar, não desdenhou, não mal tratou, nem destruiu ou tentou sequer apagar aquela bandeira, que apesar de ter sido imposta aos portugueses, por um lado, não deixava de ser representativa, por outro, de Portugal.


Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!