Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Atraso de Vida

Longos vão os anos que venho escrevendo e defendendo isto.

O maior problema são os jovens que, sem preparação e autonomia de pensamento, são levados no turbilhão da propaganda republicana jacobina de esquerda. Confundem esquerda com progresso. Mais bolor é impossível do que na 'nossa' tão portuguesinha esquerda.

«Até aos anos 70 e 80 a esquerda era progressista, apostava no progresso e na mudança, acreditava no futuro. A direita, pelo contrário, era conservadora e temia os novos tempos.... Só que, com o avanço da globalização, com o aumento da competição a nível mundial, com a China a transformar-se na grande fábrica do mundo, com tudo isto, as chamadas ‘conquistas dos trabalhadores’ europeus (direito à greve, proibição do despedimento individual, 35 horas de trabalho semanais, um mês de férias, 14 salários por ano, escola e saúde gratuitas, etc.) ficaram em perigo. E assim, a esquerda passou de uma atitude ofensiva a uma atitude defensiva. Começou a defender o que já tinha alcançado. Passou a não querer que se mexa nas leis laborais, a não querer que se altere a Constituição, a não querer que se mude nada. A direita, pelo contrário, sendo mais pragmática, mais realista, menos agarrada à ideologia e mais aderente à realidade, adaptou-se mais depressa à globalização e percebe que as mudanças são inevitáveis. E que, quanto mais Portugal se atrasar a fazê-las, menos competitivo será no mundo global. Assim, a direita tem hoje uma posição reformista, defende a mudança, a evolução das leis, a revisão da Constituição, enquanto a esquerda olha para trás.»

Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!