Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sexta-feira, 27 de março de 2015

“Mulheres contra a (in)justiça saudita”

Este era o título do artigo contido na página 41, do Primeiro Caderno, de 14 de Março de 2015, do Semanário Expresso. A notícia reportava-se a “um jovem intelectual” e blogger, de 31 anos, saudita, Raif Badawi, que foi condenado a dez anos de prisão e a mil chicotadas. O crime, esse, seria essencialmente um suposto abandono, por Raif, da religião islâmica.

Nesse contexto, a peça jornalística descreve a intervenção de três mulheres, dispersas por três países em continentes diferentes (Canadá, Arábia Saudita e Suíça) e que, sendo muçulmanas, têm feito de tudo, “dia e noite”, para libertar Raif. O Expresso, por intermédio da jornalista Margarida Mota, abordou as três.

Todavia, e para ser muito franco, não foi este o assunto (supostamente principal) que me despertou interesse. Foi antes um dos subcontextos, mormente o de uma das três mulheres, Samar Badawi, irmã do detido e aquela que reside no local da discórdia: na Arábia Saudita. Refere o artigo que esta mulher sofre duplamente, porquanto tem o irmão preso e também o seu marido, Walid Abu al-Ka, o advogado de Raif e conhecido activista na região.

O Reino da Arábia Saudita é o maior país árabe da Ásia Ocidental e o segundo maior do mundo árabe (só ultrapassado pela Argélia). O Reino foi fundado pelo Rei Abd al-Aziz Al Saud prevalecendo, até hoje, a casa ancestral de sua família, a Casa de Saud.

A Arábia Saudita possuiu a segunda maior reserva de petróleo e a sexta maior reserva de gás natural do mundo, é considerada uma respeitável economia pelo Banco Mundial e possui o 19º maior PIB do mundo. Enquanto um dos maiores exportadores de petróleo, o Reino da Arábia Saudita é também um dos países mais poderosos do mundo.

Apesar da sua simpática realidade económica e de registar, em alguns domínios, determinados avanços societários qua a tornam um dos países árabes mais desenvolvidos, não é menos verdade que, na Arábia Saudita, desde da sua criação, o sistema político tem sido o de uma monarquia absoluta teocrática. Essa preponderância, até com grandes influências sobre o próprio Governo, advém, de certo modo, da importância deste Reino ser a "Terra das Duas Mesquitas Sagradas", ou seja por comportar as mesquitas al-Masjid al-Haram (em Meca) e al-Masjid an-Nabawi (em Medina), os dois lugares mais sagrados do islamismo.

Colocado o contexto, recuperava a pessoa de Walid Abu al-Ka, o advogado de Raif Badawi e marido de Samar. Este homem, enquanto activista, é um incansável defensor daquilo em que acredita, a prova disso advém do facto de estar preso pelo regime que contrapõe. Assim, contra a monarquia absoluta teocrática, é admirável, sintomático e até muito inovador nos dias que correm, que este causídico, em vez de se opor à fórmula monárquica sugerindo o que seria simples, corriqueiro, abundante e até “normal” nestes contextos, i.e. emergir a irrepreensível fórmula republicana de regime, mas não, nem pensar! Estando preso, continua a ser nos calaboiços, pasmem-se, um “acérrimo defensor de uma monarquia constitucional”. Ora, não consigo deixar de analisar este caso como sendo de um particularismo ímpar e sintomático, porquanto é o contraponto daquilo que nos faltou, em Portugal, enquanto regime, nos séculos XIX e XX. Preferimos embarcar, como ultimamente continua a ser, em modas e não defender a nossa própria estrutura enquanto Nação. É certo e sabido que um país como o Reino da Arábia Saudita tem essa grande vantagem de estar desprendido das habituais forças de pressão que nos conduziram à república e que, infelizmente, ainda hoje por aí controlam a máquina estatal e formatam a cabeça dos cidadãos, sendo por isso os sauditas mais sólidos enquanto intérpretes da Nação histórica…mesmo os seus activistas progressistas. Contudo, e ainda assim, atendendo ao legado da Monarquia Portuguesa, e dos exemplos europeus que naqueles períodos predominavam e que ainda hoje alguns proliferam, ter-nos-ia sido muitíssimo mais congruente e profícuo mantemo-nos em Monarquia. A nossa infeliz realidade hodierna isso demonstra e as democracias monárquicas avançadas do mundo enfatizam-na.

Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!