Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sábado, 4 de novembro de 2017

Filmes 2017


Como sempre as férias foram aproveitadas para colocar em dia alguns filmes. Apenas agora foi possível compilar.

Deixo aqui a seleção deste ano:

- Joy, de David O. Russell
- Miles Ahead, de Don Cheadle
- The Revenant: O Renascido, de Alejandro G. Iñárritu
- A Rapariga Dinamarquesa, de Tom Hooper
- 007 Spectre, de Sam Mendes
- Esquadrão Suicida, de David Ayer (inspirado em BD)
- As Sufragistas, de Sarah Gavron 
- O Que Está Por Vir, de Mia Hansen-Løve
- Florence Foster Jenkins, de Stephen Frears
- O Conto dos Contos, de Matteo Garrone
- Tudo Vai Ficar Bem, de Wim Wenders
- Salve, César!, dos irmãos Coen
- Doutor Estranho, de Scott Derrickson (inspirado em BD)
- Maravilhoso Boccaccio, de Vittorio Taviani e Paolo Taviani
- O Amigo Gigante, de Steven Spielberg
- Rogue One, de Gareth Edwards
- The Bling Ring: Gangue de Hollywood, de Sofia Coppola
- The Hateful Eight | Os Oito Odiados, de Quentin Tarantino
- Caso Spotlight, de Thomas McCarthy
- Hacksaw Ridge, de Mel Gibson
- Ressurreição, de Kevin Reynolds
- La La Land, de Damien Chazelle
- Carol, de Todd Haynes
- Anna Karenina, de Joe Wright
- Animais Noturnos, de Tom Ford
- Snowden, de Oliver Stone
- Ela, de Paul Verhoeven
- Milagre no Rio Hudson, de Clint Eastwood
- Não o Levarás Contigo, de Frank Capra
- Nixon, de Oliver Stone
- Madoff: Teia de Mentiras, de Barry Levinson
- Belles Familles: Que Famílias!, de Jean-Paul Rappeneau
- Café Society, de Woody Allen
- Hitchcock | Truffaut (Documentário), de Kent Jones
- Sozinhos em Berlim, de Vincent Perez
- Barão Vermelho, de Nokolai Mullerschon
- Arrival: O Primeiro Encontro, de Denis Villeneuve
- Doutor Estranhoamor, de Stanley Kubrick
- As Asas do Vento, de Hayao Miyazaki (desenho animado)

Destacaria e recomendaria, considerando o respetivo género de cada filme, estes 19:

- As Sufragistas, de Sarah Gavron 
- O Que Está Por Vir, de Mia Hansen-Løve
- Florence Foster Jenkins, de Stephen Frears
- Tudo Vai Ficar Bem, de Wim Wenders
- The Bling Ring: Gangue de Hollywood, de Sofia Coppola
- Rogue One, de Gareth Edwards
- Hacksaw Ridge, de Mel Gibson
- La La Land, de Damien Chazelle
- Animais Noturnos, de Tom Ford
- Snowden, de Oliver Stone
- Ela, de Paul Verhoeven
- Milagre no Rio Hudson, de Clint Eastwood
- Nixon, de Oliver Stone
- Madoff: Teia de Mentiras, de Barry Levinson
- Belles Familles: Que Famílias!, de Jean-Paul Rappeneau
- Café Society, de Woody Allen
- Sozinhos em Berlim, de Vincent Perez
- Arrival: O Primeiro Encontro, de Denis Villeneuve
- As Asas do Vento, de Hayao Miyazaki

Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!