Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

All you don´t need is love


Este título consubstancia, aparentemente, uma antítese àquilo que deve ocorrer nas nossas vidas e nas relações humanas. Por outro lado, o mesmo título é a inversão (ou mesmo a subversão se preferirem) do famoso tema, de 1967, dos Beatles.
Contudo, num contexto tenístico, posso afiançar que o título está absolutamente certo. Parafraseando um autor que cujo nome desconheço, rapidamente assimilamos o quanto se encontra correcto: “To a tennis player, love means nothing.”
Não, não… esta última frase não quer traduzir que um jogador de ténis, seja ele profissional ou amador, seja insensível ao mais importante dos sentimentos. Indubitavelmente que não é isso.
O seu significado traduz algo muito diferente, algo que apenas pode ser contextualizado no seio da própria modalidade.
A grande realidade é que no ténis, e para os países de expressão inglesa, “love” significa zero ou nada. Ou seja, se atendermos a Roland Garros, um dos mais importantes torneios do mundo, que se joga em Paris, um 15 - 0 ou um 30 - 0 (ou nada), corresponderão, num Open da Austrália, Wimbledon ou num US Open, os mais emblemáticos torneios jogados em países anglófonos, a concretamente um: “fifteen” - “love” ou “thirty” - “love”. 
Mas porquê a expressão “love”? Relativamente à origem da expressão “love”, não existem certezas no seio dos estudiosos da matéria. Uns afirmam que a origem da palavra "love" no ténis poderá derivar da expressão francesa para ovo (“l'oeuf”), porquanto aquele alimento apresenta semelhanças com um zero.
Para outros, e talvez com maior propriedade, terá derivado da frase “to play for love (of the game)”, i.e., jogar para nada ou jogar por jogar sem receber nada em troca…traduzindo-se de uma forma mais simplista e/ou restritiva. 
Todavia, por melhor ou pior que seja a corrente teorética sobre o busílis que encerra esta expressão, o que importa reter é que “love” traduz sim aquilo que qualquer tenista procura evitar e não registar na sua contagem de jogo.

Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!