Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

O "pluralismo" caviar minoritário...regado com champagne

Apontamentos do dia:

1 - Neste triste dia, para Portugal, estão a tentar fazer o seguinte:
Para a ciência matemática, 2 + 2 = 4 (é um conceito abstracto mas científico).
Para a ciência jurídica, o artigo 1577.º Código Civil - Noção de casamento – prevê que o Casamento é o contrato celebrado entre duas pessoas de sexo diferente que pretendem constituir família mediante uma plena comunhão de vida, nos termos das disposições deste Código (é igualmente um conceito abstracto  e científico). Ou seja esta figura do ordenamento jurídico português tem as suas bases no Direito Natural, pré romano. Estamos, portanto, a falar de ciência.
Ora, o que estão a querer “vender” aos portugueses, corresponde a dizer a um professor de matemática que 2 + 2 passa a ser 5, como estão agora a fazer, com as necessárias adaptações, com os juristas.

2 - Subversão da democracia: em trágica crise económica, de emprego, de educação, etc, ainda assim o "pluralismo" caviar* minoritário esmaga a maioria, por si só, pluralista.

3 - Continua-se a copiar a Espanha. São assim as camaradagens ao "serviço" dos Estados, sendo que a Espanha pré Zapatero estava a agigantar-se na Europa e agora voltou para o lugar dos últimos. A maioria dos países desenvolvidos, fiéis ao rigor, criaram uma figura jurídica tecnicamente diferente do casamento para solucionar o "problema". Ou seja, à parte de qualquer crença religiosa, quiseram manter os pilares da ciência universal que nos rege, optando pela criação de uma figura jurídica que abarque a união entre pessoas do mesmo sexo, mas distinta do casamento.

4 - E os homossexuais que são contra o "aparato" do casamento entre pessoas do mesmo sexo ? Não têm opinião na matéria ? Alguém os ouviu ?

5 - Quase com pena do PM, por ter ido, em pessoa, fazer, quiçá, o frete de defender o lobby que tanto queria esta aprovação, lá foi dizendo na AR que a adopção é algo completamente à parte do casamento que hoje se discutiu. É um instituto diferente dizia ele. Mais disse, quanto à adopção, e porque esta envolve crianças, incumbe ao Estado protegê-las. Após tais declarações impõe-se a pergunta: protegê-las de quem Sr. Primeiro-Ministro ?!

6 - Os 2 casamentos de Sócrates: 1.º) O do artigo 1577.º na actual redacção; 2.º) A imitação de casamento que não contempla a adopção (= inconstitucionalidade face ao artigo 13.º da CRP).

7 - Será que tudo o que  se passou hoje na AR é mais um cunning plan do Eng. Sócrates, para calar a esquerda caviar e, depois, ter de ser o PR a "corrigir" o artigo por inconstitucionalidade ?

Apelo: Senhor Presidente da República, actue como o Rei que infelizmente não temos, e vete esta proposta, invocando, tão simplesmente as inconstitucionalidades que, por exemplo, um dos pais da Constituição, Jorge Miranda, já está farto farto de identificar.


* "Foi festejado com champagne nas escadarias" (Notícia TSF, 15h). Pena é não haver champagne para o povo que tem de contar o dinheiro para comer e que não tem emprego.
Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!