Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sexta-feira, 7 de março de 2014

Uniformistas, correctores da raça, big brothers pré-natalistas e exterminadores fetais…?

David Almeida, actor, pessoa de personalidade forte, bem-nascido, boémio, tendencialmente defensor de ideias de esquerda, tem Nanismo (na variante de “androcoplasia”) e, a certa altura na entrevista dada ao Canal Q, a 25/11/2013, no Programa ‘Baseado numa História Verídica’, apresentado por Aurélio Gomes, encontrando-se ladeado pelo seu boneco de estimação, o anão Rezingão da ‘Branca de Neve’, constata que os “anões estão em vias de extinção” (46’20”).

Perante aquela constatação, de imediato observa o entrevistador, bem como o entrevistado, que essa “extinção” está hoje directamente conexa aos testes pré-natais.

Neste contexto e em oportuno timing, Aurélio Gomes avança com uma mui pertinente questão: «E isso aborrece-te?»

Sucede uma fracção de segundos de silêncio e reflexão por David (realidade que nunca havia ocorrido durante toda a entrevista do dinâmico actor).

Insiste o entrevistador: «Se isso existisse antes de tu nasceres, podias não estar aqui (…). Pensas sobre isso? Tens um pensamento ético sobre o assunto?»

Após mais algum silêncio de reflexão ao que, David Almeida, acaba por responder:

«Há pessoas que vivem mal com a condição»; «Há uma operação para anões, os meus pais falaram-me nisso»; «Eu fui falar com os meus amigos. E se eu fizesse uma operação, onde crescesse mais 20 cm? E todos os meus amigos responderam: “tu perdias a tua identidade”; Ou seja, todos foram contra isso».

«Mas se me preocupa se estão em vias de extinção…preocupa-me mais o rinoceronte!»

«Isso é querer chegar a um ponto em que tudo é igual, tudo é uniforme»

Insiste o entrevistador: «Mas isso não te aborrece?»

Ao que, finalmente, responde: «Aborrece-me, acho absolutamente ridículo»; «Mas se é para aí que as coisas estão a caminhar…»

Share |

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!