Este é um microcosmo apartidário embora ideológico, pois «nenhuma escrita é ideologicamente neutra*»

*Roland Bartes

Intros: 1 2

sexta-feira, 9 de julho de 2010

A Rainha e o motivo nacional...

Vamos ter de esperar mais 100 anos para poder reingressar no sistema do qual nunca devíamos ter saído? Quando vamos ter o direito de poder escolher um sistema similar a este, conforme tínhamos até 05-10-1910? 
Para que o nosso País possa evoluir civilizacionalmente, é necessário, o quanto antes, esclarecer e reagrupar a consciência colectiva derivante para que, a médio ou logo prazo, possamos nos desenvolver societariamente outra vez...
Quanto ao acto da Rainha de Espanha, é algo habitual na F. Real Espanhola relativamente aos grandes momentos daquele Reino. Este foi particularmente bonito e surpreendente...
Share |

2 comentários:

  1. Não há nada como se viver num Reino e ter-se uma Rinha que visitou os jogadores da selecção cumprimentando-os um a um e dandondo-lhes o apoio e estímulo devido para que vençam o Mundial.
    VIVA A RAINHA DE ESPANHA!
    Portugal, contnua a "marcar passo" não sei até quando....

    ResponderEliminar
  2. Nem mais Maria!

    Foi extremamente precisa quando referiu: "cumprimentando-os um a um e dando-lhes o apoio e estímulo devido para que vençam".

    É isso que falta a Portugal: mentalidade vencedora e alheia à pequenez que hoje, infelizmente, nos caracteriza (veja o exemplo vindo da França). Ou seja, claramente um problema de mentalidade colectiva!
    Pela resolução desta lacuna me bato todos os dias. Porém, começo a ficar farto de explicar a quem não quer compreender e ficar neste nosso cada vez mais profundo "buraco negro".
    A Monarquia não resolve os nossos problemas "executivos" num curto prazo, tipo arte de magia. Mas resolverá a médio ou longo prazo. Por hipótese: começando o regime Monárquico amanhã, daqui a duas ou três gerações estou convicto que estaríamos bem melhores. Daqui a seis ou sete éramos mesmo incomparavelmente superiores ao "passo" que andamos a marcar.

    ResponderEliminar

«Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-Los» (Alexandre Herculano)

«(…) abandonar o azul e branco, Portugal abandonara a sua história e que os povos que abandonam a sua história decaem e morrem (…)» (O Herói, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro)

Entre homens de inteligência, não há nada mais nobre e digno do que um jurar lealdade a outro, enquanto seu representante, se aquele for merecedor disso. (Pedro Paiva Araújo)

Este povo antes de eleger um chefe de Estado, foi eleito como povo por um Rei! (Pedro Paiva Araújo)

«A República foi feita em Lisboa e o resto do País soube pelo telégrafo. O povo não teve nada a ver com isso» (testemunho de Alfredo Marceneiro prestado por João Ferreira Rosa)

«What an intelligent and dynamic young King. I just can not understand the portuguese, they have committed a very serious mistake which may cost them dearly, for years to come.» (Sir Winston Leonard Spencer-Churchill sobre D. Manuel II no seu exílio)

«Everything popular is wrong» (Oscar Wilde)

«Pergunta: Queres ser rei?

Resposta: Eu?! Jamais! Não sou tão pequeno quanto isso! Eu quero ser maior, quero por o Rei!» (NCP)

Um presidente da república disse «(...)"ser o provedor do povo". O povo. Aquela coisa distante. A vantagem de ser monárquico é nestas coisas. Um rei não diz ser o provedor do povo. Nem diz ser do povo. Diz que é o povo.» (Rodrigo Moita de Deus)

«Chegou a hora de acordar consciências e reunir vontades, combatendo a mentira, o desânimo, a resignação e o desinteresse» (S.A.R. Dom Duarte de Bragança)

Go on, palavras D'El-Rey!